O furto da minha moto

Pois é, na sexta-feira cedo eu postei a triste notícia de que tinham furtado a minha Moto. Como não estava com cabeça para nada, eu só coloquei a notícia e os detalhes relevantes da moto. Mas agora mais calmo eu vou contar como aconteceu tudo.

Todos os dias eu acordo por volta das 7h00 para começar a me aprontar para ir trabalhar, pois foi neste horário que um vizinho veio me acordar, dizendo “Acho que roubaram a sua moto”.
Em segundos aquela guerra de emoções me impedia de pensar em qualquer outra coisa, fui até a garagem de casa, e vi o portão meio-aberto e o espaço da minha moto vazio.

É foda… não se sabe nem o que sentir na hora. Fiquei puto mas inconformado ao mesmo tempo. E já iniciei o que eu acreditava ser a primeira providência neste caso: Avisar a polícia.

Liguei 190, no primeiro toque me atende uma policial muito simpática, avisei a ela que roubaram a moto, ela anotou alguns detalhes, confirmou outros que o sistema dela já me mostrou, pegou os telefones e me avisou que eu ainda assim deveria fazer um Boletim de Ocorrência na polícia civil, e que aquilo era apenas uma notificação. Me informou inclusive que eu poderia fazer pela Internet.

Ok, liguei o PC e entrei no site da Polícia Civil de SP. Lá, há uma opção para fazer o boletim de ocorrência eletrônico. Preenchi o formulário (que era meio extenso, mas com dados relevantes), e fui informado pelo sistema que em até 30 minutos alguém me ligaria para confirmar os dados. Levou 5. Uma outra policial civil me ligou e confirmou alguns dos dados, inclusive o Número do chassis da moto, que eu errei e coloquei o CPF no lugar. Neste BO, eu especifiquei que a moto tinha um detalhe: “O farol estava ralado devido ao último tombo.”

Depois, entrei no site da Polícia Rodoviária Federal e fiz o Aviso de Veículo Furtado ou Roubado. Um formulário menor e mais simples, e logo depois, postei aqui no Blog a notícia de que minha moto havia sido furtada, e logo depois, liguei no escritório avisando que não iria trabalhar, e a Luana fez o mesmo.

Depois de toda a lição de casa feita, fica a sensação de “e agora?”. É um momento em que você percebe que já fez tudo o que podia e que isso não foi suficiente. Então, fui até a garagem novamente para analisar a cena.

A moto estava com o cadeado de disco, segredo e alarme, tudo funcionando. O portão da minha casa é dividido em duas partes, do tipo de correr, e fecha quando amarramos uma corrente entre um portão e outro. Os ladrões não fizeram nenhum barulho, portanto, eu suponho que eles tenham pulado dentro de casa, entrado na garagem (sem abrir o portão), desligado o alarme sem mexer na moto, então quebraram a corrente, abriram o portão, colocaram a moto em cima de alguma caminhonete ou furgão, e foram embora, levando inclusive a corrente do portão com eles.

Uns 30 minutos se passaram, dai o telefone toca. Era uma ligação a cobrar, de um sujeito que dizia estar com a minha moto e querendo um resgate. Ele queria 2500 reais para me dizer onde a moto estava, e eu comecei a negociar com ele, chegamos em 2000. Como eu estava achando aquilo muito estranho, eu resolvi testar o sujeito, para saber se ele realmente estava com a moto. Perguntei a ele sobre algum detalhe que tinha na moto, algum adesivo, algum ralado, alguma coisa que identifica-se aquela moto como sendo a minha. Ele enrolou e não soube dizer. Eu então falei “Rapaz, você não está com a minha moto, vai procurar outro pra encher o saco”, e desliguei.

Uns minutos depois, o mesmo sujeito me liga, dizendo que foi lá na moto ver e viu que o farol estava ralado (tal qual eu informei no BO – o sujeito tinha acesso ao BO… nem preciso dizer mais nada né?), porém, não é o farol que estava ralado, e sim a carenagem do farol. Além disso, pedi mais detalhes, perguntei dos adesivos, e ele se enrolou de novo.

Esse cara ficou me ligando até as 10h00, então me esqueceu, e ligou de novo depois das 16h00, sempre com o mesmo papo, eu falei “cara, não quero mais essa moto, enfia ela no rabo”, e então ele não me ligou mais… Eu percebi que o negócio começou a ficar ruim depois que ele começou a pedir créditos para celular… Dai a ficha caiu, que ele estava falando de alguma cadeia por ai… É aquele famoso golpe do sequestro virtual, só que agora com vítimas de furto de veículo.

Bom, eu já tinha dado a moto como perdida logo que fiquei sabendo… Eu sei que são raríssimos os casos de recuperação, então coloquei na minha cabeça que o melhor é erguer a cabeça, trabalhar muito e comprar outra moto. Se recuperarem a minha moto a esta altura do campeonato, é lucro. Para tentar esquecer, fui ao cinema na sexta-feira a noite e ontem tentei seguir a minha vida normalmente fazendo as coisas que planejávamos fazer mesmo, tipo fazer supermercado, comprar roupas, etc.

Hoje já estamos melhores, mas o sentimento de incapacidade é sempre presente agora em tudo o que fazemos. Coloquei umas trancas mais robustas no portão de casa, mudei algumas coisas na nossa rotina diária, mas não tem jeito, nada nos faz sentir seguros novamente.

Eu morei a vida inteira aqui em Osasco, porém só de 1 ano e meio pra cá eu moro em uma casa, o restante morei em um apartamento em um condomínio fechado. Nunca tive problemas com assaltos ou furtos em 24 anos no apartamento. Então, voltaremos a morar em apartamento e vamos torcer para não ter mais problemas com isso. Nós queríamos mesmo é nos mudar de cidade, mas enquanto temos muitos compromissos que nos prendem aqui na região, então, temos que fazer o que podemos.

E se vale como experiência:
1) Sem seguro nunca mais (o que elimina a maioria das Motos pequenas e motos da Honda).
2) Casa na rua nunca mais. Agora só condomínio.
3) Não negociar com ladrão, haja o que houver.
4) Não contar com a polícia para resolver seus problemas. Pelo contrário, podem te causar ainda mais problemas.

E quem souber de alguma coisa sobre uma Honda NX-4 Falcon Preta ano 2006, placa DOH-2173, favor entrar em contato.

Compartilhe!