GravatarMotos Blog » Destaques, Quentes, Testes, Yamaha

Yamaha Fazer 250 Blueflex – Teste completo


A Yamaha me enviou uma novíssima Fazer 250 Blue Flex para testar.

Antes de começar a ler o teste, talvez se interesse em ler a política de qualidade e transparência do Motos Blog.

História

Quando fui procurado, a princípio não acreditei que fosse realmente dar certo de efetivamente testar a Moto. Não seria a primeira vez que uma agência faria uma proposta para testar um produto e manifestasse a desistência ao longo do processo. Nunca soube ao certo o motivo disso, mas acredito que seja o fato do Motos Blog não ser efetivamente um veículo de imprensa profissional.

Mas desta vez foi diferente, alguém da Yamaha percebeu que o diferencial dos blogs está justamente em não ser tão profissional, e que a isenção do blogueiro é justamente o que atrai os seus leitores. É preciso confiar muito no próprio produto para sair da zona de conforto e aceitar entrar nesta nova mídia, e a Yamaha está de parabéns por isso.

A moto foi entregue de caminhão na minha casa, Zero Km, emplacada e com o tanque quase cheio. Fiquei com ela durante uma semana, e neste período pude testar praticamente em todos os cenários comuns: Trânsito caótico da cidade, deslocamentos mais longos e até duas pequenas viagens.

Moto sendo entregue - Apenas 19 km rodados

Moto sendo entregue – Apenas 19 km rodados

História da Fazer 250

A primeira versão da Yamaha YS250 Fazer foi lançada em 2005. O lançamento oficial aconteceu em Foz do Iguaçu em um evento fechado apenas para os concessionários. Nem mesmo a imprensa sabia deste evento. A Luana morava lá naquela época e por acaso estava por perto. Acabou capturando algumas fotos da moto (que ninguém sabia da existência até então) e publicou em um popular fórum da Internet, o que causou um grande tumulto na época. Todos estavam querendo saber mais sobre este importante lançamento.

Yamaha Fazer 250 2005

Yamaha Fazer 250 2005

A Fazer 250 foi a primeira Motocicleta 100% nacional a aposentar o carburador e adotar a Injeção Eletrônica como sistema de alimentação. Foi uma grande revolução na época, pois a injeção eletrônica só estava disponível em alguns modelos de motos maiores. Na época, sua única concorrente era a Honda CBX250 Twister, que possuía alimentação por carburador.

A moto continuou sendo produzida até 2008 sem maiores alterações. Em 2009, o sistema de injeção eletrônica ganhou um sensor de gases do escapamento, para adequação a legislação de emissão de poluentes que começou a vigorar no mesmo ano, e em 2011 veio a primeira reestilização da moto, que apesar de ter mantido o mesmo motor e mesmo chassi, ganhou uma roupagem completamente diferente, ganhando um design bem mais atual e bonito.

Yamaha YS250 Fazer 2011

Yamaha YS250 Fazer 2011

Este é o design da moto até hoje. A grande novidade agora é que o sistema de alimentação foi atualizado e permite que a moto funcione com Álcool Etanol, Gasolina, ou a mistura dos dois combustíveis em qualquer proporção. Mas vou falar disso mais adiante.

A Fazer 250 é totalmente fabricada no Brasil, na fábrica da Yamaha em Manaus-AM. Suas principais concorrentes são a Dafra Next 250, montada no Brasil e fabricada pela Sym em Taiwan, e a Honda CB 300R.

Concorrentes Honda CB300 e Dafra Next 250

Concorrentes Honda CB300 e Dafra Next 250

Sobre a Fazer 250

A Fazer 250 é uma moto criada para a cidade. O seu conjunto é todo pensando para facilidade e conforto para pilotar, e isso fica claro ao considerar a largura do banco do piloto, a posição ereta e o comportamento da suspensão. O motor de 249cc tem aceleração muito linear e bom torque em baixa e média rotação, que é o que mais se usa no trânsito urbano. O acionamento da embreagem é leve e o câmbio é muito, muito preciso, macio e bem escalonado. Não engatei uma marcha errada uma única vez, e não é necessário trocar de marchas com muita frequência, pois o motor consegue ter força em uma ampla faixa de RPM. Para completar, o gigantesco tanque de 19,2 litros garante uma enorme autonomia para a moto.

Yamaha YS250 Fazer Blueflex

Yamaha YS250 Fazer Blueflex

Não bastasse isso, a moto é muito bonita. Este novo visual é realmente muito moderno e de bom gosto, com cantos pontudos e linhas retas. É um grande salto em relação ao modelo anterior. A lanterna traseira, incolor e com luzes de led também é muito bonita e faz um ótimo conjunto com o farol em formato diamante. Por falar em farol, este é excelente! Com uma lâmpada H4 de 55/60W, ele ilumina muito bem durante a noite.

Farol da Yamaha Fazer 250 Blueflex

Farol da Yamaha Fazer 250 Blueflex


Lanterna traseira da Yamaha Fazer 250 Blueflex

Lanterna traseira da Yamaha Fazer 250 Blueflex

A moto não é muito grande, o que facilita o seu uso na cidade. Andar com ela no corredor não é difícil, e o guidão consegue virar bastante, permitindo manobrar facilmente em qualquer situação. Ela é ligeiramente mais alta que as suas concorrentes, e as pedaleiras são exatamente no centro em relação ao assento do piloto. A ergonomia é ótima, tanto braços quanto pernas ficam relaxados e a posição do corpo é ereta, aumentando o conforto.

Sob o banco da moto, há um pequeno espaço para guardar objetos diversos. É uma pequena caixinha plástica de uns 25x25x15cm, suficiente para acomodar o kit de ferramentas original, o manual da moto e uma carteira ou outro objeto pequeno.

Porta objetos da Yamaha Fazer 250 Blueflex

Porta objetos da Yamaha Fazer 250 Blueflex

A moto tem apenas 137 kg muito bem distribuídos, o que facilita muito a pilotagem no dia a dia. As mudanças repentinas de direção e as frenagens são fáceis e seguras. O manete do freio é bem suave e a moto freia bem sem precisar fazer muita força. O freio traseiro é a disco, e é muito bom. Achei que o disco deixaria a moto muito “perigosa”, afinal a traseira dela é leve e freios muito potentes poderiam facilmente travar a roda, mas a Yamaha conseguiu ajustar muito bem a progressividade do pedal de freio, e dá para ter muita sensibilidade nele e frear apenas o necessário. A embreagem também é muito leve e suave.

É uma moto realmente criada para a cidade, todo o conjunto foi projetado para proporcionar facilidade e leveza na pilotagem, apesar disso, a Fazer 250 se sai muito bem na estrada! É fácil manter 120 km/h com ela, e como a posição de pilotagem é confortável, pode-se viajar por horas sem sofrer muito. Mas o mesmo não pode ser dito do assento do garupa, que é mais alto e com as pedaleiras bem altas. O passageiro vai sofrer um pouco em longos trajetos.

Fazer 250 com garupa

Fazer 250 com garupa

A suspensão é um dos pontos fortes da Fazer 250. De curso um pouco maior que o convencional e de uma suavidade difícil de encontrar nas motos street, é extremamente macia e confortável. Apesar disso, não é muito mole, e consegue sustentar as curvas “de alta” sem dar nenhum susto. As bengalas não possuem regulagens de nenhum tipo, e o amortecedor traseiro possui apenas regulagem de pré-carga da mola. É um conjunto muito bem acertado para as nossas ruas esburacadas e asfalto cheio de ondulações.

Regulagem de pré carga do amortecedor da Fazer 250 Blueflex

Regulagem de pré carga do amortecedor da Fazer 250 Blueflex

Os pneus que calçam a moto são os Pirelli Sport Demon, 100/80 R17 na dianteira e 130/70 R17 na traseira, ambos sem câmara. São bem aderentes e não custam muito. Atendem 100% a proposta da moto.

Pneu Pirelli Sport Demon

Motor

Como já falei anteriormente, o comportamento do motor é muito suave e progressivo. Ele tem bom torque em baixa e média rotação, que é ótimo para as arrancadas e retomadas comuns no trânsito urbano. Mas posso falar muito mais do que isso.

A Yamaha, em 2005, introduziu o primeiro motor de moto nacional que usa um pistão forjado e um cilindro revestido com partículas de cerâmica. Esse tratamento especial confere resistência acima do normal ao motor, maior dissipação de calor e menos atrito das partes móveis, e isso se traduz em economia de combustível e aumento de durabilidade. A Fazer, desde sempre, é a moto mais econômica da categoria, conseguindo médias de consumo sempre na casa dos 30 km/l.

Blueflex

Mas nesta versão Blueflex, a Yamaha foi mais longe e conseguiu fazer um ajuste incrível na injeção eletrônica. A maioria das pessoas (eu incluso), baseadas na experiência com os carros e com a Titan Mix, achava que a moto Flex seria menos econômica com gasolina do que a moto que não é Flex. Eu confesso que quando calculei a primeira média me surpreendi, pois também achava que a média seria pior, mas foi justamente o contrário: a moto ficou ainda mais econômica.

Como eu não sabia exatamente qual combustível a Yamaha havia enviado com a moto, eu decidi esvaziar o tanque e encher com gasolina. Fiz uma viagem de 150 km com a moto e depois enchi o tanque novamente, e a média ficou em 32,04 km por litro.

Depois disso, esvaziei novamente o tanque, e rodei com a moto até ela apagar por falta de combustível, para ter certeza de que haveria o mínimo possível de gasolina no tanque. Então enchi o tanque apenas com Etanol e fiz outra viagem, dessa vez de 300 km, e a média ficou em 24,59 km por litro.

Essas médias foram em uso “normal”, ou seja, não fiquei me policiando para economizar. Viajei a 120 km/h o tempo todo, sem me preocupar em economizar para aumentar a média e “fazer bonito” para o teste, afinal, não é isso que temos no dia a dia. E essas médias me surpreenderam muito, achei a moto muito econômica.

Fazendo as contas, o fator de decisão de álcool/gasolina dela é de 0,77, ou seja, se a diferença de preço entre o etanol e a gasolina for superior a 0,77, compensa abastecer com gasolina, do contrário, compensa o etanol. No posto onde abasteci, o litro de gasolina custa R$ 2,599, e do Etanol custa R$ 1,699, portanto, fator de decisão de 0,65, neste caso, rodar com Etanol compensa. O custo de cada km rodado com gasolina é de R$ 0,081 e com etanol é de R$ 0,069. Rodar com Etanol representou uma economia de 17%! E ai, vale ou não a pena poder escolher o combustível? :-)

Com relação ao desempenho, eu sinceramente não senti uma diferença grande entre os dois combustíveis, eu ACHO (baseado em nada) que com o Etanol ela ficou um pouco mais esperta, mas eu sinceramente não posso afirmar isso. Infelizmente não consegui fazer um teste em um dinamômetro, mas o que posso dizer é que, se há alguma diferença, ela é pequena.

A partida a frio é uma grande dúvida das pessoas com relação a tecnologia Blueflex. Mas a experiência que tive foi muito satisfatória. O teste que fiz foi tentar ligar a moto bem cedo (5:30 da manhã – muito frio!). Para isso, bastou virar a chave e apertar o Start. Simples assim! Eu tive que segurar o start por um tempo um pouco maior, mas nada muito diferente do normal. A única diferença é que a luz “Blueflex” no painel se acende, e se apaga sozinha depois que o motor chegou na temperatura mínima de funcionamento, o que leva mais ou menos 1 minuto. Veja um vídeo da partida a frio:

Com gasolina, a luz Blueflex não se acende e não é preciso esperar nada. Enquanto a luz está acesa, se uma marcha for engatada, a moto se desliga automaticamente.

O câmbio da moto tem 5 marchas, e é muito bem escalonado. A 4ª marcha é a que tem a maior faixa de uso, variando de 50 a 100 km/h sem forçar o motor. A quinta marcha funciona mais como um Overdrive, permitindo viajar com mais velocidade mantendo o giro do motor mais baixo.

A velocidade máxima que consegui atingir com ela foi 140 km/h de painel, em terreno plano e sem vento. Como eu sou grande e tenho 103 kg, e a moto ainda é nova, imagino que ela conseguiria atingir velocidade um pouco maior em situações mais favoráveis. Mas justamente pelo fato do motor ser novo eu não quis fazer muitas tentativas.

Falando em painel, o da Fazer é completo, com relógio, marcador de combustível, hodômetro total e dois hodômetros parciais, e um terceiro hodômetro parcial, que se inicia automaticamente quando o tanque atinge o nível da reserva. O conta-giros analógico é grande, assim como o velocímetro digital, que tem ótima taxa de atualização. Todos são fáceis de enxergar. No escuro, com o painel iluminado, é possível ver que o fundo do LCD tem uma luz âmbar, que não incomoda e não atrapalha a pilotagem, e o conta-giros possui um ponteiro com iluminação vermelha e dígitos brancos. O design do painel é muito legal, moderno, limpo e preciso. Eu só não gostei de o relógio ficar em uma página dedicada. Para ver o relógio, é preciso pressionar o botão SELECT para ir trocando os instrumentos até que o relógio seja exibido. Seria mais legal se o relógio fica-se disponível o tempo todo, em todas as telas do painel. Mas isso é só um detalhe.

Painel da Fazer 250 Blueflex

Painel da Fazer 250 Blueflex

Os retrovisores originais são bons, não vibram nada, tem bom ângulo de visão e fazem um bom conjunto com o design geral da moto.

Detalhes e acabamento

A Yamaha é reconhecida pelo acabamento primoroso de suas motos, e com a Fazer 250 não é diferente. As carenagens da moto, como as asas do tanque, tampas laterais e carenagem traseira são muito bem acabadas, todos os encaixes são perfeitos, e a união entre as peças é sempre feita com parafusos em porcas de borracha para evitar barulho. As próprias peças são feitas de plástico mais flexível, e que por isso são mais resistentes para encarar ruas esburacadas sem fazer barulho ou quebrar. Os piscas também possuem hastes mais flexíveis pelo mesmo motivo.

O guidão tem pintura cinza brilhante, e é envernizado, muito bonito na luz do sol. Na maioria das motos o guidão é cromado ou possui pintura eletroestática preta, que são acabamentos mais simples de executar, e de tão comum que se tornaram, já não são mais tão bonitos. O para-lama traseiro é outro destaque: Fino e com desenho esportivo, é complementado por uma capa de roda com protetor de corrente integrado.

Guidão da Yamaha Fazer 250 Blueflex

Guidão da Yamaha Fazer 250 Blueflex

O tanque de combustível possui uma borracha em “U” que protege suas quinas internas, evitando que se oxidem por ação do tempo. E nesta versão Blueflex, ele também tem um tratamento interno em níquel, para justamente evitar a oxidação pelo etanol. Há também uma tampinha interna no bocal do tanque, que possui uma mola para mantê-la fechada e evitar vazamentos ou acidentes. As pedaleiras do passageiro (garupa) são em alumínio, muito parecidas com as encontradas nas motos esportivas. São detalhes, mas é neles que vemos a diferença no cuidado com o acabamento geral da moto.

Bocal do tanque da Fazer 250 Blueflex

Bocal do tanque da Fazer 250 Blueflex

O quadro elástico (balança) da Fazer 250 tem protetores de borracha por onde passa próximo a corrente para evitar ruído.

Protetor do quadro elástico da Fazer 250 Blueflex

Protetor do quadro elástico da Fazer 250 Blueflex

O que pode melhorar

A Fazer 250 é uma moto que, na minha opinião, não tem defeitos que fariam alguém desistir de compra-la. Ela é bem acertada para a sua proposta e acho que não há dúvida nisso.
Acho apenas que o painel deveria ter um relógio persistente, para que seja possível ver a hora sem ter que apertar botões, e acho que poderiam dar um jeito no sensor do cavalete lateral para que ele não fique tão exposto. É um pequeno detalhe de acabamento que acho que ficou sem muita atenção, mas que também não chega a comprometer a moto como um todo.

Sensor do cavalete lateral

Sensor do cavalete lateral

A posição de quem vai na garupa é um pouco desconfortável, mas só será sentida em longas viagens. Para trajetos curtos, não faz diferença. E eu acho que não há muito o que se possa fazer para resolver isso sem afetar o design da moto.

Conclusão

A Fazer 250 Blueflex é uma moto muito bem acertada para a proposta dela, que é ser uma moto urbana confortável e confiável para uso diário. O novo sistema Blueflex é surpreendente, funciona muito bem, e todo o conjunto foi preparado para rodar com Etanol sem nenhum problema. Na minha opinião, poder escolher qual combustível usar é sempre vantajoso, ainda que os preços dos combustíveis não sejam tão diferentes, a possibilidade de escolher já é uma enorme vantagem, e acho que compensa pagar a diferença de preço em relação ao modelo que roda apenas com gasolina.

Rodei mais de 700 km com a moto em uma semana, fiz duas viagens e usei para ir e voltar do trabalho. A moto se adapta muito bem a este estilo de vida frenético e não requer maiores cuidados do que os normais. Fiquei triste quando tive que devolver. Hoje torço para que a Yamaha lance a Ténéré 250 com o sistema Blueflex… Se acontecer, serei o primeiro da fila para comprar!

Ficha técnica

Motor
Tipo 4 tempos, monocilindro, 2 válvulas, OHC, refrigeração a ar com radiador de óleo.
Cilindrada 250cc
Diâmetro x Curso 74x58mm
Taxa de compressão 9.8:1
Potência máxima 21cv @ 8.000 RPM
Torque máximo 2,1 kgf.m @ 6.500 RPM
Marcha Lenta 1.400 RPM +/- 100
Capacidade de óleo 1,5 litros
Combustível
Alimentação Injeção Eletrônica Blueflex
Tanque de combustível 19,2 litros (sendo 4,5 reserva)
Eletrônica
Ignição CDI/ECU
Partida Elétrica
Bateria 12V 6AH selada
Farois 12 V 55/60W H4
Transmissão
Embreagem Multidisco banhada a óleo
Câmbio Manual sequencial de 5 velocidades
Redução final 45/15
Transmissão final Corrente
Quadro
Tipo Berço duplo em aço
Dimensões
Comprimento 2.065 mm
Largura 745 mm
Altura 1.065 mm
Distância mínima do solo 190 mm
Distância entre eixos 1.360 mm
Caster 25º 30′
Raio de curva 2,4 m
Altura do assento 805 mm
Peso seco 137 kg
Peso em ordem de marcha 153 kg
Suspensão
Dianteira Garfo telescópico. Curso de 120 mm
Traseira Monoamortecida. Curso de 120mm
Roda dianteira De liga leve, 17 polegadas
Roda traseira De liga leve, 17 polegadas
Pneu dianteiro 100/80 17 M/C 52S sem câmara
Pneu traseiro 130/70 17 M/C 62S sem câmara
Freio dianteiro Disco ventilado de 282 mm mordido por pinça de 2 pistões.
Freio traseiro Disco ventilado de 220 mm mordido por pinça de 1 pistão.
Cores (2013) Preta ou Prata
Preço Sugerido R$ 11.690,00

Mais fotos

Capa de roda e corrente

Capa de roda e corrente


Yamaha Fazer 250 Blueflex em Jaguariúna-SP

Yamaha Fazer 250 Blueflex em Jaguariúna-SP


Yamaha Fazer 250 Blueflex

Yamaha Fazer 250 Blueflex


Yamaha Fazer 250 Blueflex

Yamaha Fazer 250 Blueflex


Detalhe do recipiente de fluído do freio traseiro

Detalhe do recipiente de fluído do freio traseiro


Sistema de injeção eletrônica da Fazer 250 Blueflex

Sistema de injeção eletrônica da Fazer 250 Blueflex


Eu na Yamaha Fazer 250 Blueflex

Eu na Yamaha Fazer 250 Blueflex

E ai? O que achou do teste? Ficou faltando alguma informação? Você ainda tem alguma dúvida? Deixe o seu comentário!

Compartilhe este texto!


Digite o seu nome e e-mail abaixo e saiba quando o Motos Blog é atualizado! Receba as últimas notícias diretamente no seu e-mail! É GRÁTIS!

Seu nome
Seu E-mail

412 comentários

  1. Roberto Júnior disse:

    E aew Daniel!!!
    Muito bom o teste.
    Estava curioso em saber se ela seria econômica no álcool.
    No meu caso, tenho uma Fazer 250 ano 2007 e para atingir a média de 30km/l eu tenho que antar feito tartaruga, de 90 a 100 km/h na pista e na cidade só na maciota.
    Até mais!…

    • Daniel Ribeiro disse:

      Pois é Roberto, essa parece que ficou melhor. Eu garanto que não tentei economizar não, andei o meu normal e a moto foi bem mais econômica do que eu esperava.

      Valeu!

      • Gustavo disse:

        Daniel,
        Observei que sua moto está com o cavalete central! Este cavalete é o original? Gostaria de saber se realmente a roda traseira fica suspensa, pois comprei um cavalete para minha Fazer da marca Roncar e a minha moto fica com a roda dianteira suspensa e não a roda traseira!
        Abs

        • Daniel Ribeiro disse:

          Gustavo, provavelmente o peso na parte de trás da moto está maior do que na parte da frente. O cavalete fica exatamente no meio da moto, e o lado que for mais pesado vai ficar mais baixo, como em uma balança. Provavelmente você tem bauleto ou o tanque da moto está vazio.

          Basta aplicar algum peso ou pressão na parte da frente e ela desce.

        • Marcos disse:

          É isso mesmo… a minha também tem o cavalete central Roncar e fica um pouco apoiada na roda traseira por causa do peso do bauleto/tanque com pouca gasolina.

          Alem disso o cavalete fica posicionado um pouco para traz o que dá mais estabilidade evitando que a moto saia do cavalete central se estiver numa superfície inclinada.

          Por costume sempre deixo o descanso lateral abaixado também, já evitou da moto cair parada algumas vezes, rssss.

          • Paulo disse:

            Ola Marcos, comprei uma Fazer Blue Flex 2013, e a mesma faz muito barulho no motor, a pedido da YAMAHA levei até a concessionária aqui em Rio Claro, para fazerem uma analize
            ficaram com ela por um dia e a resposta foi que o barulho é característica do motor mesmo, seria devido o pistão ser forjado e não fundido tem mais folga por causa da dilatação excessiva, e outros… blá, blá, blá…
            Eu queria saber se a sua Fazer faz algum barulho.
            O da minha moto parece como se tivesse “batendo válvula, comando”, eu tive uma Bomba ML que estava com todo comando detonado, e na época eu fiz tudo novo e ficou muito silenciosa, por isso estou fazendo essa comparação, pois o tal barulho na Fazer na minha opinião é até pior, eu posso até conviver com ele pois me garantiram que não devo me preocupar, mas a minha preocupação seria na hora de vende-la!

    • Junior Prette disse:

      Tenho uma desse modelo blueflex e ela está com 2000 (dois mil km), pra mim, a moto é tudo de bom, é ótima dentro da cidade, confortável e macia, as vezes nem tanto, também pudera, a cidade onde moro é cheia de buracos no asfalto e creio que a regulagem da mola deve estar no mais duro, na estrada ela alcança os 120 km/h muito fácil e dá pra andar com ela nessa velocidade tranquilamente, é até difícil andar abaixo desse patamar, mas o limite dela é mesmo os 150/151 km/h, mas daí já força demais o motor. Uma coisa que não gostei muito foi de abastecer ela com etanol, estranhamente senti que a moto ficou com motor mais barulhento e o rendimento (potência)me deu a impressão de ser inferior ao da gasolina, detalhe que sempre abasteço no mesmo posto e a gasolina e etanol de lá sempre foram muito benéficos para meu carro. Percebi que utilizando etanol a moto corta o giro normal e alcança no máximo 142 km/h e na gasolina ela corta no mesmo giro porém no velocímetro está a 150 km/h, estranho. Andando na cidade eu percebi diferença na potência em baixas rotações também, acho bem melhor na gasolina. Essas são minhas impressões da Fazer 250 blueflex utilizando os dois combustíveis.

  2. Luiz Fernando disse:

    E ae beleza?

    Cara eu tenho uma intruder 125 e estava pensando em trocar por uma Fazer 250. Contudo quando subi nele achei um pouco alta para mim, consigo colocar a ponta do pé no chão, e tb achei meio pesada.

    Como tenho carta apenas a 1 ano estava em dúvida se é uma boa segunda moto? Oq vc aconselha

    vlw e continue com o excelente trabalho

    • Francisco disse:

      Pra segunda moto é excelente, entretanto sei que a intruder é uma moto com o assento bem baixo e pesa muito pouco, infelizmente se vc quiser subir de cilindrada não vai achar nada muito baixo.

    • Alvaro disse:

      Cara compra que voce não vai se arrepender de forma nenhuma, comprei a minha em Outubro ano passado, modelo 2012 mas sem ser flex, e posso dizer não me arrependo, desde de a epoca que eu tive um DT180 virei fã da marca, e até hoje sou.
      Utilizei a minha em viagem longa de cerca de 1430 km ida e volta e não me arrependi e posso dizer trocar dela só se for para uma de CC maior.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Luiz, acho a Fazer uma boa moto para ser a moto de uso diário. Se você é muito, muito baixo, ai talvez seja o caso realmente de procurar uma moto mais baixa. Mas a Fazer não é tão alta e acho que com 1,65 já deve ser tranquilo para pilotar.

      Eu postei recentemente um texto onde falo sobre motos para pessoas baixas. Dá uma olhada!

    • Thiago Szalyga disse:

      Como já disseram, se subir de cilindrada não vai achar moto levinha. É algo proporcional, além do mais é questão de costume!
      A Fazer me parecia pesada no começo, depois de alguns dias as pernas acostumam, além do mais, quando você está com ela em movimento é incrível como fica leve e firme no chão. Não exite, pegue a Fazer 250, pois comparando com a indruter é outro mundo.

    • Ronilson disse:

      Olá…
      Rapa tenho 1,64m e ando tranquilo em uma Fazer… com tempo vc aprimora a pilotagem na lindinha!!!

    • Mauro disse:

      Amigo, eu tambem tinha uma intruder 125 ano 2009 e vendi e peguei uma Fazer 250 ano 2007 e já tenho ela a pouco mais de 1 ano e so me deu alegria. pode pegar sem medo que voce vai adorar, nao tem nem comparação. se eu soubesse disso antes nunca teria pego a intruder. hehe

      Um grande abraço.

  3. Daniel disse:

    Muito bom, xará!

    Marca um ‘joinha’ aí que eu curti! Gostei muito da nova Fazer também, e depois de saber que o acerto da injeção não prejudicou o desempenho do motor, gostei ainda mais. Colaborou muito para eu ter maior decisão sobre a troca de minha moto atual para esta. A minha dúvida é: Sabe se a Yamaha já tem algum rumor de lançar a nova Fazer também na versão Limited Edition (aquela que vinha normalmente com peças em preto fosco e emblemas em amarelo, prata ou vermelho)?

    E a segunda pergunta: o co-piloto, ou ‘garupa’ era de que estatura? Minha esposa tem pouco mais de 1,60m e a dúvida para escolher uma nova moto é justamente a altura do assento para acesso à garupa. Se tiver um parecer sobre isso, ajudou ainda mais na minha decisão.

    A pergunta é por eu estar à procura de uma Fazer usada, do modelo anterior -farol redondo- e desde o lançamento, ter gostado muito mais da LE, visualmente. Sabendo da Blueflex já estremeceu essa convicção sobre a LE. Se vier uma nova Fazer LE, aí as de farol redondo já ficam só pra último plano. Já pensou uma BlueflexLE? Seria ótimo. Ao menos para mim.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Daniel, eu não sei sobre a fazer LE não. Mas eu desconfio que NÃO… Afinal, edição Limitada que sai todo ano não é bem uma edição “Limitada” né? Já foram 2 anos… Acho que uma LE ainda deve demorar um pouco para sair.

      • Daniel disse:

        Certo… e em relação à segunda pergunta?

        O co-piloto, ou ‘garupa’ era de que estatura? Minha esposa tem pouco mais de 1,60m e a dúvida para escolher uma nova moto é justamente a altura do assento para acesso à garupa. Se tiver um parecer sobre isso, ajudou ainda mais na minha decisão.

        • Daniel Ribeiro disse:

          Na foto, a garupa tem 1,59 e 50 kg. É bem pequena. A altura para a garupa subir não é um problema… Só não achei muito confortável para percorrer longas distâncias pois o banco é um pouco pequeno e as pedaleiras um pouco altas.

        • Matheus R disse:

          Colega, minha namorada tem 1,60 e de vez em quando costuma sofrer para subir na moto pois ela é alta para o carona.
          Você tem que escolher o melhor ponto na rua para ela subir e ou inclinar a moto para a esquerda(força as pernas um pouco, rsrsrs).
          Abraço e a Fazer é um motão, tenho uma 2011 comprada em Dez. 2010 e nada a reclamar( 28 a 31 km/l) tanto cidade quanto estrada.

      • Paulo disse:

        Olá Daniel, sei que o assunto não cabe agora! Mas será que por ser uma moto flex teremos mudanças em relação aos outros modelos , a medidas para regulagens de válvulas em por exemplo?

    • Leonardo Costa disse:

      Bom dia Daniel,

      Eu tbm sempre fui muito apaixonado pela FAZER LIMITED EDITION, principalmente pela 2010 que tem os detalhes em dourado. Mas, vi poucas para vender e pra ser sincero, todas com pagamento à vista (o que não servia pra mim.. rsrs). Minha segunda opção foi a fazer 2009/2010 que vem com o cano novo já. Ela é linda e super econômica, mais do que as mais antigas. Linda a nova fazer, mas a desvantagem é no bolso, que paga-se quase o dobro por 2 ou 3 anos de uso. É isso, abraço!

  4. José Carlos Oliveira Júnior disse:

    Primeira vez em muitos anos que vejo um começo de review com a política de transparência de um Blog, achei muito legal e ético. Quanto ao review está excelente! Sem muitos detalhes técnicos e bem funcional.
    Quanto a Fazer por um golpe do destino não foi minha primeira moto (acabei enveredando para motos customs) mas meu desejo na Fazer continua, bem acabada, cumpre bem a proposta urbana e muito bonita para o porte. Agora ficou uma dúvida: O sistema BlueFex com essa partida elétrica mais forçada, será que com uso constante não corre o risco de noa deixar num apagão elétrico?

    • Daniel Ribeiro disse:

      José, não chega a ser forçada… Ela é pouca coisa mais longa que a partida a gasolina… Mas o sistema foi feito para isso, não há problema nenhum. A carga da bateria consumida pela partida é devolvida em menos de 1 minuto de funcionamento do motor.

      Até mais!

    • rodrigo disse:

      Nao se preocupe e pouca a diferença de tempo. comprei uma assim que lançou.quanto ao conumo eu nao economiso,so uso o alcool por causa do cheiro,he podem rir mas cheira banana,odeio cheiro de gasolina,so ando acima dos 5000 rpm e mesmo assim ela raz 21 km a 22 km por litro .pra mim ta bom .

      • Paulo disse:

        Ola Rodrigo, eu tbm comprei uma faz uns 25 dias e estou, procurando alguem que me ajude, a minha faz um barulho no motor desde o primeiro dia, esse barulho e constante mais aumenta quando se impõe torque no motor. Reclamei na concessionária em que comprei e o mecânico me afirmou que e um barulho normal para a motocicleta (disse ser uma característica de motor duravel) . Não. Fiquei satisfeito e procurei a Yamaha, eles me orientaram leva la a uma concessionária de minha preferência, então levei e neste sábado fui retira la e tive a mesma resposta, só. Que agora foi tudo relatado em documento que a concessionária carimbo e assinou, o mecânico relatou que o barulho e causado porque o pistao e forjado com isso a dilatação e maior e por isso e necessário uma maior folga causando o barulho.::
        O que gostaria saber de alguém que tem o mesmo modelo confirmasse ou não o mesmo problema!
        Agradeço a ajuda.

        • rodrigo disse:

          olá paulo boa tarde,todo barulho deve se visto com muita cautela recomendo você procurar uma segunda opinião.no meu caso a minha também apresentava um barulho estranho parecia que estava soltando uns rojões dentro do motor,não que seja alto o barulho pois não me incomoda mas por ser um barulho pesado,quase briguei com os mecânicos,mas eles me garantiram que era normal e blá blá blá,então procurei uma segunda opinião e o mecânico falou que não tinha nenhum problema no motor,então fiz a prova real
          depois de ter amaciado o motor viajei 515km sem parar só parei nos 300km para completar o tanque e chinelei novamente,raramente abaixo dos 7500rpm regularmente na casa dos 9000rpm pois a minha corta giro com 9300rpm.
          resultado a moto não me deixou na mão e o brulho não aumentou nem diminuil.
          lembre-se que na hora de pilotar pilote para você e para os outros,abraços

        • Daniel Ribeiro disse:

          Paulo, procure outra concessionária para obter uma segunda opinião…
          Ou então, procure alguém que tenha a moto também e preste atenção ao barulho da outra moto para comparar com o da sua. Se for parecido, relaxa. Mas se na sua moto realmente o ruido for diferente, ai você pode bater o pé na concessionária até os caras decidirem arrumar sua moto.

          Boa sorte!

  5. Ulysses disse:

    Muito bom Daniel, texto muito bem escrito. Parabens!
    A moto realmente não tem defeitos, tenho uma 2008 e ela é boa em tudo (só as peças que são muito caras).

    Mas sobre o protetor da balança (penultima foto antes da ficha técnica), este faz muito barulho (muito mesmo) quando passa em um asfalto ondulado e/ou buracos (da pra arrumar 100% desse problema, tem video no youtube mostrando)! A questão é, e aí, a yamaha arrumou isso ou teremos que continuar nós mesmos arrumando???

    Outra que mata o design dessa moto, a tampa do tanque, poxa, ta ultrapassado isso né?!

    Uns aeroquips seriam muito bem vindos também, mas é frescura rs.

    enfim, essa é uma moto que vale o preço, é muito boa!

  6. Marcio Duarte disse:

    Muito legal seu teste Daniel, nada de matéria comprada ou algo do gênero, teste bem completo, para mim a yamaha fazer ta melhorando cada vez mais e sempre como pioneira em tecnologia, só acho que falta para ela um design mais agressivo como o de suas concorrentes (Bomba CEBÊ300(r?) e da dafra next 250) e um pouco mais de cavalaria para superar de vez qualquer outra moto de sua categoria, de resto a moto é show e todo mundo que conheço que tem uma fala bem.
    Mais uma vez parabéns pela metéria e continue testando outras motos e fazendo comparativos para termos mais informações confiáveis.

    Abraços…

    Márcio Souza Duarte
    Analista de Sistemas
    Pelotas/RS

  7. André Mazeto disse:

    um detalhe sobre o amortecedor traseiro;

    das motos mais populares a fazer 250 e a gs 500 são as únicas com suspensão mono-shock que usam esse tipo de amortecedor, chamado de amortecedor de cartucho de dupla ação, é um sistema igual aos

    das bi-shock tipo titan e outras. Inclusive a maioria dos carros também usam esse sistema de amortecedor, o ponto negativo desse sistema é que não tem manutenção, uma vez que vaza o óleo tem que trocar o amortecedor completo, ao contrario da maioria dos mono-shock que são pressurizados a gás nitrogênio, esses podem receber manutenção com troca de retentores, anéis, óleos e uma nova carga de gás, e estão prontos para um novo ciclo

    de trabalhor, é claro que isso deve ser feito por empresas especializadas no ramo.

    Esse é uma grande erro da yamaha, é contrario a todas as causas ecologicamentes corretas, um amortecedor contem aproximadamente 100 itens e o que faz dar vazamento normalmente são apenas 3, isso é um grande desperdicio

    de energia, tempo e dinheiro, sem falar do pos descarte que muitos vão pro lixo e poluem o meio ambiente, outro detalhes é que,quando estoura o amortecedor a maioria procuram o melhor preço, e encontram os cheneses que custam menos da metade do preço e duram menos da metade da metade.
    Deixo aqui registrado a minha opinião sobre a fazer 250 que é uma bela moto mas que deixou a desejar no amortecedor trazeiro.

    • Daniel Ribeiro disse:

      André, eu não sei não, pode ser falta de conhecimento da minha parte, mas eu acho meio arriscado recondicionar um amortecedor. Sendo ele uma peça importante da estrutura da moto, ele tem que ser extremamente confiável, e sendo ele também um fator muito importante para o conforto, é bom que ele funcione sempre bem.

      Ainda mais no caso da Fazer, que possui um amortecedor “melhor que a média”, não se se ao recondicionar ele teria o funcionamento igual ao original.

      • André disse:

        Daniel, justamente esse da fazer “não pode ser recuperado”, acontece que os mono-shock a gas podem ser recuperados, a fazer e a gs 500 são as únicas mais populares que não são a gas. Um comentário sobre recondicionar; na verdade o termo certo é manutenção, é claro que, quando se leva a moto numa oficina para verificar o motor por exemplo, não se troca o motor inteiro por que? as peças estruturais não são necessarias a troca,no amortecedor a gás tbm se emprega a mesma regra,eles foram feitos para dar manutenção, mas, é claro que, tem que ser por empresas especializadas com termo de garantia,etc. Quando tiver um problema com amort. da fazer o mais indicado é um novo original, não adianta por paralelo, muito menos tentar recondicionar, e nem usado por q esse tbm não tem garantia e sem falar a procedencia. A suspensão da fazer é excelente, na dianteira por ser dada manutenção com troca de retentores, oleos,etc. no amortecedor trz não, vazou óleo só novo orig. Abraço!!!

        • Paulo disse:

          As 125 de todas as marcas vem usando amortecedores a óleo no Brasil, desde que conheço motocicleta “isso já faz tempo”… e nunca foi relevante na hora da compra,acredito que as 125 cc são a maioria e você fala de “meio ambiente”!…

          (sem falar do pós descarte que muitos vão pro lixo e poluem o meio ambiente).

          Alem do que, se você tirar as peças que não são recicláveis, sobra só metal, e quando se recondiciona um a gás tem que trocar justamente as peças que no fim podem ter o mesmo destino daquelas que estão dentro do amortecedor da Fazer, não dá na mesma?!!!!!
          Eu concordo com o Daniel pois os amortecedores são algumas das peças que não se devem recondicionar, o melhor mesmo é retirar o que não presta e dereter.

    • roberto disse:

      vendi uma 2008 com 35 mil km rodados e o amortecedor estava zerado.

  8. Lúcius disse:

    Cara eu só tenho que agradecer. Estava na dúvida e só esperando sua colocação a respeito dela para eu decidir. Até o fim de semana eu boto a mão em uma. Muito obrigado Daniel.

  9. Junior disse:

    Muito bom cara parabens 1 coisa não sei se li rapido D+ ou vc não comentou a partida é só eletrica? não tem o pedal?
    aaaa espero que tenha dado tempo de arruma o motor da sua moto enquanto vc testava a Fazer

  10. Doney disse:

    Uma outra coisa positiva a se destacar é a capacidade do tanque: 19l é muita coisa, mesmo – especialmente para uma moto que já consome pouco.
    Eu, por exemplo, tenho uma mirage 650, que obviamente consome muito mais e o tanque dela comporta 16l.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Sim, é verdade… Cara, que desespero para gastar essa gasolina toda! Não consegui. Quando enchi o tanque da Fazer com gasolina, precisava esvaziar para poder encher com etanol. Pensei em “gastar” tudo, mas a hora que fiz as contas, achei melhor transferir a gasolina para a V-Strom e a Lead! hehehe

  11. Fernando Santos disse:

    Sensacional o teste Daniel, parabéns ! Você me decidiu a comprar a fazer blueflex .. estava com pé atras por causa do consumo e das partidas a frio (apesar de morar no Recife heheh). Depois do que li aqui com certeza minha primeira motoca vai ser a fazer blueflex ! :D Essa moto é meu sonho de consumo a mais de um ano .. ja li bastante em forums e realmente essa eh a melhor moto da categoria. Economica, esperta, motor confiavel e sem problemas cronicos. Agora mais do que nunca tenho certeza que ela vai ser minha daqui a algumas semanas :) abração !

  12. Gabriel disse:

    Ótimo teste Daniel. Serve para reafirmar que a Fazer é uma excelente opção de escolha e a boa qualidade das motos Yamaha.

  13. Paulo Moraes disse:

    Daniel,
    tenho uma fazer 2011 e descordo em único ponto.
    O conforto e eficacia da suspensão. Achei a moto meio dura e não absorve bem as deficiencias das ruas de SP.
    E essa não é uma opnião só minha, meu irmão tinha um Broz 150 e trocou por uma fazer 250 e também não gostou da suspensão. Entendo que ele sentiria um pouco de diferença pelo fato da Broz ser trail e a fazer street, mas essa diferença foi maior que o esperado.

    Mas de resto realmente a moto é espetacular, tem um ótimo desempenho e econômia (apesar de eu nunca ter feito mais que 28km/l) e o preço na medida.

    abçs

    • Ulysses disse:

      Velho, se a Fazer é dura, coitado então de quem anda nas Tuíster, CEBÊ300, etc….
      Ela é muito macia, chega até incomadar quando passa em buraco e ela fica pulando (tipo aquelas camas bem macias rsrs), só se as suas Fazer´s estiverem com a regulagem da pré carga na opção de mais duro. Logico ela é macia, mas não é uma trail rsrsrs!
      abraços,

    • Roberto Júnior disse:

      E aew Paulo, bele!!!
      Tenta mudar a regulagem de pré-carga.
      Tem 5 níveis e o padrão é 3, tenta levar em uma concessionária e pedir para por no 2.
      No meu caso eu deixo no 3 mesmo por andar com minha noiva na garupa.
      Quando eu comprei estava no 2 e era muuuuito macia.

      Boa sorte…

    • Paulo Moraes disse:

      Opa, vlew pelas dicas galera.
      Eu não sabia que a fazer tinha essa opção.
      É provavel que seja esse o problema, a motoca esta quase com 10mil vou pedir para alterarem essa a pré carga na revisão dos 10 mil.

      abçs

    • Alvaro disse:

      Cara de verdade muda a carga pré mola, eu tambem senti assim no começo da minha e na regulagem da mola resolvi, peso 109 Kilos

    • Daniel Ribeiro disse:

      Paulo, o Ulysses já respondeu.
      Não dá para comparar moto Trail com Street. Dentre as Street, a Fazer é a que tem a suspensão de curso mais longo. Talvez seja a regulagem da pré-carga.

    • Paulo disse:

      Olá chara, tenho a Blue Flex à um mês, e já tive outros modelos da Yamaha inclusive Off-Road, e afirmo a Fazer é muito boa nesse quesito, creio que é como disse o amigo Ulysses, deve ser só ajuste do amortecedor mesmo.
      Abraço!

  14. nilson silva disse:

    Oi Daniel, parabéns pela matéria. Véi, tu tá com moral com a Yamaha heim??.
    Eu estava esperando alguém publicar um teste com esta moto para fazer uma matéria; ontem mesmo dei uma olhada e não consegui. Sobre o Produto já possuí duas motos da Yamaha. Realmente são boas, duráveis e econômicas. Só fiquei ressentido com a pós venda; aliás: eu e um montão de gente.
    Sobre a sua disposição em me ajudar com o meu blog, agradeço e logo vou entrar em contato.

  15. Marcelo disse:

    Olá Daniel,

    A picanha na pedra continua uma boa opção em Jaguariúna? Estou afim de ir até lá qualquer dia apreciar esse rango! =D

    Abraço!

  16. Johnsonn disse:

    A minha 2008 só faz 20 a 22 KM/l a maior parte do tempo, na cidade o melhor que consegui até hoje foi 26 km/l, más não me importo mais tanto com isso, já rodei 1800 km em 20 horas só parando para abastecer e gosto de deixar o ponteiro do velocímetro sempre em 130 km/h no painel, ela é muito boa para viagens más poderis ser um pouco mais potente para poder ultrapassar mais rápido.

    • Daniel Ribeiro disse:

      A 2008 é ainda a primeira IE, sem sensor de escapamento.
      Em 2009, com o sensor, ela ficou bem mais econômica, e agora com a Blueflex, está mais ainda.

      • Andre Dias disse:

        A minha é 2011, sempre revisada no tempo certo, com 25000 km e nao consigo em uso normal fazer mais que 27 km/l.

        Recomendava incondicionalmente com esse consumo. Agora se nova esta conseguindo fazer 30 km/l, já vou até pensar em trocar…

        Abs,

      • Alexandro disse:

        Fala Daniel.

        Primeiramente, parabéns a você e o blog por ter conquistado a confiança de uma empresa deixar a moto para um teste, sem aquelas de materia paga só para falar bem !!! É isso que gostaria de ver nos “testes” que rolam por ai…

        Uma dúvida com relação ao consumo, pelo que entendi a maior parte do percurso que você fez foi em estrada, correto ? Será que com um uso quase exclusivo na cidade a média cairia muito ? Mas achei a média muito boa se considerando com o moto rainda estava em faze de amaciamento.

        Parabens novamente !!!

        • Daniel Ribeiro disse:

          Alexandro, eu rodei mais de 700 km com a moto, desses, 450 foram viajando e o resto foi na cidade. O consumo medido foi misto entre cidade e estrada.

          Mas acho que o consumo não ficaria muito maior usando exclusivamente na cidade. Deve cair para uns 30 ou 31 por litro.

  17. Johnsonn disse:

    O barulho do motor não é dos mais agradáveis em alta rotação, parece que vai arrenbetar, faz um barulho como se fosse batida de pino de 5 6 mil rpm más se isso fosse um problema a minha já tinha fundido o motor, a explicaçao que já ouvi desse barulho é que acontece por causa da saia do pistão que é curta, a que voce testou tem esse barulho Daniel?

  18. Dougmax disse:

    Parabéns Daniel pelo Teste.
    O bom que é que não houve imparcialidade, ou digamos teste comprado, é isso que precisamos realmente de testes verdadeiros.

    Eu tinha uma Fazer 2009/10 e vendi a preço de banana pra pegar um carro zero, fui a maior mancada que fiz na vida passei a moto nova por míseros 7200 na própria concessionaria onde peguei o carro, nossa só de pensar da voltade de dar um tiro na cabeça pois no pé já dei, a moto é excelente macia não vibra não tem ruídos de corrente, fiquei um ano com ela a corrente estava como nova, só os pneus que se deterioraram com menos de 4000 mil kmetros não sei se por causa dos altos giros que rodava, outra também, em transito intenso onde subia e descia marcha constantemente o cambio ficava duro de não conseguir levantar marcha ou até mesmo descer tinha que socar o pé no cambio, ou desligar a moto, fiz todas as revisões em dia e eles não souberam me explicar, tirando isso a moto era maravilhosa, andava bem tanto sozinho quanto garupa.

    Estou estudando no momento mais assim que folgar voltarei pra uma 250cc ou vai ser a fazer ou a Next

    Mais uma vez valeu Daniel

  19. richard disse:

    Muito bem exclarecido o teste, porém a yamaha poderia fazer isso com a Lander ou a teneré já que nem todos são adeptos as motos street. na questão flex é interessante mas como o valor do Etanol não está muito propício pelo menos em florianópolis, ficaria mais feliz na economia aumentada e não pela mudança de combustível. Tenho uma Lander 12/12, ela veio com alguns problemas de fábrica, tá com 4000km e os engates da marcha são super duros, tendo as vezes que chutar para encaixar, os faróis 35/35 são fraquíssimos, onde reclamei na minha 09/09, porém na 12/12 insistiram no mesmo farol. de resto a moto é boa, andei fazendo uma média deu mais ou menos 27km/l andando na média de 90/100km/h, isso dentro da cidade, onde sabemos que gasta pouco mais, por filas, freio, arranque marcha baixa. do resto muito boa a iniciativa da yamaha em oferecer a moto para teste com pessoas idôneas e que não tenham a doença de marca melhor. como hondeiros e yamaniacos, tive Bomba e digo, a yamaha ganha em muitos aspectos, mas a Bomba tem seus prós.

  20. Fábio Leonel de Oliveira Bueno disse:

    Olá Daniel!

    Cara, acompanho o Motos Blog faz tempo e é a primeira vez que participo. Parabéns pelo blog e parabéns pela avaliação da Fazer.
    compartilho minha experiência como proproetário de uma Fazer 2011, já a um ano e maio. Foi minha primeira moto, com a qual, literalmente, aprendi a pilotar moto, visto que mesmo com 30 anos nunca havia andado de moto pilotando só como garupa.
    Me apaixonei… tanto pelas motos e pela Fazer. É uma moto EXCELENTE!
    Não tenho um décimo da experiência de todos os motociclistas que acompanham o blog, mas tenho o diferencial de ter aprendido a andar realmente na minha Fazer. Ela é dócil, porém forte quando necessário. Manejo fácil e leve no trânsito. Manobro com muita facilitade, mesmo não sendo um cara alto (tenho 1,74m), pois montado nela consigo apoiar somente a ponta dos pés no solo, mas isso nunca me atrapalhou em nenhuma situação.
    Trocarei de moto no final do ano ou em 2013, por procurar uma moto mais exclusiva (provavelmente a nova Ninja 250), mas juro que trocarei com muito medo de não encontrar o que tenho na Fazer, porque já andei em outras motos de cilindradas e características parecidas, mas mesmo as melhores não superaram a Fazer, pelos meus motivos de neomotociclista satisfeito e por todos os atributos que você apresentou na sua avaliação.

    Grande abraço.

  21. Luana disse:

    Fora a Questão do conforto para o garupa essa moto é nota 10.
    :-)

  22. Junior disse:

    Daniel mais uma perguntinha
    Sabe se e quando esse motor vai equipar a Lander? Eu prefiro Trail e quando for troca minha chinesa tava pensando em pegar uma Lander

  23. jean disse:

    Otima materia Daniel. E a respeito da Fazer percebe-se ser uma boa moto (mas ainda acho que falta motor), mas enfim… to torcendo pra sair a Tenere blue Flex (loko pra comprar) se nao sair vou de gt 250 mesmo..

  24. Rafael disse:

    Cara achei ótimo o teste, principalmente pelo quadro que você montou da velocidade x marcha x RPM, isso é o que eu sempre quero saber em todas as motos as quais eu leio os testes, porque assim eu consigo imaginar qual o regime que a moto trabalharia, na minha rotina de uso.

    Muito bom, espero que outras empresas de motos enviem modelos para que você teste, pois acredito que você seja mais sincero na sua opinião do que a maioria das revistas.

    Parabéns pelo Blog e sucesso, sou e continuarei sendo um leitor assíduo.

  25. Adeilton Rodrigues disse:

    Boa noite Daniel, tudo bem? Daniel você notou um fio solto em baixo do banco próximo a bateria que eu notei na minha? e quanto ao motor parecendo que tem “areia” dentro é realmente normal? grato pelo esclarecimento, acompanho sempre suas informações são essenciais, parabéns!

  26. Carlos Rocha disse:

    Ola Daniel boa materia,e a 1ª vez que envio comentario (pergunta), todos os dias dou uma espiada no Blog pra se ligar em alguma novidade. Bem tenho uma Biz 125 Ex 2011 flex e lendo a materia sobre a nova Fazer 250 flex vc utilizou até a ultima gota de combustivel e pelo que entendi vc colocou apenas um tipo de combustivel certo? Bem, fui dá uma olhada no meu manual e vi que no caso de pane seca ele diz que tenho que colocar pelo menos 50% de etanol e 50% de gasolina, mas ñ explica o por que desse procedimento, como estou aqui e pra todos que tenham essa duvida (ta no manual da Bomba Biz 125) vc saberia o por que? caso ñ, vc pode depois colocar a resposta no blog após “investigação”.Até +.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Carlos, o sistema Flex da Bomba é diferente do da Yamaha. É um sistema mais simples, que não aquece o combustível e usa uma vela comum.
      Para dar a partida a frio nas Bomba Mix, você precisa ter um pouco de gasolina misturada no etanol. Na Fazer isso não acontece, pois ela foi projetada para rodar 100% com etanol.

      T+

  27. Edu disse:

    E ae, Daniel, tranquilo?

    Em primeiro lugar, queria te parabenizar pelo teste! Muito completo e imparcial. E em segundo, parabens para a yamaha, por dar a “cara a tapa” e deixar o teste se fazer por alguem imparcial ao assunto! nos comparativos entre fazer e CEBÊ300, tenere 250 e Xis Érree 300, e das maiores xj6 e Rórnet, a yamaha(por mim) não tem perdido ponto em nada, sempre atendendo a proposta da moto e com uma qualidade respeitavel nos seus produtos.
    Se Deus quiser num futuro breve, vou fazer parte desta gama que vem sido tão bem descrita, nos lugares onde leio.
    É bom ter lugares como motos blog, os quais podemos ter opiniões sinceras e de alguem que realmente entende do que fala.

    Grande Abraço

    Edu

  28. Danilo disse:

    Daniel, não sei se você já testou mas o melhor trem-de-força hoje é da Next 250 nessa categoria. Que também está um pouco a frente no painel, vibração e no acabamento das carenagens.
    O ponto realmente forte é esse sistema BlueFlex.

  29. Calixto disse:

    Tenho uma Fazer 2008…a melhor moto do mundo….pode comprar que eu garanto….amo ela…nunca dá problema…

  30. Johnsonn disse:

    Quanto à viagem com garupa, em alguns trechos eu coloco os pés nas pedaleiras traseiras e minha mulher colaca os dela nas dianteiras, assim ela estica as pernas e não se cansa e se tratando de pneus estou usando o michelin active na traseira e ele é absurdamnete durável está com 21 mil km, o último demom que usei durou 6 mil, a moto é mesmo muito boa para viagens porque não vibra.Recomendo.

  31. Johnsonn disse:

    Para não fazer barulho no protetor da balança basta deixar a corrente mais esticada, a minha tem cavalete central e está sempre no ponto. a suspensão está na regulagem 4 porque nao gosto de moto com traseira mole acho a suspenão mais dura melhor para curvas.Esse papo tá muito bom!

    • Ulysses disse:

      Pior que não cara! É o protetor que bate na balança, corrente que bate no protetor, a uma desgraça rsrsrs! O protetor da balança é “fino” demais, daí vc cola uma borracha dentro dele de mais ou menos 2 mm de grossura e ja era, a moto não faz mais nenhum barulho possivel, tem video no youtube ensinando e eu fiz esse procedimento sabado agora (11/08), recomendo!

  32. André Adr disse:

    Gostei dos testes, sempre tiver fazer 250, e me arrependi de ter vendido a minha 2011, mas logo compro outra, e em vez d comprar uma usada acho q vou acabar comprando essa mesma gostei dela, e no alcool anda bem.

    Outra coisa que eu gostei foi q vc veio pra Jaguariuna, moro aqui, um otimo lugar para morar, mas com um custo um poko elevado.

    Abraços

  33. Cliff Bernaldo disse:

    Daniel,

    Nos dias de hoje ainda é necessário fazer o amaciamento do motor? Pergunto isso porque se considerarmos que antigamente (anos 60-70) quando a engenharia talvez não tivesse tecnologia para ser bem precisa na confecção da peças daria para entender, mas hoje acredito (puro achismo) que a tecnologia tenha evoluído e que hoje seja possível fazer peças exatamente com a medida necessária.

    O que você acha? Ou você seguiu o manual apenas para evitar maiores problemas tendo em vista que a moto não era sua?

    Sobre esse lançamento só fez aumentar minha duvida (Fazer 250 BlueFlex X Dafra Next 250) já tinha decidido pela Next.

    Oh duvida cruel…!

    • Roberto Júnior disse:

      Bom dia Cliff,
      Sinceramente, acho que o melhor seja seguir o manual. Foram eles que fizeram não é!
      Agora, cara a Next é muito bonita, porém, ela é uma Dafra. Sou totalmente adepto a novas marcas, mais Brasileiro é uma bosta, creio que há uma dificuldade em vender ela e peças, por haver poucas motos.
      Quando lançou a Next eu fui na concessionária de SBO para um teste drive, minha surpresa foi não encontrar ela mais naquele local! fui em uma outra em Americana e ué cade ela?? simplesmente eles não encontrei concessionária. Não tinha novo endereço nem nada.

    • David Gomes disse:

      Amaciamento de motor de moto não é por questão de medida mas ajuste das peças conforme o uso inicial .Talvez já façam um amaciamento prévio dos motores como hoje já acontece com os motores náuticos , mas se divulgassem mais o que ia ter de gente esgoelando o motor só porque já esta amaciado,aumentaria o numero de pessoas levando a moto para a oficina no período de garantia alegando algum barulho ou problema no motor .

    • Daniel Ribeiro disse:

      Cliff, acho que o amaciamento ainda é importante, mas não é tão fundamental quanto era no passado.

      De qualquer forma, o fabricante ainda recomenda pegar leve no começo, então o melhor é seguir o manual pra evitar problemas.

      Eu confesso que não segui muito bem a recomendação do manual não, afinal uma semana é pouco tempo para testar a moto e se eu ficasse me prendendo a isso não conseguiria fazer o teste. Mas isso é um caso extremo. Se você comprar a moto, segue o manual que dificilmente terá problemas.

  34. Acastro disse:

    Parabéns a Yamaha, pela iniciativa de fornecer um produto “novo” para ser testado por quem realmente usa a moto no seu dia-a-dia.
    Parabéns ao Blog e ao Daniel, por ter conseguido a atenção de um grande fabricante e pela imparcialidade do teste.Gostei muito.
    Valeu
    Abraço a todos

  35. roberto disse:

    Tudo que ele falou no blog é verdade, tanto que estou na minha 2ª fazer tirei zera na loja e so tenho a elogiar a moto, não perde nada pra nenhuma outra moto na categoria 250cc e 300cc fora a economia, qualidade alta das peças e durabilidade do motor muito boa, a moto é sem duvidas a melhor 250cc street do mercado, tenho hj uma 2012 e adora a moto, vendi uma 2008 e quando o cara levou embora quase choro, pois a moto me deu tantas felicidades que da dó vê indo embora, acho que isso é bom, pois se fosse um produto ruim eu ficaria feliz de vender, mais peguei uma nova, e pra quem tem duvidas sobre a moto, vai sem medo de ser feliz, a moto é nova 10.

  36. berg disse:

    Ja havia trabalhado com a Fazer a alguns anos, é uma moto muito boua, ja tinha um consorcio ja contemplado de uma Lnader X, logo que a Yamaha lançou esse modelo restilizado, quando bati o olho penssei é essa minha prox moto.
    Ja tava penssando em pegar uma a gasolina, quado vi a noticia na interenete liguei de imediato pra Consercionaria, peguei a minha semana passada ainda não tem 200kms rodados e nao tenho o que falar excellente moto, essa eu recomendo pode comprar que não vai se arrepender.

  37. Samuel passos brito disse:

    Parabéns pelo teste da fazer Daniel.Como tenho uma 300R,e ela atende as minhas necessidades não trocaria.Fiquei com um pouco de inveja dos 140km /h de painel, ou eu tenho dó da moto? Mas achei legal esse protetor de corrente já vem de serie ne? e ao mesmo tempo protege a suspensão de sujeira.
    Agora a Luana deveria ter ido de V-stron para Jaguariúna para te dar um pau nesses 300km de tocada hehe.
    Agora, tudo que é bom e de graça dura pouco né Daniel.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Samuel, a sua CEBÊ300R também chega a 140! Enrola o cabo que ela chega sim.
      A Luana adorou a moto e está louca pra por fogo na Lead e pegar uma dessas… Hehehe

      • Samuel passos brito disse:

        Hehehe é verdade Daniel!!! ontem eu fui há guarulhos, e na volta torci o cabo e cheguei a 144km/h de painel sem chegar no vermelho,mas o vento não te permiti ficar por muito tempo.
        Até +

        • Daniel Ribeiro disse:

          Cuidado cara! Não é porque a moto anda que você tem que andar assim! hehehe
          Juízo!

          • Samuel passos brito disse:

            Fica frio Daniel eu raramente chego aos 130km/h,só queria tirar a prova dos 140, tenho dó do motor que urra pedindo socorro,e bebe mais que um camelo.
            valeu!!

  38. Andre Dias disse:

    Daniel:

    Excelente sua matéria. Melhor que mtas revistas, que mtas vezes nao passam informações de natureza prática para o dia a dia do motociclista.

    Tenho uma 2011. Como viajo muito resolvi alongar a relação afim de ganhar um pouco de final.

    Coloquei um pinhao de 16 e uma coroa de 42 (original 15/45). Teoricamente, a velocidade real aumentaria 20 km/h, entretanto na prática a final ficou no máximo 5 km/h a mais. Acredito que o motor nao tem torque para o arrasto adicional da velocidade.

    A maior vantagem da mudança foi ganhar entre 1 a 2 km/l a mais dependendo da condução.

    Sei que a moto tem uma proposta urbana, e que se sai bem na estrada tb, mas uma 6a. marcha poderia ajudar a ela fazer mais bonito na estrada

    Abs,

  39. Aderpa disse:

    Parabéns! Gostei muito do teste e que as fábricas te enxerguem mais apartir de agora.
    Como você disse, os blogs são uma forma mais confiável de imparcialidade e sem nenhum vínculo com as fábricas. As revistas especializadas estão deixando muito muito muito muito a desejar!

  40. Simone de Sousa disse:

    Muito bom teste. E concordo com que foi dito no começo a Yamaha acredita e confia em seu produto e lhe digo que esta não foi a primeira vez que apostaram em test drive com pessoas de fora da mídia especializada.

    Entre 2005 e 2006 eles escolheram 10 motociclistas no Brasil para testar a então recém lançada YS 250 Fazer.

    Os sortudos tiveram 6 meses de testes e comprovaram a qualidade da Fazer 250.

    Ahhh, eu fui uma das pessoas que teve a sorte de realizar este test drive de lançamento :)

  41. André disse:

    Daniel,

    Entre esta Fazer e a CEBÊ 300 qual você acha melhor? outra coisa você acha que para alguém de 1,70 a altura dela é boa? Tava pensado na CEBÊ por achar que ela tem uma apelo mais esportivo e por ser mais baixa.

    • Luana disse:

      Eu tenho 1.70 e coloco os pés no chão tranquilamente, sua alt jsura não é impedimento para ter uma fazer..
      Eu já me fiz a mesma pergunta é depois desse teste ficaria. com a fazer pela economia

    • Ulysses disse:

      Cara, depende do que vc quer, não adianta vc ser fã da CEBÊ300 e comprar a Fazer que tu vai se arrepender e vice e versa, entendeu?!
      Mas se minha opinião contar, a Fazer é uma moto que desde o lançamento não apresentou problemas (exeto a suspensão, mas que foi feito recall e tudo por conta da yamaha).
      Ela é uma moto muito mais confortavel, mais leve, injeçao eletronica que desde o lançamento nunca deu problema, enfim, tem mais qualidade do que a CEBÊ300 que com pouco tempo de mercado ja apresentou varios defeitos que nós ja estamos cansados de ler pela internet a fora.
      Eu ia de Fazer, sem duvidas, inclusive tenho uma 2008!

      • Paulo Moraes disse:

        Cara concordo plenamente.
        Se vc curte a 300cc não exite.
        Mas na minha opnião a Fazer tem mais qualidade, sem contar que é bem menos visada.

  42. fernando henrique disse:

    Ótima matéria,já tive varias motos de diferentes marcas e modelos,e entre elas uma fazer 2008,o teste só confirmou o que eu já esperava,se eu não tinha o que falar de uma 2008 imagina a 2012 com varias melhorias e tecnologia mais avançada.pra mim continua sendo o melhor custo benefício da categoria.

  43. Rodrigo disse:

    Blz Daniel!
    Otimo post… E que bom c vc pudesse testar todas as motos assim… A gnt ficaria bem mais informado em relacao as motos. Eu tenho uma Fazer 10/11, comprei em março de 2010 nem tinha lançado oficialmente eu ja estava na loja p reservar a minha q tinha visto fotos de especulacoes na net e ja gostei, quase comprei a CEBÊ300 mais a fazer eh muito mais bonita, economica e confortavel… a moto realmente e muito boa em todos os sentidos… ah 1 mes eu mandei comandar a minha e ficou otima as aceleracoes sobem mais rapido e ganhou uns 10km/h de cruzeiro c garupa mantem uns 140 145km/h na reta c o “cabo enrolado”… Estou satisfeito mais desejo trocar a minha fim do ano ou por uma 250 super esportiva ou uma 600cc… Vc poderia criar um post com um comparativo pra quem esta com duvidas como eu entre as 250 esportivas e 600 esportivas p ter uma media, sei q nao sao a mesma categoria mais eh so pra ter uma nocao… Abço

  44. Jean disse:

    Kraca vendo esses comentarios parece que a Fazer é uma moto perfeita. Alias pros donos da moto, a 110 km e 120km qual a rotacao dela? treme muito? pena q ainda nao tem como opcional o freio ABS.

    • Paulo Moraes disse:

      Cara, a rotação vc pode pegar na tabela do Daniel. Mas na minha opnião não vibra não cara… e ela mantém essa velocidade com facilidade…

      abçs

  45. fabio disse:

    fala daniel t

  46. fabio disse:

    fala daniel tranquilo?!
    1° parabéns pelo post. Agora, por favor explica p/ mim aquela conta do combustivel. 0,77. compensa tal comb. Matematica ñ é a minha! kkk
    valeu velho, t+

  47. Diego disse:

    Belo teste, Daniel!
    Parabéns, cara!

    Com ele consegui comparar as melhorias feitas com relação a minha 2012.

    Só uma duvida, com qual combustível foi realizada aquela tabela das velocidades de acordo com a marcha e rotação?
    A minha a 5ª marcha e a 7000 RPM chega a apenas 105 kh/h. Somente a 8000 que rola os 120.

    Abraço.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Diego, o combustível não interfere na relação das marchas.
      De acordo com a minha tabela, em 5ª marcha a 7000 RPM, a moto anda a 109 km/h e a 8000 RPM a velocidade é de 118 km/h.

      Vale lembrar que essas velocidades eu obtive observando o painel, e pode não ser muito preciso.

  48. Josinaldo disse:

    Tudo bem Daniel?

    Gostei do teste, muito bom

    tenho dúvidas sobre acessórios como cavalete central e também não vi como se pode amarrar uma bagagem na motocicleta como uma pequena barraca, alguma bolsa, etc. Se puder escreva sobre isso.

    Vlw

  49. Carlos Ignacio disse:

    Ola Daniel. Tenho duas questões. Como estamos lidando com uma moto monocilíndrica, o item vibração é muito importante. Qual suas impressões sobre a vibração do motor em alta rotação nas manoplas, banco e pedaleiras? É possível adaptar um daqueles baús na traseira? Apesar de serem horríveis e nada estéticos, muitas vezes são extremamente necessários.Desde já agradeço sua resposta e digo que curto muito seu blog.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Carlos, a moto não vibra quase nada. O motor é muito balanceado.

      E eu já vi algumas Fazers com bauleto. Há no mercado alguns bagageiros para a Fazer. Mas não sei se há um bagageiro original da Yamaha. Até onde sei, não há não.

  50. Carlos Eduardo disse:

    Olá Daniel.

    É minha primeira postagem aqui e em primeiro lugar venho dizer q gosto mt do blog e sempre venho dar uma olhada e me atualizar e assumo que estava esperando esse teste!! Achava q o rendimento com gasolina iria cair em relaçao a uma somente a gasolina e gostei mt da notícia que ela continua tao economica ou até mais. Mas tenho uma dúvida, a manutençao dela ficou mt mais cara?! tem mais coisas para trocar?! qual seria a diferença de custo da manutençao da mono e da bicombustivel?! na mina cidade o alcool esta compensando e me interessei mt pela noticia de uma moto verdadeiramente flex e nao mix.. Gostaria de saber se a manutençao nao ficou mt mais cara pois dae nao sei se compensaria tanto trocar a mono pela bi… desde já agradeço a atençao.

  51. Thiago Szalyga disse:

    “A quinta marcha funciona mais como um Overdrive, permitindo viajar com mais velocidade mantendo o giro do motor mais baixo.”

    Eu não concordo com essa parte. A 5º marcha da Fazer gera torque e potência como qualquer outra marcha dela, ao contrário da Tuíster por exemplo que a 6º marcha não gera potência, apenas reduz os RPM.
    Existe outros inúmeros testes com a Fazer onde afirmam que ela não tem overdrive!
    A Fazer na 4º marcha “morre” nos 120km/h, para passar disso só engatando a 5º marcha, e os RPM e velocidades continuam a subir após isso, com um ritmo dependente das condições externas. Muitas vezes estou a 80km/h de 5º e acelero forte e ela responde rapidamente.

    Overdrive não faria isso!

    • Ulysses disse:

      Cara, no forum Fazeronline, fizeram os testes, discutiram pra caramba e etc… e chegaram na conclusão de que querer a 6º marcha é psicologico rsrs! o Cambio dela é muito bem escalonado e realmente gera torque em qualquer marcha, se o cambio estive estrangulando o motor, a moto não seria capaz de dar a mesma velocidade final de uma Tuíster com sua magnifica 6º marcha que muitos dos donos nem sabem que existe rsrs!

      • Thiago Szalyga disse:

        Sim Ulysses, eu sei disso. Se bem que se tivesse uma sexta marcha SEM ESTRAGAR O ESCALONEAMENTO, torque e elasticidade das outras marchas, apenas para baixar o RPM em “penhascos” que pegamos (pois o giro fica lá nos 9000rom quando acelera no talo), seria uma boa.
        Mas voltando ao assunto principal que me referi, eu continuo não concordando que a 5º marcha da Fazer é um overdrive, pois mesmo eu concluindo isso por experiência própria, já li e ouvi muitos pilotos de testes e pilotos de corrida dizerem que em motos pessoais, o overdrive não gera potência e nem torque. Sendo a 5º marcha da “Fazoca” uma marcha que gera potência e torque, para mim não é overdrive, mesmo gerando torque em qualquer marcha pelo escalonamento.

        • Ulysses disse:

          A sim brother, eu também discordo, a 5º da Fazer não é overdrive a 4º realmente chega a 120 (o que acho muito bom) e depois a 5º termina de fazer a fazoca voar rs! Na boa, sendo psicologico ou não eu tb queria a 6º marcha hehehehe!

          • Thiago Szalyga disse:

            Desculpe, achei que você tinha dito que era um overdrive só que como o escalonamento é bom, gerava torque ao mesmo tempo. hehehe
            Eu também queria a 6º marcha, só que sem estragar as outras, seria ótimo! Pois você deve saber que, acima de 120km/h todo tempo a Fazer bebe como uma 500cc! rsrsr
            Alguns RPM reduzidos ajudaria bastante. Ontem fiz 90 km (dividido na ida e volta) na BR, só no talo pois estava acompanhando um amigo num Celta (apesar de 1.0 aquele motorzinho VHC anda bem, e 250cc perde para 1.0 de final)com subidas e descidas, acelerações e retomadas constantes, sai com 3 riscos no tanque e voltei com 3km na reserva! rsrsr
            Mas está bom, de qualquer forma essa foi a melhor 250cc que eu andei e tive! Nãoq uero me desfazer dessa moto atééé eu conseguir minha FZ6 usada com pouco km, ou minha XJ6 zerinha.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Thiago, então acho que temos ideias diferentes sobre a definição de “Overdrive”. Pra mim, overdrive é quando a última marcha é mais longa do que o normal, não necessariamente uma marcha que “não gera potência”.

      • Thiago Szalyga disse:

        Daniel, basta buscarmos o significado da palavra overdrive e comparar com a Fazer.
        A sobremarcha (ou overdrive) é uma marcha utilizada apenas para reduzir a rotação do motor e economizar combustível, sem que ali se tente obter um aumento de velocidade.

        A 5º marcha da fazer gera ganho de velocidade correto?

        É um conceito universal, não é eu que criei a idéia. Portanto não é apenas uma questão de “idéias diferentes”, pois a idéia que eu tenho é baseada na universal que eu citei. Você tem experiência, não precisaria, mas bastaria uma pequena pesquisa para ver a definição do overdrive e para que serve.

        Lembro como ontem quando saiu comparativos de Tuíster contra Fazer em meados 2007 onde citaram que a 6º marcha da Tuíster não era vantajoso pois não ganhava velocidade e sim apenas reduzia um pouco o RPM e o consumo. E que na Fazer não havia isso.
        Era piloto de teste tal como você é.

        Mas tudo bem, em momento algum desejo mudar seu pensamento ok? Não quero ser chato.

        Abração!

        • Daniel Ribeiro disse:

          Thiago, eu tive uma Tuíster por 3 anos (2003-2006).

          A maior velocidade que atingi com ela foi em sexta marcha.

          O motor cortava a 11000 RPM. Em quinta, ela atingia pouco mais de 140 (de painel). Já em sexta, cheguei ao ápice de quase 160 km/h (de painel).

          Se a sexta da Tuíster é um overdrive, e a definição de overdrive é essa que você deu, então eu não sei mais o que pensar.

          De qualquer forma, eu entendi o seu pensamento, mas não vou alongar o assunto. Se a quinta marcha da Fazer é ou não é um overdrive, não faz diferença! Isso não muda a avaliação geral da moto.

      • Thiago Szalyga disse:

        Sim eu sei, temos conceitos diferentes. O overdrive nada mais é que uma marcha que não gera aumento de velocidade, mas sim, mantem a velocidade e diminui os RPM (eu sei que você sabe, só estou formando a frase)
        Para mim, a Fazer não tem Overdrive… se tivesse na 5ª a 140 ela não ficava berrando… a Fazer aumenta a velocidade e tem força para subir de velocidade mesmo a 80km/h.

        Ou seja: a 5ª da Fazer não alivia o motor. Ah não ser que ande em velocidades reduzidas abaixo de 80 mesmo estando de quinta, ou se ela tivesse uma 6º como relação secundária sem atrapalhar as outras marchas no quesito torque etc.(modo de falar).

        Lembro como se fosse hoje, de quando saiu testes entre Tuíster e Fazer em meados 2007, onde o piloto de testes afirmou que a Fazer não tem uma marcha para reduzir os RPM, e por isso o motor ficava sempre cheio e o consumo em altas rotações era prejudicado e que a Tuíster poderia usar a 6º marcha para tal fim, só que não havia vantagem pois a 5º da Fazer é de relação alongada, porém como já citei, motor sempre cheio, o que vai contra os princípios de um overdrive.

        Eu tenho a Fazer há 4 anos.

        Não quero mudar o que você pensa, apenas tenho minha opinião baseada em experiências próprias e baseada nos conceitos universais sobre overdrive.

    • Roger disse:

      Se a sexta marcha fosse útil, a CEBÊ300 não sairia com cinco marchas.
      A quinta marcha da Fazer 250 serve pra estrada,na cidade o máximo que se usa é a quarta.
      As marchas devem ser engatadas de acordo com a velocidade utilizada,não se deve andar em quinta marcha a 60 km/h por ex,isso força o motor,de qualquer moto.
      A quinta marcha da Fazer 250 não chega a ser um overdrive (folga),mas é ideal para estrada na minha opinião.

      • Roberto Júnior disse:

        Eu uso a 5 marcha da Fazer dentro da cidade.
        Não há problema algum em usar a 5 marcha em uma rua plana, e de quebra economiza um pouco de combustível.

  52. Alvaro Guatura disse:

    Parabens pelo blog, nao encontrei informacoes da moto em lugar algum, nem mesmo o video de divulgacao da Yamaha sequer mostra a nova luz do painel, nessa parte a Bomba é melhor.

    Fui proprietario de uma Titan Mix (da epoca que ainda tinha as duas luzes no painel) e o funcionamento do sistema de injecao era perfeito, a moto nem mesmo falhava (quase sempre 100% alcool), porem as luzes do painel eram malucas, ficava sempre o Mix aceso mesmo utilizando ha varios tanques apenas alcool.

    Tenho uma duvida em relacao as modificacoes em relacao ao modelo monocombustivel, podemos dizer que, exceto pelo sistema de partida, o modelo a gasolina poderia rodar com alcool? Seria apenas o caso de deixar um pouco de gasolina no tanque para partida (se bem que na minha Titan nem isso eu fazia e nao tinha problemas, pegava normal).

  53. Carlos Eduardo disse:

    Daniel gstaria de saber mais uma coisa.. tenho 1.88 de altura e gostaria de saber se vc acha q a fazer comporta bem alguem da minha altura?? Fiz o test drive e gostei mas não cheguei a andar mt neh.. vc q chegou a rodar bastante com a moto acha q tera algum problema relacionada a altura?! valeu abaços

    • Daniel Ribeiro disse:

      Carlos, eu tenho 1,90m e 103 kg e não tive “problemas” com altura. A ergonomia é ótima, quanto a isso não tem problema. Só acho que, esteticamente, a moto fica um pouquinho pequena. Mas esse problema eu tenho com a maioria das motos. hehehehe

      T+

      • Carlos Eduardo disse:

        Valeu pelo esclarecimento Daniel pelo jeito todo mudo q eh alto não tem como mesmo, esteticamente a moto acaba ficando um pouco pequena.. Mas se vc sendo mais alto q eu nao sentiu incomodo quanto a posiçao de dirigir por por um tempo um pouco maior isso e o mais importante na minha opiniao ja que estarei usando a moto no meu dia a dia para trabalhar, lazer e pequenas viagens (deixando o carro de lado e economizando um pouco na gasosa, hehehe). Estou seriamente pensando em em pegar uma p mim ja que estou precisando d uma moto para agilizar as coisas.. Ainda tenho uma duvida Daniel, quanto ao custo d manutençao dela, mudou mt?? tem mt mais coisas para serem trocadas periodicamentes? Valeu e abraços..

    • Daniel disse:

      Carlos, eu tenho 1,84m e até HD FatBoy fica parecendo velocípede pra mim… Nem esquenta com isso de altura…

      • Carlos Eduardo disse:

        ahuahuahuahu intaum Daniel fazer oq.. a paixao pelas duas rodas eh maior do que a altura neh ahuahuahuahu se ela eh confortavel p mim sendo alto eh o que mais importa.. vc ta certo nao tem o por que esquentar…

  54. Francisco disse:

    Excelente teste, pontuando o que relmente importa, diferente de muitos meios que colocam os veiculos no autódromo em condições/situações que dificilmente encontramos/vivenciamos.
    É interessante,por exemplo, saber quanto leva pra fazer o 0-100km/h mas no dia-a-dia é uma informação pouco util, muito mais util é saber o consumo (que num autodromo acaba sendo erroneo por andar sempre no limite) ou como é a ciclistica/digiribilidade do veiculo.
    Gostei do consumo, tinha receio que pudesse piorar, ao contrario, parece até que melhorou, a maioria do pessoal que tem a fazer nova tem medias entre 28-30km/l, eu mesmo consigo com a minha (sou leve e não ando com o tanque cheio) medias em torno de 27-29km/l, vc que é um cara grande e com tanque cheio (e com uma moto zero que dá uma piorada no consumo) já conseguiu logo de cara 32km/l sem muito cuidado de acordo com vc, excelente media, pelo jeito a Yamaha deu mais uma “calibrada” na injeção.
    Parabens a Yamaha pelo excelente trabalho e a oportunidade dada ao blog e mais parabens a vc por ter conduzido em teste com grande imparcialidade e de muita ajuda a tantos.

  55. fernando staly disse:

    sera que ainda vai melhor esse desenpenho no consumo ,que por sinal é incrivel ,e dificil uma 250 fazer +de 25 por L ,andando acima de 100 km h ,pois a moto ainda esta nova. muito bom o teste

  56. Davidson disse:

    Excelente!
    Tinha dúvidas quanto a pegar uma BI… Li uma vez que a manutenção na bomba de combustível fica mais cara devido a ter que traca-la com mais frequência. Sabes se isso procede, ou se é apenas mito?

    Vlw!!!

  57. Roger disse:

    Cara,muito bom o teste,tudo que um consumidor quer saber você comentou muito bem,acho a Fazer uma moto excelente e pelo visto ficou ainda mais acertada.
    A Yamaha é muito competente,não entendo porque ainda não lançaram uma moto com 150cc …
    E também uma pequena esportiva, que estão bombando,Yamaha,vamos se mexer aí,confiança já conseguiram,falta mais diversidade nos produtos.

  58. Adilson Aguetoni Junior disse:

    Sou proprietário de uma Fazer 2008 Limited Edition, a moto é excelente, muito bonita e econômica! Gostei bastante da versão “diferenciada” que a Yamaha criou. Espero que venha uma Blueflex LE também!

    Na minha, ando mais de 90% em estrada, pois trabalho em uma cidade vizinha e meu meio de condução é a moto. Rodo mais de 130 km por dia, trocando óleo de acordo com o manual e fazendo revisões de 10 em 10 mil km, nunca tive problemas. Peguei ela seminova, já está com quase 50 mil km e continua linda e o gasto é só com gasolina, óleo, pneu e relação, e alguns itens trocados preventivamente na revisão. A maioria das médias de consumo fica na faixa de 27 a 30 km/l, muito boas para o porte da moto! Sem dúvida, é a moto de média cilindrada de melhor custo/benefício!

    Estava pensando na possibilidade de trocar em uma Blueflex pra economizar um pouco(na minha região compensa usar etanol), mas estava em dúvida se o consumo no etanol seria bom, e seu teste só reforçou que será vantajosa a aquisição.

    Parabéns pelo teste e pelo Blog!
    Seria ótimo se todos testes fossem transparentes e imparciais assim!

    Continue com o bom trabalho! :)

  59. Carlos Rocha disse:

    Ola Daniel, estou sempre ligado no blog e a 1ª vez que participo, gostaria de saber se o teste com etanol na madrugada foi só com etanol, pois os flex da Bomba pede que se coloque uma proporção de gasolina quando “só” abastecida com etanol a baixa temperatura (15º ou menos)e também vc falou que rodou com ela até o motor apagar, os da Bomba pede que em caso de pane seca devemos abastecer com uma quantidade minima dos dois combustiveis (ta no manual)e nunca perguntei ou por que esqueço sei ´lá, pode nos da informações sobre isso. Sem mas, aquardando mais!

    • Daniel Ribeiro disse:

      Carlos, o teste da partida a frio foi 100% etanol. Eu realmente deixei a moto dar pane seca e abasteci apenas com etanol.

      O manual diz que deve-se abastecer com pelo menos 50% de gasolina quando a moto dá pane seca pois isso ajuda a IE a “se acostumar” melhor com o combustível novamente. Mas como eu queria testar o funcionamento apenas no etanol, eu fiz isso.

  60. Roger disse:

    Muito bom o teste,acho que todas as dúvidas foram tiradas a limpo,gosto muito da Fazer 250 desde o lançamento,realmente a moto é ótima,só falta a tampa do tanque ser igual à da Tenere 250.
    Mas fico pensando,a Yamaha acho que já ganhou a confiança dos consumidores,só falta uma linha de motos mais completa,uma 150cc street é fundamental,a XTZ125 pede socorro,as mini esportivas 250cc estão na moda…alguém tem que acordar na Yamaha Brasil.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Eu ficaria satisfeito se todas as motos apenas tivessem o carburador substituído pela injeção eletrônica. Se fosse a IE Blueflex então, melhor ainda. :)
      Só isso já ajudaria muito.

      Valeu!

      • Edu Moreira disse:

        Oi Daniel,

        Excelente artigo, escrito de forma clara e informando muitos pontos que os leitores muitas vezes querem saber e nao estao nas revistas.

        Sds,

        Eduardo

  61. Davidson disse:

    Você teria o manual da nova FAZER em versão PDF?

  62. Marcos disse:

    Muito completa tua avaliação. Tomara que outras marcas sigam o exemplo da Yamaha.

    Muito bom o consumo, a minha faz a praticamente a mesma média com gasolina. Ponto pra engenharia da Yamaha.

    Tambem estou esperando a Tenere 250 flex…

    T+

  63. creck disse:

    Eu tinha uma Fazer 08 LE, andai 15milkm. Moto sensacional, viajei com ela distâncias de 3000km. O pessoal abastecia as motos a cada 200km e eu a cada 400km. Acho ela leve e sem plásticos desnecessários na carenagem. Não faz barulho na corrente e a manutenção era apenas a de rotina. A suspensão deixava na última regulagem para duro, poisnão gosto de moto mole e que balança em curva. Em subida e na cidadeela era mais forte que a Tuíster, que ainda é cansativa devido as 6 marchas. Hojetenhouma fz6n queé excelente, mas gasta muito maisfazendo apenas 20km/h e é mais pesada. Ainda, volto pra Fazer.

  64. Enoque disse:

    Daniel, parabéns pela avaliação, está muito bem elaborada.

    Estou fazendo testes nas 250cc, pois estou querendo trocar de moto até o fim do ano, e realmente a que mais me agradou foi a Fazer. Com esse teste, acabei ficando mais convencido a comprar ela.

    Outra moto que me agradou muito foi a Next 250, mas para encarar os engarrafamentos ela não é muito ágil. Senti isso ao fazer o test drive. Por outro lado ela é extremamente desconfortável para garupa.

    Ainda falta avaliar a CEBÊ 300, mas pelas minhas próprias características de condução e dos trechos que faço diariamente, parte em rodovia, parte em trânsito urbano, a Fazer está se mostrando como melhor opção.

    Até mais.

    • Francisco disse:

      Fiz o teste entre as duas, CEBÊ300 e a Fazer (tambem já andei na ninjinha e na Comet) pro meu estilo de pilotagem a Fazer caiu como uma luva, a mim parece que estou andando numa 150-125, de tão leve que ela é, mas isso depende de cada um tem que andar pra ter certeza, eu testei a CEBÊ primeiro (não cogitei Tuíster pelo consumo e pelo carburador) e depois testei a Fazer de um conhecido (ano 2008), foi “paixão a primeira volta”, hoje tenho uma fazer 2012 já com 15mil, tenho muito pouco a reclamar.

  65. joao celso disse:

    comprei uma fazer blueflex gostei muito do equilibrio entre etanol e gasolina roda muito bem com ambos recomendo

  66. Edson disse:

    Sou fã da fazer. Uma moto bem nascida !
    Maravilha a matéria.

  67. Juliana disse:

    Só gostaria de deixar meu comentário sobre a Fazer YS.

    Esssa moto é maravilhosa!
    Vendi a minha com dor no coração. Ela e leve, ágil, fácil de andar no corredor, excelente custo benefício, adoro seu tanque enorme e os bancos com um tipo de borracha diferenciada que quando molha seca em 5 minutos…, a suspensão acho que é a gás…muito boa.
    Ótima matéria, FAZER YS QUEBRANDO TUDO!

  68. Márcio logusdmr disse:

    olá rapais que postagem boa cara de verdade ….parece um pouco parcial
    mas na verdade é que se tratando da fazer é isso ai mesmo né Daniel …

    agora serio vou comprar uma fazer esta semana carta de credito da Bomba consorcio contemplado ..

    e sua resposta vai ser decisiva, a vendedora da Yamaha me aconselhou comprar a fazer 12/12 não comprar a Blue por ser a primeira pode dar problema que é melhor esperar amadurecer mais ver como vai ser a aceitação .. e como a gente é fraco e compra a moto no sufoco gostaria da sua opinião verdadeira a respeito .e ai essa flex vai pegar ou não compro a flex ou a a gasolina … ,me ajuda ai fi… abraço e parabéns verdadeiro mesmo cara gostei muito abração

  69. Gabriel Cortes disse:

    Daniel.

    Tenho uma fazer 2010/11,não tenho o que reclamar da moto na parte mecânica.Fiquei meio descontente com a tampa do tanque pois a Teneré 250 mesmo ano tem a tampa esportiva.
    Ao pessoal que tiver afim de comprar uma Fazer ys250 será uma ótima escolha.

  70. odon disse:

    daniel, parabéns por ser escolhido pela yamaha para realizar esse teste, posso dizer que a yamaha subiu seu conceito comigo, agora sem sombra de duvidas vou colocar a fazer na minha garagem assim que possível, hoje eu tenho uma factor ED 2011, e sonho com uma fazer.

    Você fez o melhor teste de consumo, pilotou do jeito que todos nós pilotamos, parabéns novamente. grande abraço.

  71. Wellington André disse:

    Boa tarde Daniel ! Eu tinha maus olhares para a yamaha, mais agora tenho outro conceito, vou comprar uma Fazer o mais rápido possivel, tenho uma CG Titan 2008, tenho passado um pouco de raiva com o carburador dela, agora sei a minha solução. É compra uma Fazer.
    Parabéns pelo teste ! ficou de +
    Um abraço.

  72. Daniel disse:

    Tenho uma fazer 2012,com 2000 km uma ótima moto, confortavel, um design bonito em relação ao consumo a minha a 80 km/h constante faz 37 km/l e a 90 a 100 km/h faz 28 km/. Não estou duvidando não que a 120 km/h ela faça 32 km/l mas não entendo como a yamaha conseguiu essa proeza na fazer blue flex.

  73. Luiz disse:

    Olá Daniel.
    Gostaria de sugerir que você faça um teste na Dafra Next 250.
    É uma moto muito bonita, com o visual esportivo, mas como é uma
    marca relativamente nova, eu fico com o pé atrás. Tenho conhecidos q
    já tiveram problemas com a Dafra mas gostaria de saber dessa moto.

    Abraço!

  74. Everton disse:

    Daniel,parabéns pela matéria. Tenho uma Fazer 2011 roxa com 44.200km (não sou motoboy). A moto é excelente,até hoje só gastei com óleo,filtro,pneu,vela,pastilhas de freio… Quem diz que Yamaha tem manutenção cara está enganado. Fazendo amizade com o pessoal da CC eu só compro a peça einstalam gratuitamente.Até os 30.000km sempre levei na CC e nunca saiu caro e a moto sempre voltava impecavel. Eu parei de levar por burrice de ir em um mecânico que todo mundo indicava. Ele matou minha moto. Mandei regular válvulas e não sei o que diabos fez que hoje ela está fraca e fumando como uma RDZ. Sei que a moto é boa e foi tudo cagada dele. Tanto que semana passada comprei outra Fazer,uma 2013 prata mas só a gasolina. Chega amanhã e prometo nunca mais levar pra arrumar fora da CC. Quem está em duvida,pode pegar sem medo. Ela faz de 28 a 34km/l,não estraga nunca,muito boa de curva,freios bons (ABS faz falta) e mantem os 135 ~ 140km/h mas já atingi 153. Única coisa que irrita é o protetor de escapamento que risca fácil com os pés do garupa. Recomendo instalar uma lâmpada Phillips Motovision que o farol fica melhor que de muitos carros. (desculpem a bíblia escrita,adoro a moto)

  75. Ulysses disse:

    A minha 2008 é super conservada, sou muito chato com ela e só uso gasola aditivada em posto de confiança e as vezes coloco uma podium. Manutenção em dia, mas ela só faz 20Km/L , não sei o que acontece!

  76. fco joezito disse:

    excelente materia, sem puxar o saco de ninguem, o amigo falou a verdade, a fazer é uma otima motocicleta, tenho uma 2008, e só tive um problema, na injeção, apos 2 anos de uso, e acho que o problema nem foi tão serio com disse o mecanico da cc na epoca, que era o corpo de aceleração, e fiz um acordo por fora com o mecanico, paguei R$300,00 aos invés de R$ 1.500,00, paguei porque fiquei com medo de me recusar, e o fulano realmente provocar um defeito serio na moto, mas tenho certeza, que ele trocou apenas aquela famosa borracha do sensor ibrido, fora isso nunca mais tive problemas, e olha que viajo bastante na minha. Agora bem que a yamaha atentasse para o alto preço que as cc cobram nas peças, um absurdo.

  77. Aldo disse:

    Daniel, otimo texto esta de parabéns…

    Vou compartilhar minha experiência com vcs do blog sobre a fazer e com isso tirar algumas dúvidas dos leitores.

    Tenho fazer desde 2007, a minha 1° fazer foi uma 2007 e ela fazia 29km/l de consumo, saia de traseira em curvas e era instavel, para resolver o problema troquei o pneu traseiro por um maior ficou otimo porem o consumo ficou em 25km/l ai veio o recall da suspensão, levei a minha na autorizada e trocaram a suspensão na faixa(lógico), troquei o pneu pelo original e a moto voltou a fazer os 29km/l e a suspenção não estava mais instavel em curvas e não saia mais de traseira o problema havia sido resolvido no recall, vendi a moto com 35.000km.
    Comprei uma 2010/2011 (modelo novo), amaciei o motor conforme o manual, hj ela esta com 47.000km faço percurso em estrada e cidade e o consumo é absolutamente regular, sempre na casa de 30km/l, faço viagens com ela e uso só na cidade não muda o consumo se vc souber tocar ela, já tive experiência como pilotar e seus consumos, fazendo uma média de 90km/h no corredor vc consegue os 30km/l na estrada vc consegue os mesmos 30km/l andando a média de 100km/h, vc fazendo viagem com média de 120km/h o consumo vai para 27km/l e vc fazendo com média de 140km/h o cunsumo vai para 24km/l e vc torcendo o cabo o consumo cai para 21km/l, sua velocidade máxima limitada no painel é de 150km/h, mas já cheguei a marcar 155km/h limitando 3x na mesma descida mais q isso a minha não vai pela limitação de fábrica, troquei o pneu traseiro com 22.00km por outro original e esta até agora e ainda da pra rodar muito, o pneu dianteiro quase não se consome, a moto é otima de curva chego até a raspar a pedaleira no chão em algumas, ela não fica devendo em arrancada e retomada, muito menos em conforto e estabilidade, não faz barrulho e o minimo q faz é normal por conta do desgaste, a relação foi trocada com 35.000km, suas peças são caras mas vale oq vc paga, recomendo trocar as pastilhas só por original fiz um teste com a paralela da própria yamaha(y-tech) e o freio ficou uma porcaria, as originais são mais caras porem duram mais e são mais confiaveis na hora q vc realmente precisa, recomendo lubrificar a moto sempre para manter ela macia, tenho baú na minha pois uso para trabalho, não tem suporte original e o mesmo q serve na antiga serve na nova.

    Espero ter ajudado os leitores e se vc ainda esta com dúvida entre a CEBÊ300 e a Fazer250 ande do lado das duas e escute oq a moto tem a lhe dizer…
    CEBÊ300= clac,tlec,clac,cla,cla,cla,tra,clac
    Fazer250=……………..
    Claro, isso foi só uma piada mas vale lembrar na hora de escolher sua nova moto oq vc realmente deseja fazer com ela.

    Atenciosamente,

    Aldo

    • Ulysses disse:

      ” recomendo lubrificar a moto sempre para manter ela macia”
      - Lubrificar o que brother?

      Abraços,

      • Roberto Júnior disse:

        Que eu saiba o necessário mesmo é lubrificar a corrente.

        Agora a embreagem da minha ficou dura e eu meti óleo nela tbm hehe (lubrifiquei o cabo, o final dela onde tem aquela molinha, e o pedal do cambio)

      • Aldo disse:

        Vc deve lubrificar a relação a cada 500km rodados se vc é um usuário q roda pouco e a cada 1000km se vc roda todo dia ou sempre q pegar chuva ou lavar a moto, lubrificar o pézinho onde tem o sensor de ignição, o miolo da chave, lubrificar a cada 25.000 ou 30.000 a caixa de direção, lubrificar cabos e manetes da embreagem e acelerador, basicamente seria isso…
        abraços

  78. Manoel disse:

    Boa tarde Daniel hoje 23 de agosto estou para decidir ate amanha que fiquei de dar a resposta pra o cara da concessionaria da minha cidade qual eu quero se é a gasolina ou a blueflex pois ja estou com a grana mais eu gostaria de saber a tua sincera opiniao entre a gasolina e a blueflex será que em questao de desempenho compensa mesmo ter a blueflex porque segundo os vendedores a unica diferença realmente que existe é a questao do combustivel uma é gasolina e a outra usa ambos por favor gostaria de saber a tua opiniao pra tomar a minha decisao ate esse final de semana muito obrigado.

  79. Fabio (HRC) disse:

    cara muito bom seu teste. mais a fazer fez exatamente o que se esperava dela. tive uma titan ex mix 2010 que fazia medias de 33/34 km/l com etanol (alcool) e 42/43 km/l com gasolina (o comsumo em tudo que tem motor, carro ou moto, com gasolina sempre vai ser menor) hoje estou com uma Xis Érree 300 que me atende muito bem. gosto muito dela a moto é otima e numca me deu dor de cabeca, com medias de consumo em 30/31 km/l de gasolina (motor de 300cc). abrs e boa sorte!

  80. Brener disse:

    Daniel,
    Boa tarde!
    Estou quase comprando uma fazer e me veio algumas dúvidas com relação aos modelos Fazer Tradicional 12/13 ou Fazer Blue Flex 12/13

    1 – Existe alguma vatagem da Fazer tradicional para Fazer 250 Blue Flex ( uma delas sei que é bioconbustivél)?
    2 – Há possibilidade da fazer tradicinal sair do mercado uma vez que a Blue Flex traz inovaçôes? e vice versa a Blue flex não ser aceita pelos consumidores,(por usar alcool e manutenção mais cara) sair de linha e a tradicional se manter?
    3 – A manutenção de da blue flex é mais cara?
    4 – Como profundo conhecedor da marca, qual vc me indicaria a Tradicional a bluex flex?

    Obrigado pela atenção e aguardo retorno.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Brener, eu não sou profundo conhecedor da marca, só fiz o teste deste modelo específico.

      Eu iria de Fazer Blueflex em vez da tradicional. Gostei muito do tanque niquelado e da possibilidade de rodar com etanol. Liberdade de escolha. Isso vale os 400 reais a mais que estão cobrando pela Blueflex.

      Até mais!

    • Marcelo disse:

      Se minha opinião ajudar, compre a BlueFlex, porque o desempenho dela com gasolina não mudou, nem melhorou, nem piorou. Então não verá diferença para a tradicional. E como diferencial, terá a opção de abastecer com etanol…e sobre quem sai de linha, é improvável que a versão flex saia de linha, já a tradicional….pode preparando para se despedir dela.

      Abraço

  81. Everton disse:

    Estava pensando em trocar minha Roxa 2010/2011 por uma BlueFlex pois só a gasolina não tinha e como estavam demorando o gerente da CC me ofereceu ela a preço “Fazer normal”… Pensei que seria uma “negoção”,mas pesquisando bem vi que não vale a pena (no meu caso). Pois alcool aqui no RS é caro,e a moto tem peças a mais que requerem trocas e verificações constantemente e penso que a moto não estraga aquilo que não tem… Meu medo é essas peças diferenciadas serem caras e raras e logo a economia de combustivel se perderá nisso. E quem tem mania de comprar moto 0km e só fazer aquelas revisões grátis e não voltar mais na CC vai se lascar pois aposto que os mexânicos de fora não saberão mexer…sei lá… Espero estar enganado e que a moto seja um sucesso…mesmo correndo o risco de ter um mico na garagem. Carros flex no inicio tinham deficiencias,eram rejeitados…hoje se não for Flex não vende,mesmo raramente o pessoal usando Etanol

  82. Bruno disse:

    Olá Daniel,

    tenho a sua mesma altura e, acredito, o mesmo peso. Minha moto é uma CEBÊ 450 TR 1985, que me atende muitíssimo bem nas viagens na estrada. Seus contras são o amortecimento em pisos irregulares e seu consumo médio, que fica bem acima das 250. Já pensei várias vezes em trocá-la por uma fazer ou uma Tenere 250, mas tenho muito medo de quando botar uma das duas na estrada me arrepender arduamente da troca. Sei que não posso comparar uma 250 com uma 450, mas gostaria muito de saber de vc se essas duas motos da yamaha são boas de estrada e quais os efeitos de serem tão mais leves que a CEBÊzona. Tenho grande simpatia pela yamaha, mas nunca pilotei uma 250 antes. Será que vc pode me ajudar nessa?

    Abraços e parabéns pelo blog.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Bruno, obviamente a velocidade final vai ser menor, assim como o desempenho geral em arrancadas e retomadas, afinal, você tem quase o dobro da cilindrada atualmente.
      Mas a maleabilidade e a agilidade de ambas as motos no trânsito e a economia de combustível com certeza compensam muito.

      Devido a sua altura e o seu foco mais na estrada do que na cidade, vá de Ténéré 250. É o mesmo motor, porém sem ser Flex (por enquanto).

      Boa sorte!

      • Santos disse:

        Pode passar-me uma dica sobre a fazer quando ela emite “estouros” ao aliviar a aceleração? Bem, a minha Fzer ano 2008 com 123.000km costuma dar tiro de “45″ assim que alivio a mão…conhece algum mecânico que opine algo a respeito e que possa repassar-me! grato

  83. Wilson disse:

    Olá, comprei a Fazer blueflex há um mês atras e percebi um barulho muito irritante na parte de tras da moto. Fui informado pelos mecânicos da concessionária que é a corrente que bate naquele protetor de “borracha”, sendo, portanto, um defeito de engenharia. Essa informação procede?? Obrigado.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Wilson, a fazer que eu testei não tinha nenhum barulho anormal não.

      Mas achei estranho os mecânicos da concessionária te darem este diagnóstico mas não terem solucionado. Será que um simples ajuste da corrente já não resolve isso?

      • Wilson disse:

        Entao.. Esse barulho faz quando passo em alguma imperfeição no asfalto, ou mesmo em valetas. Perguntei pro mecânico se podia esticar a corrente. Ele me disse que não, pois ela deve trabalhar com uma certa folga.
        Resumindo: A moto é excelente, porém tem esse defeito sim!
        Valeu Daniel!

  84. Ulysses disse:

    Viu, eu disse que ela tem esse barulho! Quando ta com o pneu mal calibrado, aí que é piora tudo mesmo, mó barulho, coisa horrivel!
    Amigo vai lá no youtube que tem video mostrando como arrumar isso em casa! Depois de arrumado, vc vai curtir mil vezes mais sua motoca blueflex rs Abraços,

    • Wilson disse:

      Ulysses, creio que vc resolveu meu problema. Realmente vou curtir mto mais a moto se isso der certo… Vlw msm! Abraço!

      • Ulysses disse:

        Velho vai por mim, tenho uma 2008 que tinha esse barulho horrivel e depois que resolvi o problema, passei a gostar mil vezes mais da moto!
        Procura no youtube assim ” Como resolver o barulho da balança Fazer 250 ”
        Se for fazer, cuidado para não colar uma fita de borracha muito grosa!
        abraços,

  85. Ariel Miranda disse:

    Só uma observação em relação ao relógio no painel da moto, bem, não é necessário sempre ficar apertando o botão várias vezes até aparecer o relógio sempre que quiser ver as horas, é só simplesmente já deixar na opção de relógio e não mexer mais. Simples assim. A minha eu só deixo no relógio e pronto. Muitas pessoas falam que a fazer 250 é a melhor moto custo x beneficio da categoria, eu acho muito mais que isso, não só a melhor custo x beneficio como também a melhor moto da categoria. Essa foi minha primeira moto, e logo de inicio eu pensei em comprar uma esportiva 250cc, a ninja 250 ou a comet gt 250 (essa eu descartei depois, pelo fato de não confiar na kasinski). Depois eu pensei bem e analisei que eu sou um universitário e a melhor moto pro dia a dia e quando quisesse pegar uma estrada de vez em quando seria a fazer 250 ou a CEBÊ 300, (ai já entrou na categoria de fato) ai eu pensei bem e vi todos os prós dessa moto e não tive duvidas que fosse ela a escolhida, sem contar que eu a acho muito bonita tbm. Mais isso é uma questão de gosto. Hoje eu me sinto muito satisfeito com essa moto, e coloquei um bauzinho (coisa que não daria pra colocar em uma esportiva) e carrego minha bolsa, livros, bolsa da minha namorada e outras coisas mais nele, e sem contar que pro carona, pra ela no caso, uma moto dessas é muito mais confortável que uma esportiva. Ou seja, eu estou 100% satisfeito com a minha fazer 250 e é uma moto muito barata de manter tbm, sendo a mais a econômica da categoria e pra mim que sou um universitário com dinheiro apenas de estagio, tá dando pra manter a moto tranqüilo e calmo. hehehehehe

    • Daniel Ribeiro disse:

      Ariel, eu gosto de ver o hodômetro parcial E o relógio… Então eu tenho que ficar trocando as telas o tempo todo.

    • jean disse:

      Parabens pela satisfacao Ariel Miranda, sei como é “sofrer” com o pouco q ganha e por cima vai tudo pra universidade… Tmb estou pesquisando, na verdade analisando muito a fazer 250, mas ao mesmo tempo a mirage 250, que acredito que ambas as motos nao dao muita manutencao… porem estou esperando o salao duas rodas e analisar as novidades para o ano 2013.

      t+

  86. Luisão disse:

    E ai galera das motos…..
    Fiquei mais confiante agora lendo essa matéria sobre o teste da Fazer 2012/2013 flex, comprei uma dessas ai blue-flex, e estou animado, pois aposentei a ybr 2003 que eu tinha…. a minha já está com 2.000 km rodados, gente achei ela muito macia e confortável sem falar da performance da mesma um show a parte, a 300 da Bomba fica no chinelo…..
    Valeu ai pela postagem da matéria muito importante mesmo a sua colocação sobre a moto Fazer 250…

  87. Gustavo disse:

    Meus parabéns ótima matéria, sem duvida eu já estava querendo essa moto agora me deu mais vontade, tenho uma FAN 125 2011 comprei zero e amaciei meio a meio, primeiras semanas na boa depois só cabo enrolado, sempre olho a manutenção calibragem do pneu mais nunca consegui mais que 26km/litro meu trajeto é 70% rodovia 90KM/110KM me tira uma duvida….

    O jeito que amacia o motor influencia na economia da moto? não sou muiiito leve peso na faixa de 110kilos mais creio que essa minha moto esta bebendo de mais…

    Estou esperando quitar minha moto e fazer o consórcio nacional da Yamaha, da uma dica para fazer o consórcio…. essa moto não tem versão com ABS?

    • Adilson Aguetoni Junior disse:

      A Fan 125 consome isso aí mesmo, principalmente por rodar em estrada acima de 100 km/h, e por estar carregando um peso considerável.
      Na melhor da melhor das hipóteses vai passar pouca coisa de 30 km/l.
      Sou proprietário de uma Fazer LE 2008, e em uma pequena viagem acompanhei um amigo em uma Fan 125 2009, na mesma tocada.
      Enquanto obtive a média de 29 km/l na Fazer, meu amigo fez 27 km/l na Fan.
      Conclusão: Além de ser muito mais moto, a economia de combustível será maior na Fazer. Se comparado ao motor 150 cc da Bomba, ele perde um pouco, mas penso que compensa pela potência disponível e a moto que a Fazer é no conjunto! :D
      Abraço

  88. Daniel disse:

    Olá Daniel, meu chará, li a matéria no seu blog, e estou para comprar uma fazer 250, a grande dúvida é se eu compro a blue flex ou a normal. Como moro em Brasília, o alcool aqui está muito caro, então não vejo vantagens em possuir uma moto flex, já que nunca ou raramente irei abastecer a alcool. Fui na CC da Yamaha aqui, e a fazer normal está em promoção por R$ 10.900 e a bluflex por R$ 11.600. Compensa pagar esses 700 a mais e ter uma moto mais inovada e ganhar uns trocados a mais numa futura revenda? abs

    • Daniel Ribeiro disse:

      Daniel, isso eh muito relativo. Nao sei se o sistema flex vale os 700 reais a mais sendo o Etanol mais caro ai… O que voce deve pesquisar eh: O etanol ja foi mais barato algum dia? Existe a possibilidade de algum dia ele se tornar mais barato? Existe a possibilidade de uma crise de abastecimento ai a Gasolina ficar em falta?

      O fato da moto ser flex nao tem como unica vantagem o fato de voce poder andar com Etanol. Todo o sistema de alimentacao eh melhor, tanque e corpo da injecao sao niquelados, ha um filtro de combustivel original, e isso aumenta a confbilidade do conjunto, mesmo usando apenas gasolina.

      Eu penso que, se a diferenca de preco nao for muito grande, compensa pegar a Flex de qualquer forma. Mas isso eh uma decisao pessoal.

      Boa sorte!

  89. Matheus R disse:

    Detalhe que testou a moto sendo amaciada, quando o motor estiver com mais de 2500 kms a economia melhora muito!
    Abraço e parabéns pela matéria.

  90. Luiz Ricardo disse:

    Tenho analisado muito esta moto, já havia optado por adquirir a Bomba CEBÊ300r mas assim que vi essa versão flex da Yamaha Fazer fiquei doido! Já me programei pra estourando dezembro já estar com a minha na mão! Achei uma ótima moto. Pra matar de vez a CEBÊ300, só faltou o c-abs, que querendo ou não traz uma segurança maior nas frenagens e reduz o período da manutenção de freios e pneus. Mas ainda assim vou comprar minha Fazer Blueflex!

  91. Juvinio Roberto disse:

    Antes de tudo, PARABÉNS Daniel, você é merecedor de testar essa moto e muito mais! Acompanho o seu Blog desde a primeira vez que estava pesquisando na net sobre motos, desde então já postei imediatamente o seu LINK no meu blog. Acabei de fazer uma aquisição de um capacete da LS2 FF358 Patriot, só estou esperando chegar, já fora encaminhado para Recife, para daí poder vim para Lajes no RN, isso fora graças as suas materias sobre os equipamentos de segurança.

    Pergunta sobre a FAZER 250, esse cavalete central, veio nela, ou é o da Roncar, uma outra dúvida é que, esse cavalete central não interfere no cavalete lateral não? Pelo o que deu para perceber nas imagens não! Porém gostaria de saber de você? Muito Obrigado camarada.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Juvinio, obrigado pelo elogio.
      O cavalete central já veio nela, é o original da Yamaha. Eu só não sei dizer se ele é um equipamento opcional ou se ele já vem de série com a moto.
      Ele não interfere no cavalete lateral não. Os dois convivem muito bem.

      Até mais!

  92. Everton disse:

    Eu tinha uma roxa 2010/2011 e essa semana troquei pela prata 2012/2013… Que moto incrivel. Não tem quem não olhe. Isso que a roxinha com 2 anos de uso ainda chamava a atenção. Será que a Yamaha mudou algo na I.E.? A minha é a “normal” a gasolina e estou surpreendido com a economia. Peguei quinta e já rodei 194km e recém sumiu uma barrinha do marcador,na minha outra aos 120km descia o nível (pilotando no modo tiozão ambas). E também é incrivel o conforto e silêncio da moto e a estabilidade. Não sei se é por estar com escape esportivo que eu não sentia isso na outra. Podem comprar sem medo,a moto é boa demais e vale cada centavo. Enquanto eu não puder ir pra uma XJ6 vou indo de Fazer em Fazer. OBS: falaram de LS2 FF358…eu comprei um Titanium Matt e achei perfeito o design,o peso (leve demais) e o conforto. Porém odiei duas coisas: o sistema de trocar viseira e o ruído de vento… É horrivel. Isso que ainda estou amaciando a moto e não passo de 80km/h. Imagina quando eu começar a usar ela mesmo a 130 ~140… Por isso quando pego rodovia estou usando o meu velho FF350. Abraço

  93. Gleyner disse:

    Parabéns pelo teste Daniel, fez um teste como nós usamos a moto no dia a dia.

    Eu estava reparando nas fotos e parece que essa fazer que você fez o teste tem cavalete central. Isso é verdade ou sou eu que estou enxergando demais??? rsrsrs

    Esse cavalete é o original da yamaha? Será que as novas fazer blueflex irão vir com este item de série?

    Abraços

  94. Everton disse:

    quanto ao barulho na traseira da moto: a 2010/2011 fazia um barulho de coisa batendo…moro em rua de paralelepipedo e era vergonhoso demais… Na primeira voltinha meu cunhado Xiita Hondero disse que a moto estava se desmontando… Agora tenho a 2012/2013 e afirmo que o barulho não sumiu. Mas reduziu uns 80%…tem que ser “O buraco…O desnível no asfalto” para dar ruído. Cavalete? Acho dispensavel… Coisa de motoboy que precisa trocar pneu com pressa…kkkkkk moto já não é tão forte e ainda colocam mais peso…

  95. marcio disse:

    gente tenho de relatar …

    Após o post do daniel falei que ia comprar a fazer e comprei, mas com uma cota de consorcio da Bomba dai os caras tao embaçando pra entregar a bleu flex, . dai o proprietario da lucari yamaha me liberou a fazer gasolina 12 / 13 para este final de semana que passou, foi um passeio muito agradavel com ela . andei tipo 320 km em 3 dias fez 30 comigo e minha esposa só eu peso 130 kg e a moto anda a 120 km facil( tocada constante)agora sozinho peguei um decidão forte e enrolei o cabo deitado nela serio foi a 155 sem cortar dai acabou a decida, um amigo numa titan 150, ele tava colado a 140 e a moto dele cortando.senti a fazer bem firminha. em fim se nao tivesse comprado ainda e o test drive fosse para resolver sobre a minha compra ou nao e digo campraria hoje sem duvida moto estremamente macia …. parabens a yamaha pela fazer. quando a blue flex chegar vou de presidente prudente onde moro para campo grande mato grosso dai posto aqui …..abraçoa todos abraço daniel e obrigado..

  96. Samuel disse:

    Daniel, Parabéns pela sua matéria ficou excelente…
    Eu tenho uma 11/12 e a unica coisa a reclamar dela é o suporte da placa, ele faz mto barulho e trepida d+ em rua de pedra.
    Se for possível me responda 2 perguntas:

    * Vai sair modelo 12/13 da versao so a gasolina ?
    * Vai sair a cor vermelha pra BlueFlex ? Pois a minha é vermelha e na minha opiniao não agrado muito de cor Preta e/ou Prata para motos.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Samuel, provavelmente vai sair sim o modelo 2013 apenas a gasolina.
      Quanto as cores, eu não sei dizer.

      Até mais!

    • Everton disse:

      Cara…Fazer 2012/2013 a gasolina tem sim. Comprei uma semana passada. Mas sinceramente só a gasolina não sei até quando terá. A Yamaha diz que continuara fazendo…mas sei não. A minha foi uma dificuldade pra conseguir. As revendas só tinham Flex e queriam a todo custo que eu comprasse,inclusive a mesmo preço da só a gasolina tive que fazer uma reclamação no SAC da Yamaha até que apareceu uma a gasolina. Quanto ao barulho,geralmente é a corrente batendo no protetor. Youtube ensina a eliminar o ruído. Quanto ao suporte da placa ele é flexivel (como os piscas) propositalmente. Assim não danifica em quedas

      • Jeferson disse:

        Exatamente!

        Comprei a minha essa semana, modelo 2012/2013, e só a gasolina. Não vai sair, JÁ SAIU.

        Está na nota que é 2013, mas é estranho que a moto não tenha mudado NADA. Ao menos não percebi mudança nenhuma. Será que a 2013/2013 (só a gasolina) será diferente ou se já é 2012/2013 é essa mesmo e pronto?

        Nunca entendo esses dois anos (xxxx/xxxx), fiquei com receio de ser passado pra trás e levar uma 2012 pra casa, mas a 2012 já tinha até sido esgotada por ter rolado promoção com a chegada da 2013, então acredito que seja essa mesma a moto pra 2013.
        obs: não veio com o adesivo vermelho na preta,acho que ele é exclusividade da flex, assim como os detalhes em azul da prata – que na só a gasolina são pretos -

        FALEI MUITA BESTEIRA? :)
        abraços

  97. Djanilson disse:

    Danil, observei nas fotos, que ela tem cavalete central! veio de fábrica ou estalaram depois? um abraço parabéns

  98. Wagner disse:

    mais um excelente teste Daniel, bem elucidativo! tá de parabéns.

    sobre a moto, acho a Fazer uma das poucas motos com um custo-benefício bastante justo neste nosso país. tem estilo, motor confiável, potencia, muita coisa boa mesmo, e nessa nova versão melhor ainda.

    eu pegaria um com certeza, pra usar no dia a dia ou mesmo pra uns passeios de fds pela cidade. já na estrada eu prefiro aumentar a cavalaria, nao q ela nao enfrente, mas só por gosto pessoal.

    mais uma vez parabéns.

  99. crick disse:

    Daniel, como é voltar a pilotar a Yes 125cc, depois de andar na 250cc…. sei que tem a v-Strom, assim, não acaba sendo muito fraca a Yes, até porque você é enorme, sozinho estoura a capacidade de carga da Yes?

    • Daniel Ribeiro disse:

      Crick, a Yes é uma moto utilitária… Eu entendo as limitações dela quando estou usando.
      É claro que andar de Fazer é melhor… mas fazer o que né? Deixo pra passear de V-Strom e no dia-a-dia uso a Yes.

  100. Edinan Reis disse:

    Meu caro Amigo,

    Não sou motociclista (…ainda, quem sabe um dia) mas sempre gostei de buscar informações sobre todo tipo de veículo a motor, achei excelente seu texto sobre o novo modelo da motocicleta da Yamaha e gostaria de parabenizá-lo. Até esta manhã eu não conhecia seu blog, mas a partir de agora ele será mais um canal de informação que terei o prazer de acompanhar.

    Parabens e um bom dia!!
    ER

  101. Igor disse:

    Sonhando com minha primeira moto :/

  102. Davidson disse:

    Estou com minha Flex há 10 dias. A moto é tudo de bom, só achei o banco muito duro, já fiz uma viajem de 800km e o desconforto do banco é notável.

    Depois da 1º revisão, estou tendo dificuldades para descer marchar ao para ou reduzir a moto estando de 3º ou 4º, tenho que ficar soltando a embreagem e acelerando um pouco para conseguir engatar marcha. Será que isso é normal?

    Tirando esses detalhes, só tenho a elogiar essa moto que tanto me surpreende…

    • Marcos disse:

      Davidson,

      A espuma do banco é realmente menos macia que as anteriores, para longas viagens usar calça de proteção ajuda a ter mais conforto e proteje as pernas contra impactos de detritos (pedras, parafusos, etc).

      O problema na troca de marchas não é normal não, leve na concessionária para manutenção.

      Como esta o consumo?

      Abs

      • Davidson disse:

        Pois é, eu vou leva-la a cc mesmo antes da próxima revisão.

        Eu rodo uma média de 150km/dia, na Gasolina consegui uma média de 28km/l e no álcool 22km/l andando a uma velocidade média de 115km/h isso tudo rodando 120km na estrada e o restante em cidade (BH).

        A velocidade máxima que consegui colocar foi de 151km/h em uma descida, na reta consigo colocar 140km/h.

        É uma moto muito boa!

        P.S: Estou utilizando um app para Android para registrar o consumo de combustível (recomendo)- CARANGO.

        Abs!

        • Marcos disse:

          A média com gasolina na estrada é igual a da minha 2011, muito bom. Pensei que o consumo com gasolina fosse piorar. Para melhorar o consumo é só desenrolar o cabo mantendo os RPMs entre 6 e 7 mil (100 km/h) ai chega a fazer 32 km/l na gasolina.

          Aqui na grande SP compensaria rodar com álcool, pelas minhas contas daria uma economia de 12% em relação a gasolina.

          T+

      • Davidson disse:

        Galera, aí vai uma dica que encontrei no pai Google.

        Como disse anteriormente, eu estava tendo dificuldades ao reduzir as marchas. O cambio estava muito duro, causando um enorme desconforto ao trocar de marcha, principalmente ao reduzi-las.
        Na revisão de mil, questionei com o mecânico que disse que isso é normal, mas, não engoli essa e dei uma pesquisada.

        Vejam:
        “- Retirar o parafuso que prendo o pedal do cambio.
        - Ali fica um eixo fixo, o qual quando acionamos o pedal da marcha, o pedal que soltamos gira em cima deste eixo fixo.
        - Limpar e Lubrificar com “Graxa à Base de Sabão de Lítio” , o pedal e o eixo (que é o próprio parafuso).
        - Caso não tenha esta graxa pode ser qualquer outra, porém a de sabão de lítio dura muito mais com a ação das lavagens e chuvas.
        - Montar novamente.
        - Limpar o excesso que ficou e também foi expelido na montagem.”

        Depois disso até parece que é outra moto…

        fonte: http://www.fazeronline.com/phpBB3/viewtopic.php?p=345722

  103. Luisão disse:

    Bom dia galera….
    ==================
    Sobre o comentário do amigo Davidson, você comentou que usa um “P.S: Estou utilizando um app para Android para registrar o consumo de combustível (recomendo)- CARANGO”, fiquei curioso em saber mais detalhes do assunto… também tenho uma fazer 12/13 flex, e gostaria de saber mais sobre como medir com precisão o consumo de combustível, blz…
    Ab……

  104. Renan disse:

    Olá tenho uma YBR/Factor ano 2009, ela ficou algum tempo parada e está rodando agora, ela esta com 28 mil rodados com todas as revisões feitas na Yamaha, gostaria de saber se para uma 2ª moto esta fazer Blue Flex estaria de bom tamanho? Agradeço o empenho de todos e muito bom o blog, Parabéns!

    • Daniel Ribeiro disse:

      Renan, a Fazer é uma boa moto para substituir a YBR! Não sei se vale a pena ter a YBR tendo uma Fazer na garagem… O consumo das duas vai ser muito parecido.

  105. rogerio disse:

    Daniel, parabéns pela matéria !
    influenciado por seu teste troquei minha cg125 2002 por uma Fazer blue flex, optei pela prata, linda moto,estou com ela a uma semana e não me arrependo em nada.
    Continue sendo transparente e verdadeiro que seu futuro será de bençãos,valeu!!!

  106. Daniel disse:

    Daniel, lembra que estava na dúvida entre a bluflex e a gasolina, que a diferença era de 700 pila? Pois é, peguei terça feira passada a blueflex preta, minha primeira moto, e to curtindo muito com a namorada, muito macia e ágil, não me arrependo. Direto paro no semáfaro e os kra da CEBÊ300 nao tira o olho…. Valeu pelo review, se nao fosse esse blog não teria comprado ela. Abs

  107. Davidson disse:

    Economia porca…

    As presilhas que vinham embaixo do banco para prender capacete e outras coisas, não estão vindo mais.

    Achei que era só a minha que não tinha, mas, após pesquisar em alguns fóruns, descobri que não sou o único.

    • Josinaldo disse:

      É verdade Davidson economia de palito.
      Veja a resposta do sac da yamaha só para todos não fiquem achando que é falha das concessionárias pois quando fiz a revisão dos mil km questionei o atendente da concessionária e recenbendo a informação de que não vinha mais a fita achei que estava sendo enganado. Bola fora da Yamaha que quase me deixou na mão.

      Prezado Senhor Josinaldo,

      Inicialmente agradecemos o seu contato.

      Em atenção ao seu e-mail,referente ao modelo FAZER 250 BLUEFLEX, informamos que suas observações estão registradas para conhecimento da área responsável.

      O modelo não possui o item (cinta para fixação de bagagem), para maiores informações mantenha contato com a rede de concessionária.

      Estamos à disposição também através do telefone (11) 2431-6500 (de segunda a sexta-feira em horário comercial, exceto feriados).

      Atenciosamente,

      Alberto.

      Yamaha Motor do Brasil Ltda.
      * Rodovia Presidente Dutra, Km 214 Jd. Cumbica
      07178-580 Guarulhos – SP
      ( (55 11) 2431-6500

      þ http://www.yamaha-motor.com.br

  108. Davi Victor disse:

    Show de moto,vou ter uma também
    valeuuu obrigado pela materia e as fotos que ficou legal.0/

  109. Givaldo Cristo disse:

    Nunca fui amante de moto, sempre curtir mais carro por proporcionar maior conforto, segurança,(ar condicionado, protegido da chuva, airberg…)
    Em fim decidir pesquisar sobre moto, analisei a CEBÊ 300 achei uma moto maior com detalhes de moto menor(Titan).O pisca, retrovisor de Tuíster, barulho na relação, o escapamento costuma amarela esse detalhes me fez excluir essa possibilidade.Então partir para a Xis ÉrreE 300 achei uma moto bonita de grande porte, robusta, por um acaso sentei-me no chão ao lado dela e comecei a observar daí percebi que olhando- a de um anglo mais baixo a moto não era o que parecia ela tem a estrutura muito espostoa( Off Road), tipo sem roupa. Aí foi onde descobrir a evolução da Fazer ys 2011, comecei a pesquisa encontrei o teste da Best Rirdes, 100% de aprovação, para concluir, esse belíssimo teste da Moto Blog onde não me deixou dúvidas nenhuma em relação a este produto. Achei a moto linda, 250CC com aparência de moto maior, confesso que aprovei todos os detalhes, alem de ser uma moto exclusiva não se ver muito pelas ruas é realmente uma engenharia fantástica,fiz a comparação entre as concorrentes( CEBÊ 300,Next 250,Ninja 250 embora carenada, Comet Gt 250) na minha opinião não deu outra. É a Fazer Blue Flex 250. No Final de 2012 estarei comprando a minha, nem é necessidade mas sim apreciação ao belo desenvolvimento da Yamaha.
    Obrigado Blog Moto e seguidores. Boa Noite. /Daniel se não for possível publicar não há problema algum!/

  110. Givaldo Cristo disse:

    Valeu mesmo Ulysses pela sugestão.

  111. Hugle disse:

    Parabéns pelo trabalho, é a primeira vez que vejo um teste IMPARCIAL sobre moto. Tenho uma Fazer 2011 com 25.600km rodados, e o comentário descrito no texto sobre a moto é rigorosamente o que eu percebo. Só coloco 1 ponto que a Yamaha poderia alterar nesta moto. O protetor de escape de plástico, pois ele arranha/desbota com muita facilidade, no resto a moto é perfeita.

  112. Eduardo Mendonça disse:

    Nossa muito bom, blog adorei saber das vantagens da Blue flex vou pegar a minha em dezembro e mal posso esperar preta já até comprei alguns acessórios pra ela Abraço adorei os detalhes que foi explicado no texto muito bem detalhado Parabéns

  113. Guilherme Fritsch disse:

    Olá Daniel

    Acabei de Tirar minha habilitação e em seguida fui contemplado por sortei no consórcio da Fazer BlueFlex, não tenho quase nenhuma experiência com motos, será q começar pela fazer vai me prejudicar ?

    • Daniel Ribeiro disse:

      Guilherme, não há problema em começar pela Fazer. Fique tranquilo.

      Boa sorte!

    • Davidson disse:

      Tenho certeza que será ainda mais fácil começar em uma FAZER do que em uma moto menor… experiência própria…

    • Jeferson disse:

      Guilherme,

      Minha situação é como a sua. Tirei a habilitação sem mal saber andar de moto e por paixão e necessidade (moro em outra cidade e 150cc poderia ser pouco pra minha viagem) comprei a Fazer 250 – porem so a gasolina-.
      Hoje fazem 10 dias que estou com a moto, minha primeira moto, estou aprendendo nela. To andando bem, ja rodei 500km, várias pequenas viagens… tenho dado alguns bons trancos nas passagens de marcha, na passagem por quebra-molas, as vezes acelero pouco e deixo ela morrer, enfim… rs coisas de principiante.

      Mas no geral vale MUITO apena, não é uma moto violenta que te joga longe quando vc erra… é uma moto que te respeita muito. Vai sem medo, cara! Espero que com alguns meses eu ja tenha dominado minha pretinha.

      abraço!

  114. Guilherme Fritsch disse:

    Ah que bom, espero aprender rápido, e agora que acabei de ler o teste, estou ainda mais ansioso esperando a chegada da moto, rs

    • Ulysses disse:

      Cara, mas é aquilo que eu falo. Começar por uma 250, é de boa, desde que vc ande com ela em alguns finais de semana, aprenda, ouça conselhos! E só depois de andar varios kms durante os finais de semana, é que se começa a utiliza-la durante o dia-a-dia. Para levar um garupa a mesma coisa, anda com a pessoa que geralmente é a patroa durante os FDS, até ir pegando o jeito, depois sai com garupa no transito.
      Não sei se vc é de Sampa, mas aqui, erros nos corredores são muito perigosos. Eu mesmo, comecei com a minha Fazer, mas andei muito durante os Fds, pratiquei, vi dicas e escutei conselhos. Mas logico, depois de uns 4 meses eu ja estava bem empolgado e essas 250 andam bem sim, nessa empolgação, cabo enrolado, Tome na traseira de um Gol, foi tenso. Começe com a Fazer, mas vá com cuidado!
      abraços,

    • Marcos disse:

      Não esqueça de reservar uma grana (uns mil e quinhentos reais) para comprar um bom capacete e equipamentos de segurança (jaqueta, luvas e bota pelo menos). Aqui no blog tem muitas dicas de bons equipamentos e também dos que não devem ser usados. Não economize $$$ com a sua segurança.

      Como o Ulysses citou a Fazer acelera bem e o freio é bom mas não é mágico, recomendo treino de freadas de emergência para você conhecer bem os limites da moto antes de encarar transito pesado ou os corredores de SP.

      • ulysses disse:

        Não, não! Compra um capacete San Marino e uma jaqueta CR (California Racing) e sai andando!
        Aí vc cai, racha a cabeça e se rala todo! hahaha!
        Exatamente como os colegas falou, cautela acima de tudo! e bons equipamentos, uma jaqueta boa para essa categoria de motocicleta está em torno de 300 à 450 reais, com protetores e tudo mais. Uma luva X11 uns 50 reais. E um bom capacete, entre 350 à 500 reais. Não precisa comprar um AGV Gp Tech de 2 mil reais, pq a Fazer não vai passar dos 190km/h! rsrs

        • Marcos disse:

          Quando comecei a andar de moto o San Marino era top de linha (35 anos atras…).

          Já vi cada figura no rodoanel, haja pesamento positivo. E as meninas de scooter… salto alto, shortinho, regata, muito bonitas e na moda mas dói o coração de imaginar um chão…

    • DOUGMAX disse:

      Cautela acima de tudo,

      Procure treinar bem os freios uma moto de potencia alta, diferente de auto escola as coisas mudam, principalmente em freadas de emergência a fazer é uma moto que sai muito de traseira em freadas brutas, o freio da frente também é bruto quando acionado com brutalidade.

      Ande com calma nada de competições meio ao transito que vai dar certo, fique com Deus

  115. Roberto disse:

    Tenho uma 2012, farol maravilhoso, ilumina muito bem, motor muito forte em todas as marchas, tem lugar que nem uso a 1ª marcha ja vou de 2ª de boa, super economica, muito bonita, qualidade das peças é nota 1000, tanto que so saiu dessa pra uma xj6 pois eu sou fã das motos da yamaha.Fora que é minha 2ª fazer, tinha uma 2008 que comprei zero km na loja e vendi com 35 mil a unica coisa que troquei na moto foi, oleo da bengala e pastilhas de freio, de resto não precisava fazer nada.

  116. Roberto disse:

    a proposito quem for de SP e quiser fazer o seguro da fazer por mil e trezentos reais com seguro de 80% me da um toque que passo fone da corretora, fiz pela mapfre

  117. Luisão disse:

    Bom dia galera das duas rodas…
    ==================================
    Como eu já havia comentado aqui no blog, tenho um Fazer blue-flex, antes eu andava com uma Ybr 2003 e mesmo assim já usava roupa própria da marca X11, isso incluía luva, jaqueta e calça, todas impermeáveis a chuva e um bom capacete…..
    Agora estou a procura da bota, pois sei que segurança não tem preço e por isso concordo com o amigo Ulisses, roupa boa custa caro e segurança não tem preço, antes já tive uma queda com a Ybr e não sofri nada, pois eu estava equipado e estava a 100km/h… a moto deu uma ralada mas graça ao equipamento nada sofri, só umas ardências do tecido da X11…
    Queria uma dica dos amigos do blog pra ver qual bota eu devo pegar, pois já andei pesquisando nas lojas de moto e fiquei na dúvida dos modelos, pois são vários, e os preço tendem a subir… não achei menos de R$ 350,00 a bota… mas não estou vendo preço e sim melhor qualidade pois hoje no mercado tem varias opções e preços…
    Algum amigo aqui já comprou algo parecido e se comprou qual a indicação do mesmo !!!!

  118. Natan Meirelles disse:

    Cara na boa acho a Yamaha fazer muito bonita confortavel, agora bluflex ta legal.
    Mas acho que ja passo da hora da yamaha começar a colocar sistema ABS, nais suas motos principalmente na fazer, pra mim vale mais a segurança do que conforto.
    A yamaha fazer so não vende mais que a CEBÊ300r por que não tem opicional ABS, e enquato não colocar ABS como opcinal vai sempre tomar uma surra da Bomba em vendas.

    Pensa com migo se a fazer tem mais conforto que a CEBÊ300r é mais economica, tudo bem que a CEBÊ tem mais toque pois ela é 300 mais a CEBÊ300 perde em quase tudo para a fazer so que na hora de comprar quem realmente entende de moto e presa pela segurança vai na CEBÊ300 mesmo achando a fazer melhor.

    O gente nada contra a yamaha não valeu so to dando minha opinião pois eu to loco que a yamaha utilize o sistema ABS em suas motos pois o dia que fizer isso ja era pra Bomba.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Natan, a versão com ABS representa apenas 10% das vendas da CEBÊ300R… Não é o ABS que faz ela ser lider, e sim a cultura do “Bomba é Bomba”.

      Sorte de quem tem Yamaha. hehehe

    • Roberto Júnior disse:

      Se for ver, é bom que a yamaha não seja a número um, isso faz a Fazer ser menos visada para roubo e que o seguro seja mais barato =P

    • Marcos disse:

      Mas que o ABS seria legal seria. Eliminaria as escapadas da traseira nas emergências. Também duvido que aumentasse as vendas. um upgrade do motor para 300cc com pelo menos uns 26cv e uma sexta marcha quem sabe… acorda Yamaha.

      • Thiago disse:

        O uso correto dos freios ajuda no caso da não existência do ABS. Se a pessoa souber lidar com isso durante uma emergência saberá que não pode travar a roda usando o freio traseiro muito forte.

        SObre os cavalos, mesmo com 21cv ela acompanha uma CEBÊ291,6cc de 26, perdendo apenas no quesito arrancada. Então o aproveitamento dos cavalos desse motor é muito bom.

        Mas no geral, renovação, lançamentos etc, concordo contigo, “Acorda Yamaha” mesmo.

  119. Givaldo Cristo disse:

    Enquanto a freios não é isso que interfere na escolha pela moto Bomba porque a CEBÊ 300 mais vendida só tem freios a disco na dianteira enquanto a fazer tem os dois a disco de série e mesmo assim é menos vendida. Concordo com Roberto, prefiro ela menos comercializada estou comprando a minha e conseguir o seguro por 900.00 rs em Feira de santana BA. Fazer é para quem ver alem dos olhos dos outros, não vou comprar um produto porque todo mundo compra.

  120. Natan Meirelles disse:

    Pow beleza talvez eu ezagerei um pouco com o lance de vender mais que a CEBÊ300r mais daniel ribero pensa com migo num seria uma coisa boa se a yamaha colocase ABS como opcional na fazer mesmo que ela ficase mais cara seria mais um ponto na fazer galera acho que so falta isso pra fazer ficar perfeita por que a fazer é a melhor da categoria em conforto economia se ela corre mais ou mesmo que a CEBÊ tanto faz o inportante e ter mais segurança ate mesmo pra quem ta começando a andar de moto e da preferencia por ter uma moto com ABS aposto que iria na fazer inves de CEBÊ. ta na hora da yamaha acorda.

  121. Yuri Calmon disse:

    “A Fazer, desde sempre, é a moto mais econômica da categoria, conseguindo médias de consumo sempre na casa dos 30 km/l.” No entanto uma das maiores revistas especializadas em teste recente com a DAFRA NEXT 250 aferiu um consumo medio de 35 Km/l !!!

    • Gabriel disse:

      Revistas especializadas que nem sempre falam realmente a verdade, quase sempre matérias compradas pelas marcas. Parabens ao Daniel pelo seu blog e reconhecimento das marcas. Sou um proprietário de uma Fazer 11/2012 a gasolina, moto fantástica, economica, manutenção barata (ao contrário que o pessoal fala da yamaha), seguro acessível, só elogios.

  122. Esaú Couto Filho disse:

    Parabéns pelo trabalho, gostaria de fazer um comentário sobre o corta corrente do pedal de apoio. Ele fica amostra eu acho que a Yamaha poderia esconder igual ao da CEBÊ 300 pois tenho uma. Está a venda pois estou ansioso para adquirir uma fazer, pilotei uma e gostei muito quanto ao conforto e o silencio da relação. Obrigado.

  123. francisco disse:

    Olá Daniel, tudo beleza ? “Te conheço” da época do fórum da Tuíster online. A Yamaha ter cedido a moto para você prova, não somente que a marca confia nos produtos que vendem, como também reconheceram a seriedade do blog! Ta de parabéns!

  124. Renan disse:

    Olá Daniel beleza, parabéns pelo blog, e gostaria de dizer que consegui comprar a Yamaha/Fazer soh que a 2012 a gasolina com 6 mil km soh… Moto zerada e revisada, jah testei e aprovei, moto muito boa na cidade e na pista…

  125. tony disse:

    parabêns pela materia, gostei muito pelo que foi dito a respeito da moto e não só pela marca yamaha.

  126. jerusa disse:

    Ola, tudo bem?
    gostei muito da CEBÊ 300,não cheguei a ver uma de perto ainda, quero comprar uma mas nao sei se é uma moto indicada pra minha altura, tenho 1.62, o que vc acha. Obrigada.

  127. Natan Meirelles disse:

    AI quanto eu tenho que ganhar pra manter uma yamaha fazer.

    tipo quanto eu gastaria no ano com a yamaha tirando combustivel

    quanto eu gastaria com peças sei la documentação seguro sera que alguem pode me ajudar?

    • Gabriel Nunes disse:

      Natan, tem um post aqui no blog do Daniel, onde vc simula todos os gastos com a motocicleta.
      Mas vai aqui o meu relato de gastos, para vc ter uma base (Obs: rodo por mês uns 1500km, então vai depender da distancia que tu vai percorrer também):
      Pneu – 15000 km – R$280,00 / relação – 20000 km – R$200,00 / trocas de óleo e filtro – a cada 5000 km – R$60,00 / Revisões na concessionária – a cada 5000 km – R$75,00 / Pastilha de freio traseiro – 20000km – R$30,00 / Seguro Porto Seguro – Anual – R$1200,00 no meu perfil (Solteiro, 21 anos, garagem em casa, interior SP).

      Bom é + ou – isso ai, mas é interessante também levar em conta uma possível queda, ai os custos seriam: Setas R$60,00 o par, manete freio/embreagem R$25,00 cada, espelhos R$90,00 o par, e por ai vai..

      Abraços..

    • Lúcius disse:

      Cara, apesar de ser uma moto ecônomica e de um boa relação custo benefício, ela pode se tornar uma dor de cabeça se a pessoa não respeitar os limites e revisões estabelecidas pela Yamaha. As peças são mais caras se compararmos a uma 125cc da vida, e tudo vai depender de como vc vai usar ela… quanto mais vc rodar mais dinheiro vc vai desembolsar com revisões, pneus, relação, troca de óleo filtro, etc… Use sempre combustível de qualidade, e evite levar a qualquer mecanico de esquina, porque essas injetadas, não é qualquer um que mexe. Já em termos de licenciamento, DPVAT e ipva, vai juntando uns trocados… em média dá uns 600 reais tudo. A minha FZ 2007 eu pago 560 paus. Espero ter ajudado

    • Lúcius disse:

      Já em termos de autonomia, com 10 reais (2,69 p/litro) eu rodo em média 115 km, em uma velocidade de 110 à 120 km/hr (gasolina v-power). É muito econômica.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Quanto tem que ganhar?
      Depende… Se você não tiver família para sustentar, qualquer 1000 reais já dá e sobra.

      Eu fiz a bastante tempo uma calculadora que serve justamente para te dar o custo de propriedade de qualquer moto. Ai vai o link:
      http://www.motosblog.com.br/motocalc

    • Daniel Ribeiro disse:

      Só por curiosidade, fiz uma simulação aqui, considerando o MEU perfil de uso (que pode ser diferente do seu). E o custo mensal dela, já incluindo TUDO, ficou apenas R$ 187,16.

      Custo por cada Km rodado: R$ 0,16
      Custo diário: R$ 6,24
      Custo mensal: R$ 187,16
      Custo anual: R$ 2278,63

  128. logusdmr disse:

    gente como vão?

    comprei minha blue flex devido ao teste do daniel foi o que me fez decidir pela compra..a moto é show e ja postei isso anteriormente;
    mas agora apareceu um problema chato nela a parte trazeira não sei se a carenagem ou a lanterna faz um barulho horrivel e nao consigo tirar um barulho tipo de vibração que acompanha a aceleração do motor prolongando a aceleração feio pra caramba ..se alguem ja conseguiu detequitar e resolver por favor me ajudem ai valeu abraço …

  129. Natan Meirelles disse:

    Valeu galera pelas dicas Gabriel nunes, Lucius, Daniel Ribeiro foi muito util a informação que vcs me passaram obrigado.

  130. Paulo disse:

    É MUITAS FELICIDADES PRA MIM, HOJE CHEGOU HOJE 06/11/2012, A MINHA FAZER BLUE FLEX PRATA, A CONCESSIONARIA QUE COMPREI NÃO É DAQUI, PRA VARIAR RIO CLARO NÃO TEM NADA, ALIÁS DEIXO MEU PROTESTO, ENTREI EM CONTATO EM TRÊS CONCESSIONÁRIAS PIRACICABA, ARARAS E LEME,MAS SÓ TIVE RETORNO DE UMA, “MOTO LEME”, O PREÇO FOI CAMPEÃO R$ 11.690,00 E O ATENDIMENTO NOTA 10 ATÉ ME TROUXERAM A MOTO AQUI, SEM CUSTO, E ME DERAM UM CAPACETE DE BOA QUALIDADE!
    DISSE QUE O PREÇO É CAMPEÃO POIS ENTREI EM CONTATO POR TELEFONE A DUAS OUTRAS CONCESSIONÁRIAS E O PREÇO CHEGOU A MAIS DE MIL REAIS A MAIS!

    • Lúcius disse:

      Paulo, sou de Rio Claro e tbm compartilho com vc a infelicidade de não poder contar com uma concessionária Yamaha na cidade azul. Os únicos lugares que vendem a Blue Flex aqui(se vc não sabia), é na Moto 14 e na Terremoto, R$ 11,799,00 nas duas. Parabéns pela aquisição.

      • Paulo disse:

        É isso aí Lucius, ainda sim eu saí ganhando R$ 109,00 o que me ajudou no licenciamento, e a MOTO LEME esteve por duas vezes aqui, eu nem fui até a agencia; obrigado amigo!

  131. Paulo disse:

    Olá Daniel, gosto muito de seu blog é bem completo e diversificado!
    Você poderia me ajudar, recebi minha Fazer Blue Flex esta semana, mas notei que ela não vem com cavalete de fábrica, e todas minhas motos sempre tiveram, e acho um item indispensável, para manutenções em geral, pergunta:
    O fabricante tem como item opcional, ou se encontra só no mercado paralelo mesmo?
    Você pode me indicar um de confiança e não tão caro?
    Grato, abrs…

  132. Gleyner disse:

    Paulo, comprei uma fazer a 20 dias atrás e ela não vem com cavalete central.
    Eu coloquei um cavalete central da marca Roncar e a própria concessionária instalou. Muito bom, eu acabei de fazer uma viagem de mais de 2800 Km com a Fazer o a cavalete central ajudou muito no final do dia para lubrificar a corrente.

    • Paulo disse:

      Ola Gleyner sua Fazer é Blue Flex? A minha é uma Fazer Blue Flex 2013, e a mesma faz muito barulho no motor, a pedido da YAMAHA levei até a concessionária aqui em Rio Claro, para fazerem uma analize,ficaram com ela por um dia, e a resposta foi que o barulho é característica do motor mesmo, seria devido o pistão ser forjado e não fundido tem mais folga por causa da dilatação excessiva, e outros… blá, blá, blá…tudo bem o mecânico fez um relatório confirmando tudo, e foi carimbado e assinado pela concessionária.
      Eu queria saber se a sua Fazer faz algum barulho.
      O da minha moto parece como se tivesse “batendo válvula e comando”, eu tive uma Bomba ML 125 que estava com todo comando e válvulas detonado, e na época eu fiz tudo novo e ficou muito silenciosa, por isso estou fazendo essa comparação, pois o tal barulho na Fazer na minha opinião é até pior, eu posso até conviver com ele pois me garantiram que não devo me preocupar,estou aguardando a resposta da YAMAHA, mas a minha preocupação seria na hora de vende-la, portanto preciso saber se acontesse realmente com todas!

      • Gleyner disse:

        Paulo, pode ficar tranquilo que a minha faz este barulho que parece que está batendo válvula, mas é o barulho caracteristico do motor.
        A minha está atualmente com 6500 km rodados (em menos de 2 meses de uso hehehhe).
        E a moto não deu nada de problema, nem corrente eu precisei de esticar, e mesmo pegando estrada ela está economica.

        Abraços

  133. Fernando S:D disse:

    Caro Daniel Ribeiro parabens pelo teste! Gostei muito! Vc escreve de forma clara, fala a linguagem que o povo entende.

    Eu tive um Fazer 250 ano/modelo 2008, vendi ela com 15 mil km por motivos q naum vem ao caso, mas com certeza não foram pelo mal desempenho da moto. Muito pelo contrario a moto eh excelente. Fiz várias viagem com ela, com chuva até, e sempre com muita alegria… Amo motos e viajar de moto entaum pra mim eh um prazer a parte.

    Bom mas chega de trololó. vamos ao q interessa. Tenho apenas algumas considrações que na verdade seriam meus sonhos de consumidor e motociclista. Ate estou escrevendo uma carta pra Yamaha sobre isso tudo.

    Mas eu sinceramente acho q faltam alguns cavalinhos a mais na Fazer. Você naum acha? Imagina ela com uns 25 a 26 cv por exemplo?! Digo isso pq conheço a moto. Sempre cuidei mto bem da minha. Mas me parecia que o motorzinho dela trabalhava por demais esforçado, enforcado, cançado!!! Acho q se tivesse mais CV’s a moto seria melhor, pra td! A tal moto perfeita neh, sonho de todos nós brasileiros. Moto pra viajar, trabalhar, dar um rolé com a gata na garupa e td mais…

    Acho q se foce mais potente e com um torque q acompanhasse, o motor que jah dura muito (jha vih uma com 130 mil km… imagina?!)Duraria ainda mais. E porque não tbem um arefecimento liquido?! Nossa, seria show! Mais durabilidade pro motor e conforto pro piloto.

    Do resto a moto eh perfeita.

    Bom acho que eh isso. Era pra ser uma pequeno comentario e acabou virando um texto.

    Te mais e abraço!

    • Daniel Ribeiro disse:

      Fernando, a proposta da moto é esta: Economica, durável e confiável. Para o motor ter “uns cavalinhos a mais”, seria necessário mexer nele… Talvez aumentar a taxa de compressão, ou mexer no comando de válvulas… Talvez até um cabeçote com duplo comando… Tudo muito bacana, mas que provavelmente tiraria alguns pontos da moto em outros aspectos. Mais potencia sem aumentar cilindrada aumentaria o consumo. Aumentar cilindrada também aumenta o consumo, e deixa a moto sujeita aos mesmos problemas que a CEBÊ300 “ganhou” quando aumentou o motor da Tuíster.

      Eu particularmente acho que a Fazer, do jeito que está, é “perfeita” para a proposta dela. Quem quer um pouco mais de potencia e não se importa com consumo um pouco maior, pode ir de CEBÊ300.

      • Fernando S:D disse:

        Concordo com vc com relação ao consumo. Realmente esse merito é da Fazer mesmo. Mas ainda acho que uns cavalinhaos a mais seriam otimos pra nossa Fazer. Apenas 26 cv’s… Já fariam uma diferença e tanto.

        Valeu Daniel Ribeiro, obrigado pela resposta.

        Abraço!

      • Lúcius disse:

        Concordo contigo, e o desempenho delas se equivalem. A CEBÊ300 anda um pouco mais, coisa de 5 km e é notável quando tem garupa, mas prefiro demais a Ys pelo consumo. Anda bem e consome bem menos que a concorrente. Nota 10 para Yamaha

  134. fabio disse:

    fala daniel; blz?
    kra tenho uma duvida q vc pode me ajudar vc e os amigos do blog. Sobre o teste q fez nessa fazer, parabéns belo review, mas eu queria uma dica sua logo, logo quero comprar minha primeira moto e ando pesquisando mto sobre o assunto p/ resumir, eu to quase decidido pela fazer, mas, queria saber d vc como são os freios dela, pq esse lance d travamento d roda da medo só d falar, a CEBÊ tem abs, né kra? q pelo o q eu vi é otimo. Então, o q vc me diz? sobre o uso: será minha 1° moto e ñ vou usá p/ trabalho (pelo menos por enquanto) usarei mais nos fds semana, na minha cidade q é pequena. E aí, posso confias nos discos dela ou gasto mais e vou d CEBÊ com abs?
    valeu, t+

    • Paulo disse:

      OLÁ FABIO COM SUA LICENÇA QUERO DAR MINHA OPINIÃO, ESSA PESQUISA QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO É MUITO BOM E SAUDÁVEL, POIS SE TRATA DE UM INVESTIMENTO, E SEMPRE QUEREMOS APLICA-LO EM ALGO QUE NOS DE RETORNO, E NESTE CASO SERIA O CONFORTO, SEGURANÇA, SATISFAÇÃO, QUALIDADE…E TEMOS QUE PEDIR AJUDA MESMO, E NÃO É, COM O DEVIDO PERDÃO DA PALAVRA, PRA “PUXAR O SACO” DO DANIEL NÃO, MAS VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO. PELA MINHA EXPERIENCIA EM MOTOCICLETAS DESDE MINHA JUVENTUDE E HOJE ESTOU NA CASA DOS 40, FALO QUE PESQUISEI TAMBÉM, ESTOU A UMA SEMANA COM MINHA YAMAHA FAZER 250 BLUE FLEX, E DIGO QUE ESTOU MUITO SATISFEITO EM TODOS OS ASPECTOS EM INVESTIR QUASE R$ 13000,00 JÁ INCLUSO ITENS DE SEGURANÇA COMO “RASTREADOR”, A YAMAHA SEM SOMBRA DE DUVIDAS É SUPERIOR,INCLUSIVE COMO QUESTIONADO SOBRE FREIOS, LÓGICO SE COMPARADO COM MOTOS DO MESMO PATAMAR (SEM ABS) “SÃO ÓTIMOS” E ESSA DE TRAVAR É BALELA.
      DE UMA OLHADA EM ALGUNS VIDEOS NO YOUTUBE REFERENTE A Bomba E DAFRA (QUEBRA DE QUADRO), AÍ É TER UM BOM MOTIVO PARA REJEITAR MARCAS QUE DESRESPEITAM O BRASILEIRO! TEMOS QUE COMPARTILHAR PRODUTOS QUE NOS TRAGAM QUALIDADE E SEGURANÇA PARA TODOS!
      VOU APENAS CITAR MEU CASO, ESTAVA MUITO INTERESSADO EM UMA DAFRA NEXT 250, PORÉM QUANDO VI SOBRE ALGUNS VIDEOS DE VÁRIAS QUEBRAS DE QUADRO DE UM OUTRO MODELO DO MESMO FABRICANTE, ISSO FOI A GOTA D’ÁGUA PARA DESISTIR! IMAGINEI EU E MINHA ESPOSA OU FILHA EM UMA MOTO DESTE TAL FABRICANTE,TRAFEGANDO EM PISTA OU MESMO NA CIDADE,E ACONTECER UMA QUEBRA! DESTAS!!!!!!! MAS NÃO PARA POR AÍ; COM O OUTRO FABRICANTE FOI O MESMO, PELO MENOS COM UMA CEBÊ 300, FORA OUTRAS RECLAMAÇÕES DE CONSUMIDORES POR OUTROS MODELOS, TEM TAMBÉM SOBRE A KASINSKI, É SÓ CONSULTAR OS VIDEOS E TIRAR SUAS CONCLUSÕES, NÃO QUERO AQUI INICIAR UMA BATALHA DE CONSUMIDORES SOBRE MARCAS, MAIS SIM COMPARTILHAR O QUE ACONTECE ENTRE ELAS E ALERTAR, CADA UM TIRE SUAS CONCLUSÕES E FIM!

      • fabio disse:

        valeu paulo.
        eu estou msm quase decido; pelo o q eu vi, no geral, a fazer é mais moto q a CEBÊ, a minha unica cisma é em relação aos freios, o abs da CEBÊ é mto bom, mas, vc como proprietario d uma fazer pode e falou melhor sobre a fazer. Quem sabe, em 2013 a fazer venha com abs! vamos aguardar.
        mais uma vez; obrigado paulo.

    • Roberto Júnior disse:

      E aew Fabio beleza!!!
      Cara, minha primeira moto foi e é uma fazer!
      O freio da moto trava? sim claro qualquer moto ou carro sem ABS tem que travar o freio se for pressionado com força, se não trava ai tem problema.
      Quando comecei a andar de moto foi na Fan da minha noiva, notei que ouvia umas derrapadas de vez em quando, isso só acontecia quando eu estava andando sozinho na moto, percebi que eu tava travando o freio de traz kkkk
      Era muito fácil travar o freio de traz da Fan, agora na minha Fazer, para travar preciso pressionar com muito mais força!
      Provavelmente no modelo novo que conta com freio a disco traseiro não precise de tanta força para ocorrer o travamento.
      O que eu quero dizer é que travar o freio de traz, que é o que ocorre com maior facilidade não é perigoso, desde que a moto esteja andando em linha reta! O problema seria travar o da frente, coisa que nunca ocorreu comigo.
      O único problema que eu posso imaginar de se começar com uma moto que tenha ABS é que você não vai desenvolver a sensibilidade para usar o freio e caso um dia venha a ter uma moto sem, sentira uma grande diferença.
      No início sempre entre devagar em curva, tipo se vc sabe que a 60km/h da pra fazer faz a 40km/h, com o tempo vc vai ter sensibilidade para frear a moto na curva caso entre rápido demais.

    • Lúcius disse:

      Cara vc acaba acostumando com os freios dela, esse lance de travar vai depender de sua `puxada` no manete… o freio a disco em abas as rodas da FZ dá ao motociclista mais segurança na hora H, o ABS é mais seguro, mas para mim que tenho a YS a muito tempo considero desnecessário.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Fabio, os freios são muito bons, são bem progressivos e você só vai travar eles se você quiser.
      É claro que ABS seria bem bacana, mas infelizmente a Yamaha ainda não disponibiliza uma versão com o sistema.

      Se você deve ir de CEBÊ ou Fazer eu não sei… Não tenho como dizer isso, afinal não sei como você pilota e como vai progredir com relação a isso.

  135. Sérgio disse:

    Daniel,

    Parabens pelos comentários do teste da Fazer250-FLEX.

    Estou a procura duma moto para uso na cidade, preferência por Trail, mas nada que abone partir para outro estilo, tipo da FAZER, (já possui uma XLX250R que me deixava bem confortável com os meus 1,79 altura, unsss 75kg “tenho tronco comprido e pernas curtas, masss proporcionais”), “acho” que nas Trail irei cansar menos, penso assim mesmo nunca ter andado por alguns dias em motos do tipo da fazer, Tuíster, CG, etc.

    Após uma semana pesquisando no GOOGLE, stou quase decidido a optar pela YAMAHA, fator CONSUMO+DURABILIDADE PEÇAS+TECNOLOGIA

    Fui a 2 Concessionárias Yamaha em Brasília e NÂO tem text-drive para a Fazer250, portanto, estou sem aval para comentar se o conjunto Piloto+Moto iria dar certo, (me refiro a postura ao pilotar).
    Cheguei a montar nas: Fazer, Lander e Teneré, e a que mais fiquei confortável foi a Teneré, pequena diferença para a Lander, com certeza devido ao cunho no banco.

    Quanto à FAZER/250, voce tem informações se ha possibilidades da troca do guidão e cabos?? para deixar os braços mais flexiveis não tão esticados e com menor curvatura da coluna, ficando mais ereto.
    se isso for possível, com certeza scolheria a FAZER p/ comprar.

    Que tipo de pistas voce andou na cidade e strada?
    Plana – Morros ?

    Agradeço pela atenção.
    Sérgio

    • Daniel Ribeiro disse:

      Sérgio, eu iria de Tenere. Eu particularmente também gosto mais de moto trail do que Street, e a Tenere é praticamente “A Fazer, só que trail”.
      Uma pena não ter saído ainda a Tenere Blueflex.

      Quanto a adaptações de guidão e cabos, eu não sei dizer… Provavelmente você poderá trocar o guidão, mas não poderá ser muito diferente do original.

      Sobre a sua dúvida, eu andei em todo tipo de pista asfaltada: Subidas bem íngremes e também vias planas… A moto é boa em todas.

      Até mais!

  136. fabio disse:

    valeu pessoal, valeu msm!
    roberto, lúcius e daniel.
    bom, já q vcs q são mais experientes q eu falaram, eu vou ouvir. Era isso msm q eu quaria saber se os discos dela ñ travavam com facilidade, se era progressivo a moto ficaria bem controlada em freadas controladas e me parece q sim; o daniel falou sobre “como eu piloto” eu nunca tive moto, será minha primeira então tbm ñ sei dizer, kkk mas, sou bem consciente, ñ vou sair por aí à 120, 130 km como vejo mtos fazendo. Msm sem experiencia com veículos, to sabendo q com eles td cuidade é pouco.
    mais um vez, obrigado pessoal. t+

  137. fabio disse:

    fala daniel, blz?
    aí, os freios do Bomba lead por ex. ñ são abs, né? ou são? pelo o q eu entendi eles são combinados CEBÊS, tambor e disco. É isso msm?

    • Daniel Ribeiro disse:

      Fabio, sim, os freios da Bomba Lead NÃO são ABS.
      Mas eles são combinados, ou seja, ao acionar o freio traseiro, o dianteiro também é acionado. Existe um cabo de aço ligando ambos os manetes e ao acionar um o outro também é acionado (parcialmente).

      O freio dianteiro da Lead é a disco, e o traseiro é a tambor.

  138. Paulo disse:

    Oi Daniel, estou andando com minha Fazer Blue Flex há uma semana, e depois que o motor aquece e estou acelerando ela faz um barulho como um estralo, conversei com o mecânico da agência da Yamaha onde comprei, e ele me disse que é normal esse barulho, em quase todos os modelos da Yamaha, explicou que é característica de “motor durável”, confirmou que todos os modelos com esse motor tem maior durabilidade e tem como característica esse barulho, eu ainda não engoli essa explicação, e como você já testou uma, quero saber se procede pois ela tem garantia de um ano?

    • Daniel Ribeiro disse:

      Paulo, difícil dizer sem ouvir. Tenta obter uma segunda opinião com algum outro mecânico ou em outra concessionária.

      Boa sorte!

    • Marcos disse:

      Paulo, estalo no motor não é normal não… o máximo é um tec, tec, tec, baixinho no scap por causa da dilatação causada pelo calor dos gases do motor. Reclama disso na revisão de 1000 km e eu já procuraria outra concessionária como o Daniel recomendou. É tudo normal enquanto está na garantia, mas depois…

  139. wagno wanderley saccoman disse:

    tenho Fan 150 flex para ir ao trabalho 90km/dia, uso 1/3 gasolina e 2/3 alcool no tanque, alguem ja testou misturar? qual o resultado?

  140. cristian disse:

    Boa tarde pessoal, alguém poderia me falar sobre a manutenção, velocidade, indice de roubo, o que tiverem de informação da neo da yamaha, obrigado!

  141. cristian disse:

    Olá novo pessoal, sou eu de novo, estou querendo comprar uma scooter para minha esposa ir trabalhar, de preferência tem que ser fácil de pilotar, manutenção barata, baixo indice de roubo, fácil obtenção de peças, etc; quais seriam as melhores escolhas na opinião de vocês? Obrigado!

  142. Jean disse:

    Olá galera!
    o Daniel, qual moto tu me endicaria, uma fazer 250 ou uma comet 250 gt… kra nunca pensei q seria um pesadelo escolher entre as duas..

    E CRISTIAN kra… possuo uma lead e a manutenção é quase zero, moto muito boa dentro da cidade, mas como pego muita br e rodovia ela acaba ser perigosa por pilotar (pois possue uma limitação na ecu dela, sendo assim atingir no max uns 90 km/h).
    Te recomendaria este modelo, mas, acredito q nas capitais ela é bastante visada (moro no interior) e se não fosse esses “problemas” que não é realmente “problema da moto” sem duvida seria uma ótima moto pra sua esposa… há e tem um grande espaço em baixo do banco. E se não me engano a Bomba ira trazer uma nova scooter pra cá

  143. Edney Gonçalves disse:

    Putz, li seu teste e cada vez fico mais fã da Fazer, mas aqui em SP é complicado, hoje comentei em sua matéria sobre assaltos e dá medo, pois as 250cc são visadas, proporcionalmente às vendas acho que até mais que as 125/150cc, uma pena.

    Gostei de sua narrativa e é assim que tem que ser, pois as revistas as vezes ficam muito presas ao politicamente correto e não dão no teste o uso real do dia-a-dia…parabéns!

  144. Ronen disse:

    Olá,
    uma dúvida, compensa comprar ela agora no final do ano ou devo esperar para comprar no ano que vem.

    Essa minha dúvida é relacionada a valor de mercado comprando uma 2013/2013 e a uma possível economia comprando uma 2012/2013.

  145. Caio disse:

    Daniel depois de muito ler sobre a fazer 250, estou com uma duvida peço por gentileza que você ou algum leitor me ajude vamos lá.
    Estou à procura da minha primeira moto estava desde sempre inclinado a comprar uma Xis Érre 250 Tornado 2008, porém lendo mais encontrei a fazer 2013 mais recente design arrojado,sei que são motos com propostas totalmente diferentes. Os prós que eu vejo na compra da tornado são a confiabilidade da moto ( não por marca essa ou aquela ), uma manutenção mais barata, a altura que no meu caso ajuda (tenho 1,86m ) e o consumo médio na casa dos 25 ou 30km/l. Agora a fazer tem o fato de ser uma moto mais econômica ainda, injeção eletrônica, freio a disco, completa mesmo.
    O que pesa muito é que no caso da tornado teria que ser uma usada mas com baixa quilometragem, enquanto a fazer seria 0km seria somente para uso urbano.
    Obrigado desde já. Abraço.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Caio, eu optaria por qualquer moto que tivesse injeção eletrônica. Não pegaria uma moto carburada nem se ela custasse metade do preço da injetada equivalente.

  146. Caio disse:

    Ok entendi, agora sobre a fazer a manutenção dela é realmente cara? ou nada? a lander seria uma boa opção.

  147. Andrey disse:

    Excelente artigo e excelente moto.
    Tenho uma modelo 2012 e ressalto que o banco é muito confortável, diferente de algumas concorrentes.
    Também andei em estradas de chão que nem poderiam ser consideradas estradas. A moto aguentou firme. Não ficou batendo e a pilotagem é bastante boa. É claro que ela não é para esse tipo de terreno, mas em uma emergência dá para confiar que ela vai.
    Infelizmente sofri dois acidentes, que graças a Deus, foram leves. Eu posso dizer que quanto à segurança esta moto tem um diferencial. Nas duas vezes eu caí para a direita (lado do escapamento) e a carenagem e o escapamento me protegeram totalmente. A minha roupa de proteção nem sequer rasgou. As peças são de alta qualidade e muito bem desenvolvidas, pois nas duas vezes o meu guidão cedeu para que não houvesse danos ao garfo (o guidão é cerca de três vezes mais barato que cada um dos dois cilindros do garfo). A mesa deu uma desalinhada, mas nada quebrou ou entortou. Em uma das vezes o acelerador ficou preso acionado, foi aí que entrou em cena a facilidade de acesso do botão “Corta-Corrente”, que salvou o dia para mim.
    Em resumo, seria melhor não ter sofrido o acidente, mas já que aconteceu, fico feliz de ter sido com a Fazer. O design me protegeu na queda e as peças que tive de trocar foram relativamente baratas. Já vi um acidente parecido com o meu em uma moto de -uma- concorrente e, graças a Deus, o motociclista estava com roupa própria, porque a moto não ajudou em nada e ainda foi uma facada na hora da restauração porque entortou quase toda.
    Devemos sempre andar com proteção, mas é bom quando podemos confiar que quem projetou a moto também pensou nessas situações.

  148. Josiel disse:

    Boa noite …materia muito boa e esclarecedora..
    Comprei uma fazer 2011/2012 com 6000km rodados essa semana e estou gostando muito dela o único problema é que tenho notado um barulho alto que vem da bomba eletrica dentro do tanque ..é o mesmo barulho da injeção que faz ao girar a chave ….porém quando ligo o motor o barulho continua muito alto e incomoda muito …como se fosse um “zumbido eletrico”.

    Contando com sua experiencia:

    Já viu algo parecido? será que tem algo estragado ou sem regulagem?

    Estou incomodado com isso !!!

    Obs: Meu irmão tem uma do mesmo ano e modelo e a dele não faz o mesmo barulho.

  149. juvencio sampaio disse:

    o amortecedor da fazer 250 ano 2011 é uma pocaria da minha Moto que ainda ñ tem dois anos de uso já deu problema em outras palavras já quebrou…onde será que está o problema tenho 69kg altura 1,71.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Estranho Juvencio, o melhor é levar em uma concessionária e ver o que aconteceu… Se não me engano a vida útil desse amortecedor é de 50 mil km.

  150. Davidson disse:

    Pessoal, ainda nem acabei de pagar a revisão de 15 mil e já estou com 18 mil KM rodados. Vocês acham mesmo que a revisão feita pela concessionária vale a pena, eles realmente cumprem com o que está descrito no manual?

    Abraços!

    • Paulo disse:

      Olá Davidson, fique atento pois depende muito da concessionária, de uma olhada na classificação dela no site da Yamaha, ainda sim procure acompanhar a revisão, se tiver tempo disponível, algumas deixam vc acompanhar o serviço.Amanhã sábado eu vou levar a minha pra “mini” revisão dos 1000 Km, é em uma cidade próxima da minha “Leme”/ SP onde comprei minha Fazer; aqui em “Rio Claro” /SP tem concessionária mais eu não gostei, tive uma má impressão!
      Abraço!

  151. Givaldo Cristo disse:

    Bom Dia Daniel e galera do Moto Blog, gostaria duma opinião de vocês, conseguir o seguro para minha Fazer Blue Flex no valor de 1.306,10 Sul América seguros, é um ótimo valor ou alguém conseguiu por menor valor, qual seguradora, pelo Seguro Fácil da Yamaha seria 1.800,00. Aceito dicas.
    Obrigado

  152. Diego disse:

    A yamaha está demorando para colocar a 6ª marcha na fazer, aí sim teria um belo rendimento a 120 e 130 direto na estrada. ou será que isso está sendo guardado para um projeto futuro? e inclusive. porque será que a Bomba desistiu da 6ª marcha na média cilindrada? eu conseguia fazer 32 km/l na Tuíster, é muito mais do que o declarado pela Bomba, mas enfim, é um projeto para a cidade, não estrada.

    • lúcius disse:

      Amigo, me diga qual milagre vc fazia para conseguir essa economia na TW.

      • Diego disse:

        Regulagem a cada 2 meses no carburador, filtro e caixa de ar sempre muito bem limpos, gasolina sempre aditivada de boa qualidade, andando sozinho, no plano com giro baixo e muito longe de abrir o segundo estágio. mesmo assim eu também achei muito. ah, e na época eu pesava 65 quilos, era magrelaço. Hoje com os meus 85 quilos e andando sempre com garupa faço apenas 34 e uma yes 125 e acho pouquíssimo. Se ela tivesse o cut-off da factor eu faria uns 40 fácil.

        • lúcius disse:

          há legal… andando andando nestas condições talvez consiga isso mesmo com a TWcanabrava. Fico contente por mim, porque com minha FaZer ys eu consigo em média de 28 até 30km/lts, numa média de 120 a 130 km/hr. Gas v-power. ;)

  153. Rodrigo disse:

    Tenho a nova BlueFlex, e passa um pouquinho acima dos 9 mil rpm e corta, como faço para atingir 11 mil? ouvi dizer q ela possui bloqueador

  154. Rodrigo disse:

    Comprei minha BlueFlex em dezembro, hoje ela está com 225km, pois emplaquei só na semana passada, enchi o tanque com Etanol puro, sem mistura, não importa a hora que quero liga-la, 6hrs da manhã ou meia-noite, ela pega na boa sem falhas, só preciso de 2 minutos andando e ela responde perfeitamente, moto muito boa de pilotar, eu tenho ainda uma Tuíster 2007, sem comparações com ela em questão de acabamento e conforto, alem disso as Yamaha tem o liga e desliga de farol, o que ajuda muito a NÃO acabar com a bateria na hora da partida.

  155. Alexander Pedrosa disse:

    Parabéns pelo seu excelente trabalho. Bem melhor que ler a revista Duas Bombas, oops, quero dizer, Duas Rodas. Sua avaliação foi detalhada e imparcial. Rodo 90 km diário para deslocar pro trabalho, em rodovia, e graças ao seu teste já me decidi quanto à Fazer. Mais uma vez, parabéns pelo excelente trabalho, continue assim. Abração.

  156. mane disse:

    Sou novato pensando em comprar uma moto, amigos me falaram que para estrada tem que ser no minimo uma 300 pra nao morrer atropelado ou jogado por uma carreta, 147 km/h é suficiente pra quando precisa ultrapassar ou se livrar de uma situacao complicada ? O que é torcer o cabo de que falaram para correr mais. Novato nao penso em correr mas ja ouvi amigos falando de apertos na estrada por falta de velocidade. Como nao conheco quase nada precisava de uma ajuda pra escolher entre H-onda e Yamaha.

    • PAULO disse:

      Olá Mane, tenho a nova Fazer Blue Flex, de modo geral, é excelente, mas tem um problema com a motorização, para mim é um problema, para outros nem tanto, ela tem um barulho caracteristico no motor, todos os mecânicos oficiais da Yamaha e a própria Yamaha diz que se trata do “pistão que ao invés de ser fundido é forjado, e devido a dilatação do material do pistão forjado ser maior foi necessário aumentar a folga dos materiais, e que causa o tal barulho”, como isso me incomoda e muito eu negativei a Fazer por esse quesito, muitos proprietários não se manifestam contra,aliás até agora não vi ninguém reclamando sobre o assunto, se um grande grupo de pessoas reclamassem eles teriam que dar um jeito de corrigir!
      Como eu disse anteriormente, no restante é uma excelente motocicleta, em todos os aspectos: Economia, dirigibilidade, tecnologia (isso inclui o excelente motor flex), freios, acabamento, suspensões, etc.
      Um outro ponto negativo mas que para mim não é tão relevante, é a sesta marcha que não existe e que o “motor pede”, no restante ok!
      Não vou entrar muito no assunto da “Bomba 300″ porque não conheço muito ela, mas o que posso dizer é que quando vi o vídeo sobre uma quebra de quadro de uma 300, isso me fez descartar a Bomba de vez, pois de forma alguma o consumidor brasileiro merece isso, pois trata-se de segurança do condutor e passageiro, inadmissível!!!!!
      Veja o assunto no Youtube tratado pela REDE RECORD,é só digitar quebra de quadro de moto.
      Abs.

      • lúcius disse:

        Paulo, isso acontece com as novas YS, porque as antigas não tem esse ruído não. Isso poderá ser corrigido nas futuras Ys daqui pra frente. Bom, assim espero.

        • PAULO disse:

          É Lúcius, quem sabe depois de infelizmente ter acionar a Yamaha na Justiça “pelo tal motivo” eu consiga um bom resultado pra mim, e talvez,um ricol pra galera de 2012…até sabe lá quando!

          • Lúcius disse:

            É, quem sabe eles não entram em acordo com vc e fazem o tal recall. Eu iria trocar minha 2007 por uma mais nova, mas fiquei temeroso a respeito dos possíveis defeitos, até conseguirem o acerto final. Os caras kgam depois tentam limpar a M… Mas desejo boa sorte nessa contenda contra a Yamaha.

    • Roberto Júnior disse:

      Olha, até 2010 não tínhamos uma moto 300cc, e a galera se contentava com 250cc =P
      Concordo com seus amigos no seguinte, uma 150cc na pista é perigoso.
      Eu andava de 125cc, e quando tentava ultrapassar um caminhão, por mais que a 125 pega 100km/h, quando vc fica do lado da cabine, vem tanto vento que ela não tem força e vc fica um século ultrapassando, sem falar que o pneu é muito fino e mau da pra deitar a danada.
      Agora tenho uma 250cc (Fazer) e me sinto muito mais seguro, em uma reta da pra pegar 140km/h, até os 120km/h ela puxa bem, depois disso ela vai mais lentamente (lembre que uma monocilíndrica 250/300cc não vão muito além dos 140~150 km/h). Tem muita estabilidade e conforto.
      Vai ser a primeira moto correto?
      Pode começar em uma 250/300cc, pq não tem nada a ver com 125/150cc, é uma tocada totalmente diferente.
      O posicionamento dos pés são mais atras seguindo a linha da cintura, vc fica jogado um pouco a frente (inclinado pra frente), tem o dobro de potência vc sente o torque do motor quando acelera, principalmente nas retomadas, e nas saídas de semáforo ainda mais com garupa.

    • Alexander Pedrosa disse:

      Mane, esse papo de motor pra não morrer atropelado é mito. Eu viajo de CG pra todo lado, e te falo honestamente que caminhoneiros e carreteiros são os que mais respeitam os motociclistas, desde que estes também respeitem o trânsito. Na BR ando entre 80 e 100km/h é só não se descuidar com o retrovisor, respeitar o seu limite e o da motocicleta que você vai pra qualquer lugar. Pesquise na internet, tem gente que saiu daqui e foi pro Alaska de motoneta 110cc e várias pessoas que viajam de CG ou outras motocicletas de baixa cilindrada. Espero ter ajudado.

      • Roberto Junior disse:

        Olha. Aqui no estado de sp a coisa eh diferente, se bobear o cara cola no rabo, eu viajava com minha mulher de fan 125 e era uma tortura, na subida nao passava de 80km/h, sem falar na dor na bunda depois de 200km de viajem, passava do lado dw um caminha ela ja tremia toda.
        Fui pra Serra Negra de fan, quem disse que ela subia aquelaa ladeiras, nem a ybr queria subir kkk
        Da pra viajar pra qualquer canto com qualquer coisa, porem o meio dita o tempo que sera gasto, e o conforto que vc tera.
        Mane,
        Vai de 250 ou 300 oque vc nao vai se arrepender.
        Abraco.

  157. Davidson disse:

    Pra quem ainda tem dúvidas de que está é a melhor escolha…

    Nesta última sexta-feira, fui convidado a participar de uma entrevista que seria realizada na cc onde comprei a motoca, a entrevista seria realizada por engenheiros e analistas de qualidade da Yamaha.
    Fiz questão de ir pois, gostaria muito de dar minha opinião sobre a moto.

    Foi uma entrevista de pelo menos uma hora e meia, foi um questionário completo, desde perguntas como que cor eu gostaria de ter na moto, até que peça ou o que eu gostaria de sugerir que fosse trocado na moto. Também teve perguntas de como estava o comportamento da moto, se vibrava, se os freios estavam atendendo bem, etc.

    Além de um belo questionário, a moto passou por uma revisão e trocaram a bomba de combustível para fazerem analises.

    Enfim, são coisas deste tipo que me fazem gostar cada dia mais desta moto que na minha opiânico é o melhor custo x beneficio da categoria.

    Dados:
    Tenho a moto há 4 meses;
    Já rodei 21mil Km (rodo 150km por dia);
    Na gasolina dá 29Km/L (velocidade média de 110 a 120 Km/h);
    No Etanol dá 22Km/L (velocidade média de 110 a 120 Km/h);

    Só não gostei do Pneu original, rodou apenas 15mil.
    No mais, só tenho a elogiar esse maravilho projeto da Yamaha!

    Abs!

  158. Djalma Gazola disse:

    Parabéns pelo Blog!
    Ótima matéria sobre a fazer, também compartilho de sua opinião sobre a Tenere 250 Flex, se lançar estou na fila!!

    Abraço!

  159. tony disse:

    posso usar peneus mas largo na minha fazer e se posso qual seria o melhor?

    • PAULO disse:

      Olá Tony se estiver com a minha 2012 ainda,pretendo aumentar só o dianteiro, pois acho o pneu traseiro de bom porte, “lembrando que toda vez se troca por um maior vai aumentar o consumo e dependendo diminui um pouco o desempenho e velocidade final, mas se não tiver problema pra tu, porém a estética vai mudar pra melhor!

  160. Davi disse:

    Olá estou pensando em comprar a minha este mês de fevereiro porém seria melhor esperar um pouco mais pra não acontecer como no ano passado de lançarem outra logo no começo do ano. Ou seria melhor comprar já.

  161. Eduardo Castellani disse:

    eae Daniel,
    Tranquilo ?

    Cara eu gostei muito dessa Fazer, eu tava vendo akii e vc parece ser alto, ao pilotar a Fazer vc sentiu algum desconforto ?
    é que tenho 1,90 e queria uma Fazer mais como não tenho carta a CC não deixa eu fazer um testee mesmo sabendo pilotar.

    Flww’ee Parabens pelo blog !

    • Daniel Ribeiro disse:

      Cara, com a sua altura, o melhor é você pegar uma Tenere 250… A Fazer fica meio pequena… hehehehe.

      Eu tenho 1,90 também. Dá para usar, mas a Tenere fica melhor.

  162. Wellington disse:

    Ótima análise! Tenho uma YBR Factor K e sempre tive vontade de ter uma moto um pouco mais potente. Estava louco para comprar uma Téneré mas o custo estava um pouco acima do orçamento rs. Optei pela Fazer Blueflex 2013. Agora que li esta materia estou certo que não vou me arrepender. Estou ancioso para pegar a motinha, faltam só 3 dias!

  163. Ciro Giannella disse:

    - Ótimo teste, Daniel! Tenho pensado em comprar uma Yamaha Fazer, e agora com um motivo a mais, por ela ser flex. Na minha opinião a fábrica deveria melhorar essa moto fazendo o seguinte: câmbio de 6 marchas, bocal do tanque do tipo esportivo (fixo e articulado) e setas de direção translúcidas com lâmpadas âmbar. Isso seria uma boa atualização. Muita gente comenta que a Fazer é ótima: ciclística de primeira, confiável e mecânica muito durável. Ela tem um excelente conjunto, e o tempo comprovou essas qualidades. Um abraço e parabéns pelo blog!

  164. Daniel Lisboa disse:

    Muito bom o teste, muito bom e imparcial mesmo.
    Percebe-se nas palavras escritas que a moto realmente”seduziu” o meu xará Daniel, e que não houve puxação para o lado da Yamaha.
    Parabéns Daniel, depois dessa, só me fez ter mais certeza de que mês que vem pego a minha, porém, não será Blueflex, pois será uma branca ou Azul, e essas duas cores à princípio só viram á Gasolina.

  165. Giovani Marcos disse:

    Olá…
    Cara…fucei muito na net pra encontrar um blog do tipo do seu:imparcial e verdadeiro.
    Achei excelente e completo o teste que você fez na Fazer 250.
    Estou muito interessado em comprar uma(tenho uma Strada 200,a “Pretinha”) que,apesar de nunca ter me deixado na mão,inclusive fui com ela de Cascavel,PR até Florianópolis,SC,sem nenhum problema.Mas está na hora de aposenta-la…Confesso que isso me dá lágrimas nos olhos.Viajei muito com ela.
    Mas a Fazer 250 2013 é apaixonante,um espetáculo!!!Devo dizer que a tecnologia bi-combustível não me atrai muito,por isso vou optar pelo modelo gasolina mesmo.
    Obrigado pelas dicas…valeu pelo teste.
    E em 2013/2014…iremos até Maceió,AL…dessa vez de Fazer 250…
    Grande abraço,irmão…e viva o “chão preto”!!!!

  166. ales sandro disse:

    ACABEI DE OBTER UMA FAZER 25O , E É COMUM QUANDO ATINGE A VELOCIDADE ACIMA DE 110 KM/H ACENDER A LUZ DA INJEÇÃO ELETRONICA ?

  167. Jaison disse:

    Cara, comprei uma Fazer Blueflex 0 KM a minha está com 1190 Km agora, porém em reta plana sem vento a minha não passa dos 128 Km/h sendo que tenho 92 Kg, gostaria de saber como voce fez para chegar aos 140 sendo que voce é mais pesado que eu. Vc teria arregaçado em 4ª marcha antes de passar a quinta?

  168. Julio disse:

    Semana passada comprei uma blueflex, estimulado pelo seu teste (muito bem escrito e minucioso) e pelos diversos comentários positivos.
    Mas desde ontem tenho reparado que por volta dos 6000 rpm ouço um zumbido, parecido com uma cigarra. Li em outros comentários que a fazer costuma fazer barulho no motor e que alguns chegam a fazer barulho de biela batendo. Como não sei como é esse som, fiquei na dúvida. Como eu disse, o barulho parece uma cigarra (parecido com som de ventoinha velha de computador) e não de peça batendo. Não é muito alto, mas é algo que incomoda por ser persistente e agudo. O som parece não vir do motor.
    Você ou alguém conhece algo sobre esse barulho?

    • Daniel Ribeiro disse:

      Será que não é alguma carenagem ligeiramente fora do lugar? Ou talvez a placa da moto frouxa e vibrando junto com o paralama?

      Faça o teste parado e fora da moto! Acelere até a rotação em que ela faz o barulho, e tenta achar a origem dele.

      • Paulo disse:

        Parabéns Daniel pelo seu trabalho, você sempre está ganhando prêmios pelo trabalho de seu Blog, isso também transmite nosso reconhecimento de imparcialidade e amor pelo trabalho desenvolvido seu esforço ajuda muitos a tomarem decisões de adquirir bens e patrimônios.
        Abs. Paulo 02/04/2013

      • Julio disse:

        Você não vai acreditar, mas justamente ontem me furtaram a moto! E olhe que ela só comecei a andar na segunda, quando pude emplacar.
        Como ela tem o rastreador Ituran com seguro, acionei a Ituran na hora que percebi o furto. Vamos ver agora no que vai dar, se eles vão conseguir recuperar a moto ou se vou receber o valor da seguradora.
        Como você também escreveu um artigo sobre a Ituran, você tem informação se num caso desses a seguradora utiliza como base de indenização o valor de uma 0 km ou de usada (ano 2013)? Afinal me surrupiaram a moto uma semana após eu ter retirado da concessionária…

        • Daniel Ribeiro disse:

          Caraca, que chato Julio!
          Eu não tenho essa informação… Mas eu acho que paga o valor de 0km sim. Geralmente os seguros pagam valor de 0 km até 3 meses.

          Mas volta aqui depois pra contar como está se desenrolando o seu sinistro e como tem sido o atendimento da seguradora!

          Até mais!

          • Julio disse:

            Pois é, hoje não se pode mais ter a moto que a gente quer porque vem esses seres do inferno que tomam o que nos custa tanto.

            Volto sim e conto a experiência de como é o atendimento da Ituran e da Cardif após o sinistro. É agora que vamos ver se realmente entregam o que prometem.

            Mas acho que vai ser melhor relatar no seu post sobre a Ituran, não é mesmo?

    • Paulo disse:

      É Julio você, e mais tantos outros “como eu” que compraram a nova “Fazer Blue Flex” compraram uma moto com uma “grande dor de cabeça de brinde” ou melhor “um grande barulho”, ééééé… eu estava esperando muito tempo alguém reclamar nesse blog sobre o tal barulho, mas parece que todos fugiam do assunto, perceba em meus cometários passados que fui como você “igualzinho” ou seja comprei minha Fazer me empolgando com a matéria do Daniel, que aliás é muito boa, eu gosto muito da Yamaha pois sou de uma geração de motociclista que sempre exigiu o melhor e a marca sempre produziu motocicletas com grande estilo desde acabamento, design, motorização…mas como consumidor tenho que buscar meus direitos custe o que custar, ou seja quando for para elogiar…mas quando for pra criticar não vai ser a marca que vai me impedir Yamaha, Bomba, Suzuki, Kawazaki, kasinski, Dafra e tantas outras… que ousem enganar nós brasileiros!
      Eu mencionei a um companheiro participante deste blog que já estou tomando providencias contra a Yamaha sobre este incomodo barulho, irei entar com uma ação contra a Yamaha, no juizado de pequenas causas aqui em minha city, e isso até o final deste mês!
      Mas antes quero ressalvar que antes de tudo consultei mecânicos e duas concessionárias Yamaha onde comprei a Fazer na cidade de Leme e em Rio Claro onde moro, e todos vieram com a “mesma definição” aprovada pelo fabricante, Yamaha motor do Brasil, ou seja é uma característica do modelo eu tenho a pericia feita pelo(s) mecânico (s, que dizem: Que embora desagradável não é nada “preocupante” pois devido a Yamaha ter modificado as características do material usadas no pistão (antes fundido, agora forjado, é que quando fundido o alumínio forma certas bolhas de ar dentro do material, com isso a dilatação do mesmo é menor,; já quando forjado essas bolhas não ocorrem, entretanto a dilatação do material é maior, e para “resolverem” o dilema aumentaram a folga entre o pistão e a camisa, e é isso o que causa o tal barulho, e esse barulho aumenta quando é dado mais torque no motor, como em retomadas de velocidade, isso eu comprovei desde o primeiro dia que pilotei a minha; e tenho os emails do SAC da Yamaha comprovando e assinando embaixo do laudo da Assistência técnica da própria Yamaha (está tudo documentado).
      Olha tirando o tal barulho a motocicleta é excelente em todos os aspectos, sem demagogia compramos uma máquina eu até disse isso pro SAC da Yamaha e amigos do Blog mas devemos lutar afinal para muitos é a economia de uma vida!….
      Espero que o Daniel compreenda que estou só expondo a realidade de um consumidor descontente, sem querer criticar seu trabalho, que torno afirmar tem sido muito bom!
      Abs Paulo

      • Daniel Ribeiro disse:

        Paulo, eu entendi sim, você tem todo o direito de expor sua opinião, não tem problema.

        Eu sei do barulho que está falando… ele é bem característico mesmo. Não chega a ser alto, mas dá para “reconhecer” uma Fazer só de ouvir o motor. Mas a explicação é essa mesmo: Pistão forjado exige folgas maiores, e folgas maiores fazem mais barulho.

        Eu só não entendi exatamente o que você quer.
        Se a Yamaha diz que o barulho é normal. Se os mecânicos dizem que é normal. Se todas as Fazer fazem esse barulho característico, e nem por isso quebram por ai, te pergunto: O que, exatamente, você quer da Yamaha? O seu processo vai exigir exatamente o que? Devolução do dinheiro? Reparo? Reengenharia do projeto?

        • Alexandre disse:

          Tive uma fazer 2008 que fazia o barulho caracteristico da Fazer que todos conhecem sem precisar ver qual

        • Paulo disse:

          Se as duas ultimas alternativas não forem possíveis, eu posso até opinar pela primeira, mas as duas ultimas cabe ao fabricante, antes mesmo de lançar um bem de consumo no mercado seja ele qual for, e não arriscar em cima de nós simples trabalhadores; um piloto de GP não esta unicamente para vencer uma prova, mais sim para observar e melhorar todos os aspectos da motocicleta e passar tudo aos mecânicos engenheiros, e com isso, sempre estar pronto para competir, e toda essa tecnologia chega um dia a nós consumidores,mas nós consumidores não somos obrigados a aceitar falhas e ficarmos quietos, para mim dizer isso é triste, pois sempre apostei na marca, muito pelo fato de 99% das motocicletas que tive serem Y, e como quase todos os brasileiros eu tive que entrar em divida para esta; e ainda digo, as conseqüências de folgas execivas é aumentar na medida do uso, se já é perceptível 0 KM, imagine este barulho aos 15000 Km. Logo que pude fui até uma cidade próxima daqui, uns 40 Km, com a Fazer e levei minha esposa que não conhece nada de moto e muito menos motores, mas já teve a oportunidade de andar muito na garupa comigo em outros modelos da marca, e ao chegarmos em casa ela me perguntou “é normal o barulho que esta motocicleta está fazendo”?! A outra questão é, e se eu aceitasse e tentasse acostumar com o dito “barulho”, porque gosto do restante da motocicleta, será que os engenheiros da Y estariam presentes na hora da venda a outros consumidores, dizendo, “pode comprar esse barulho é normal”! Pra finalizar eu cheguei a perguntar para o mecânico da assistência Y, esse barulho tende aumentar? E ficou um silêncio ele não me respondeu nada!

          Quero ressalvar que tenho uma Yamaha Fazer 250 Blue Flex, e quando fui comprar confiei na marca e na assistência técnica que comprei, não sabia deste barulho, mais nem, por esse motivo deixo de apreciar e gostar da marca, só quero meus direitos de consumidor, assalariado que sofre como todos os outros brasileiros para adquirir um bem que deve sair do forno no capricho pois eu faço isso a 33 anos como técnico na indústria, aprendi com o pai supremo, “O que você não deseja pra você, não queira para seu próximo, faça tudo com amor!
          E aqui encerro meus comentários sobre a Y, para não prejudicar meu próximo e nem a Y, me perdoem se falei demais e prejudiquei, ou magoei alguém!
          Abs Fui…

          • Daniel Ribeiro disse:

            Então Paulo, eu não fiquei magoado não, e acho que ninguém ficou. Fique tranquilo. Eu só queria entender exatamente o que é que você vai pleitear judicialmente. Dizer “quero meus direitos” é muito genérico… Difícil saber exatamente o que você quer que a Yamaha faça por você após ser acionada na justiça. Acho que o máximo que podem fazer é devolver seu dinheiro mesmo… Mas não antes fazer você provar que a sua moto tem algum problema de fabricação.

            Eu particularmente não acho o barulho da Fazer algo fora do normal… É mais barulhenta? É sim, mas não tanto. E como isso acontece com TODAS, não chega a ser um problema, já que na hora de vender ela usada, o potencial cliente vai saber que esse barulho é normal… e provavelmente ele não vai deixar de pegar a sua Fazer Blueflex para pegar uma CEBÊ300R possante (que faz póssa de óleo) ou uma Dafra ou Kasinski 250 usada.

            Quanto a durabilidade, já vi Fazer 2005 (ano de lançamento) com mais de 100 mil km, rodando sem problemas. As folgas são maiores, mas todo o conjunto foi dimensionado para elas… Pistão forjado, camisa com cerâmica, biela reforçada… Tudo dentro do projeto.

            Se você está insatisfeito com a moto, acho que tem que expor mesmo sua insatisfação e procurar uma forma de se livrar do problema.
            Valeu!

      • Ulysses disse:

        O barulho é como se tivesse varias lasquinhas de ferro no motor? Tipo um chocalho?
        A minha é 2008 e tb faz esse barulho, confesso que morro de medo de ser problemas no motor. Mas todas as Fazer´s fazem esse barulho, ou seja, o barulho do motor dela é feio, só isso.
        É igual as Bombas, fazem barulho de relação, nem por isso andam quebrando por aí.
        É só barulho, coloca um escape esportivo, que vc nem vai escutar hahahah!

        *brincadeira, escuta mesmo com escape esportivo.

        • Enoque disse:

          Pessoal, vi os comentários sobre o barulho da Fazer e fiquei curioso. Não conheço bem a moto, mas já tive a XT225 da Yamaha, e pelos relatos que vi aqui se parecem com um mesmo barulho que minha XT apresentava quando estava nova, em 2001 ou 2002.
          Quando a moto estava em sexta marcha, entre 100 e 110, fazia um barulho parecendo que havia algum peça solta dentro do motor. Se estivesse com garupa o barulho era mais perceptível. Depois de 110Km/h o barulho simplesmente desaparecia.
          Isso normalmente ocorria quando a moto estava se esforçando, nas primeiras aceleradas ou em ladeiras mais longas, mas com o tempo sumia.
          Ao que parece é característica do motor, pois nunca se revelou como um problema, até porque pilotei a moto por mais de 50.000 Km, sem qualquer defeito.

  169. Alexander Pedrosa disse:

    Já li em algum site, não me lembro qual, que esse barulho de grilo, parecendo bater biela, pode ser causado pelo uso de gasolina podium (de alta octanagem). Então senhores, qual tipo de gasolina estão usando?

  170. Macelo disse:

    Bacana demais a Yamaha enviar essa Fazer para o Daniel, esse teste ajudou em minha decisão de comprar uma Blueflex(gostaria muito que a Yamaha soubesse disso). Sou de Mogi das Cruzes e a meses estava pesquisando qual moto comprar. A política de qualidade e transparência do Motos Blog também é um fator que levei em conta. Fiquei sabendo da PATÉTICA decisão da “Bomba” em proibir qualquer assunto da marca no blog, achei tudo muito ridículo por parte dessa fábrica.

    Azar da “bomba”, mais um ponto para a Yamaha que aceita críticas bem fundamentadas, isso também ajuda a melhorar a qualidade dos produtos. Essa semana vou em uma concessionária Yamaha em minha cidade buscar uma Fazer(de preferência cor azul). Faço questão de avisar o pessoal da loja que o teste no Motos Blog me ajudou na escolha.

    Já tive oficina de motos, mas isso foi a mais de 12 anos atrás! Também estou sem moto desde 2001(já fui dono de seis Yamaha). Vai ser muito bom buscar uma zero na loja. Estou bem desatualizado sobre motos, mas vendo esse teste com o Daniel, tirei boas duvidas! Gostei muito da parte:

    “A Fazer 250 Blueflex é uma moto muito bem acertada para a proposta dela, que é ser uma moto urbana confortável e confiável para uso diário”

    Vou andar praticamente só na cidade, e a Fazer vai cair como uma luva na parte custo-benefício. Pra quem esta a mais de 12 anos sem moto, a Fazer vai ser só alegria.

    Com a moto já comprada, em breve voltarei a dar notícias! Ao Daniel Ribeiro fica os parabéns pela imparcialidade sempre sendo transparente no Blog.

    Um abraço a todos, e até breve!!!

  171. Paulo Nogueira disse:

    Daniel, parabéns pela matéria. Realmente me influenciou muito na troca da minha moto. Tinha uma ER6-n, onde fiquei com a mesma por quase 2 anos. Fui obrigado a trocar de moto pelo alto custo ”abusivo”das peças de reposição. A Kawasaki é uma excelente moto, porém depois de vários kms rodados tem que se ter ”bala na agulha” pra manter a bichinha. Com 18.000 kms tinha que fazer a troca do filtro de ar, e quando fui ao preço isso realmente me assustou. Faço sempre consultas na net e o melhor preço que achei era de impressionantes R$ 450,00. Como um simples filtro de ar para uma moto pode custar tanto ? Fiz uma nova pesquisa, de curiosidade, para o kit relação. Na concessionária Kawasaki não sairia por menos de R$ 1.200,00, vasculhei a web e achei o menor preço de R$ 850,00. Mesmo assim achei caro e resolvi que estava na hora de trocar de moto. Com minha esposa grávida e a ansiedade do 1º filho, sinceramente prefiro gastar R$ 1.000,00 em berço / carrinho de bebê / etc do que colocar todo esse dinheiro numa moto. Aí a dúvida cruel, que moto pegar ? Pesou e muito sua matéria e resolvi arriscar a Fazer. A única moto que tive da Yamaha foi a DT-180, mas isso há bastante tempo atrás, mais ou menos uns 15 anos, rs. Outras motos que tive foram 2 Xis ÉrreE-300 e a Er6-n. Confesso pra você e todos os leitores do blog que estou surpreso com a Fazer. Acabei comprando a Edição Limitada, na cor Azul, que homenageia a R1. Realmente a pintura da moto ficou linda e pesou muito na hora de escolher, mesmo tendo que pagar um pouquinho à mais. Hoje a moto está com 1.400 kms. Já fiz a 1a.revisão com 1.000 e as minhas primeiras impressões são as melhores possíveis. Realmente a moto chega fácil, no plano aos 140km/h mesmo com um bauleto dos grandes (que cabem 2 capacetes) e é extremamente econômica. Estranhei um pouco o barulho do motor, mas nada demais, já me acostumei com ele e não influencia em nada. A moto é extremamente fácil de pilotar e como pego estradas com muita frequência, posso dizer que na estrada é uma excelente moto, confesso que anda bem mais que uma Xis ÉrreE-300, apesar de serem tipos diferentes de motos, mas realmente a Fazer está me surpreendendo. Virei fã.
    Daniel, um grande abraço e continue postando grandes matérias e testes, eles são necessários para nós que usamos moto todos os dias.
    Valeu !

  172. Manassés disse:

    O “problema” da minha BlueFlex é o câmbio. Quando vou reduzir para 2ª ou 1ª marcha, o câmbio trava, aí tenho que colocar uma marcha pra cima pra eu conseguir reduzir.
    E quando tá no neutro, pra pegar a 1ª é difícil.
    O que pode ser?

  173. Mayckon disse:

    ola . estou fazendo 18 e pensando seriamente em comprar a fazer. O problema é o seguinte. tenho apenas 1,58 de altura e 49 kilos, sera se consigo pilotar ela numa boa ?

  174. Mazuca disse:

    Concordo com o que foi dito no teste… Estou na minha 4ª YS250 Fazer e acho o conjunto muito confiavel alem de ser bonito, nao trocaria por nenhuma outra neste segmento, porem achei estranho voce falar sobre o sensor de cavalete, que na minha opiniao, nao interefere em muita coisa em termos de estetica e acabamento e nao falar na tampa de combustivel ridicula, que parece um queimador de fogao antigo. Poderia sim ser igual a Tenere.
    Fica somente esta observacao, do resto… achei a reportagem completa…

    Um abraco

  175. Enoque disse:

    Daniel, tomei coragem e comprei a Fazer Blueflex.

    Estava com uma cota contemplada do Consórcio Nacional Bomba, mas como eles querem empurrar um preço muito acima do sugerido pelo fabricante e ainda cobrar o frete por fora, preferi usar o crédito na concorrência.

    Apenas para se fazer um comparativo, com o preço da carta de crédito (R$ 13.000,00), peguei a Fazer Blueflex já emplacada. Se optasse pela concorrente, eu usaria os R$ 13.000,00, para comprar a moto, teria que pagar o frete por fora, mais R$ 700,00, e ainda bancar o licenciamento, que sairia por quase R$ 800,00.

    Resumo, para pegar a Bomba eu gastaria ao todo R$ 14.500,00. O seguro está cotado em mais ou menos em R$ 1.500,00. Custo total de R$ 16.000,00. E isso sem ABS.

    A Fazer, emplacada, custou R$ 13.000,00, e o seguro um pouco mais caro, mais ou menos R$ 1.600,00. Total gasto, mais ou menos R$ 14.600,00.

    Isso mesmo, R$ 1.400,00, de economia.

    Daqui há alguns dias, quando o consórcio transferir o valor para a concessionária, a moto deverá estar disponível e então poderei avaliar a máquina, para passar minhas impressões aqui no blog.

    Um grande abraço.

  176. Carlos Jr disse:

    Muito legal sua opinião sobre a Fazer, da qual sou fã, parabéns! sua opinião já era a minha desde 2008. Só troco-a por uma XJ6, da qual peço pra vc testar.Grande abraço!

  177. Paulo Nogueira disse:

    Olá Daniel e galera do motosblog, estou voltando aqui para passar minhas impressões com a Fazer YS250 2013, que chegou aos 6.000 kms. A minha não é flex, somente gasolina, mas é aquela edição limitada na cor azul e branca. Sinceramente não me interessei muito pela flex, não vi valtagem alguma em utilizar alcóol numa moto, quem sabe futuramente. Bom, vamos ao que interessa, moro em Santos e trabalho em SP e costumo vir de moto geralmente 1 ou 2 vezes por semana, no resto da semana vou de fretado mesmo. Com pouco mais de 6 meses, a minha Fazer já passou na revisão dos 5.000 km. Pra quem tinha uma ER-6n e sofria com os altos preços de manutenção, a Fazer é praticamente o gasto com uma bicicleta, comparação absurda..SIM, mas é realidade. Só para se ter uma idéia, a primeira coisa que resolvi colocar na
    Fazer foi o cavalete central, que pasmem custou R$ 15,00 instalado (na loja Marquinho Motos, em Santos) e esse cavalete faz toda a diferença na manutenção, principalmente na lubrificação da corrente, onde uso semanalmente um tipo de óleo em bisnaga, denso e viscoso, que realmente faz toda a diferença.
    Na estrada a Fazer chega numa reta aos 145km/h, mas não costumo forçar a aceleração acima dos 9.000 giros, prefiro pilotar fazendo uma média de 130km/h. Quanto ao consumo, com um tanque cheio dá pra ir, voltar 2 vezes (Santos/SP). Pra mim está de bom tamanho, não sou um cara que preza muito pelo consumo, pra quem tinha uma ER-6n que fazia apenas 170kms de autonomia com um tanque está bom de mais. Claro que não se pode comparar potência entre as 2. Mas se comparar o gasto com a manutenção, aí realmente é uma lavada da Fazer. Ainda na minha coloquei o suporte para o bauleto Givi de 45 litros, aquele que cabem 2 capacetes e aí que vi outra diferença, claro que semprei achei feio um bauleto na Er6-n, mas o preço do suporte era R$ 850,00, nunca tive coragem de colocar, já para a Fazer custou R$ 150,00. Bom, a verdade é que estou contente sim com a Fazer e o custo benefício atende à minhas espectativas. Se o Seguro Obrigatório e seguro contra roubo não fossem tão caros nesse país, poderia ter 2 motos, aí sim a Fazer e uma XJ…..Mas quem sabe um dia. Um grande abraço à todos. Próximo passo é colocar um farol de luz branca na Fazer, só pra diferenciar mesmo. Valeu !

  178. Moisés Inocêncio disse:

    Olá Daniel,
    Parabéns pelo Blog, pois em minha opinião é um excelente espaço para decisões diversa no mundo do motociclismo, e extremamente sensato.
    Meu caro, estou sem moto há seis anos, e como agora pretendo adquirir uma, tendendo para o custo x benefício, estou em dúvida entre dois modelos que provavelmente irei comprar: CEBÊ 300 R Flex, ou Fazer 250 BlueFlex. Porém, deixo claro que a moto escolhida deve atender em uso urbano, e em algumas (mesmo que poucas) viagens de média distância (máx. 300Km). Aí eu pergunto: qual melhor moto a comprar nesta categoria? Tenho que lembrar que o uso será sempre com minha esposa, isto é, tenho “medo” de comprar uma moto de 250/300cc e não me atender no que diz respeito a conforto, “força” de motor para viagens com garupa, etc.?
    Tenho ciência que são modelos “limitados” para viagens, mas tenho que levar em consideração seus valores de compra, e também que estou há seis anos sem moto, não querendo retornar ao “mundo” de duas rodas já com uma moto de maior cilindrada.
    Desde já agradeço pelo atenção, e certeza de ajuda.

  179. Enoque disse:

    Olá pessoal, retirei minha Fazer no último sábado, dia 24, e só percorri pouco mais de 200 Km até agora.

    Como sai da concessionária com uma mistura de álcool e gasolina de meio litro, optei por fazer um primeiro abastecimento numa proporção de 3,46 litros de gasolina e 7,72 litros de etanol. A moto percorreu exatos 200 Km e entrou na reserva hoje pela manhã, ou seja, foram usados 7,18 litros de uma mistura gasolina e etanol.

    Fiquei surpreso com a autonomia, pois foram exatos 27,85 Km/l, considerando-se uma proporção de mais ou menos 30% de gasolina e 70% de álcool.

    Reabasteci a moto hoje apenas com etanol, ou seja, agora a proporção de álcool é maior e vou fazer nova medição para verificar se há uma redução na distância percorrida.

    Deve ser considerando, porém, que a moto está amaciando, e a velocidade máxima atingida até agora foi de 90 Km/h.

    Em breve repetirei o teste de consumo apenas com gasolina também.

    Outro detalhe que chamou a atenção na moto, logo nas primeiras curvas, foi a facilidade de apontar a moto em qualquer direção e realizar a manobra sem qualquer dificuldade. Realmente é muito fácil conduzi-la e fazer curvas. A moto também transmite uma maior confiabilidade entre os carros, nos corredores, por ser esguia, um pouco mais alta e leve.

    Ainda são poucos quilômetros rodados, mas sinto que fiz uma boa escolha. Continuarei avaliando e postando, sempre que possível, minhas impressões aqui no blog.

    Um grande abraço a todos.

  180. MARCOS disse:

    cara, parabéns, gostei da avaliação que vc fez; mas só tem isso de contras nela?? gostaria de pegar uma dessa para min mas alguns amigos me dizem que as peças de reposição dela tem valor alto, e reparo tipo amações, pintura e carenagens!!

  181. André disse:

    Olá, gostaria de saber se a Fazer 250, pode ser uma boa opção para um iniciante?

  182. Enoque disse:

    Após a primeira revisão, a melhor medida de consumo no etanol foi de 26,3 Km/l, e a pior 24,4 Km/h. As medições foram feitas em trajeto comum, com trecho diário em rodovia, trechos urbanos engarrafados e muitas subidas, que são comuns aqui na cidade.

    Agora estou substituindo o etanol para medir o consumo da gasolina. Como algumas pessoas relataram aqui, o som do motor realmente é diferente com os dois combustíveis. No álcool o ronco é mais grave e a moto tem uma melhor arrancada, mas tem menor desempenho em velocidade alta.

    Na gasolina o ronco é mais agudo e aparece aquele som característico da Fazer, que mais parece um grilo. Embora a moto pareça mais fraca nas arrancadas, a rotação sobe fácil nos giros mais altos.

    Creio que o torque com o etanol seja pelo menos uns 20% maior que a gasolina. Isso é sentido principalmente nas saídas de sinaleira e ultrapassagens. Com a gasolina a moto é nitidamente mais lenta no início da aceleração, melhorando muito a partir dos 5.000 rpm.

    Em breve, quando medir o consumo da gasolina, volto a postar.

    Um grande abraço a todos.

    • Rodrigo disse:

      E aí Enoque, tudo bem?

      Parabéns pela motoca cara, realmente é a melhor escolha quando se avalia o “conjunto da obra”. Também notei que a moto tem uma diferença de desempenho quando abastecida com etanol, mesmo demonstrando mais força em baixa rotação no etanol, em altas ela anda melhor na gasolina e a partida também é alguns décimos de segundo mais rápida, no frio ela demora mais se estiver só no etanol, de qualquer forma se o preço for bom, compensa no etanol, e o barulho realmente é mais gostoso no etanol.
      Abraço.

      • Enoque disse:

        Caro Rodrigo, tudo tranquilo?
        Realmente estou satisfeito com a Fazer, por ser extremamente fácil de pilotar e por ser econômica. Onde moro não compensa andar com etanol, pois a gasolina está barata, com a diferença em menos de 20%. Mas nos vários testes que fiz, obtive uma média próxima aos 25 Km/l.
        Na gasolina, não cheguei na reserva ainda, mas a parcial já está em 28,1 Km/l.
        Recomendo a moto, não apenas para quem deseja subir de categoria, mas também para iniciantes que desejam uma moto bem projetada para uso na cidade. A desenvoltura na rodovia também é bastante satisfatória, mas sem exageros. Andando na velocidade regulamentar, sempre há uma boa margem do motor para ultrapassagens.
        É isso, sempre que tenha uma novidade, postarei aqui.
        Um grande abraço

  183. Enoque disse:

    Informação importante aos colegas do Blog. Fiz nova proposta de seguro para a Fazer 250, utilizando bônus acumulados nos últimos anos, e o prêmio ficou em R$ 630,00.

    Portanto, pesquisem bem na hora de fazer um seguro, pois o preço pode variar bastante.

    Um grande abraço a todos.

  184. Enoque disse:

    Medi o consumo usando a gasolina. Com o tanque cheio até o limite, a moto percorreu 467,5 Km, até entrar na reserva. Considerando que o tanque tinha 14,7 litros, além da reserva, a média de consumo ficou em 31,8 Km/l.

    Após, reabasteci novamente, enchendo o tanque, e a moto pegou mais ou menos 14,5 litros. Assim, a medição foi a mais correta possível.

    A medição foi feita no trajeto que faço diariamente, parte em rodovia, parte em bairros, estes últimos com muitos aclives, congestionamentos e os malditos quebra-molas.

  185. Daniel MM disse:

    Fala ae Daniel. Muito bom esse blog, com excelentes matérias. Adoro ler os testes, sendo que são sempre feitos de forma imparcial.
    Cara, tenho uma dúvida que está me remoendo, e gostaria de sua opinião. A minha dúvida é em relação à aquisição da minha próxima moto. Estou em dúvida entre a Fazer e a Teneré. Acho as duas incríveis, mas tenho uma queda pela Teneré. Entretanto, estou com um pouco de receio em relação aos pneus possuírem câmaras. Qual a sua opinião em relação à segurança. Esses pneus representam um grande risco? Eu trafego diariamente em Rodovia de grande trânsito de veículos (Raposo Tavares).
    Eu possuo uma Factor ED, e furei o pneu desta, sendo que rodei 1 mês com esse pneu furado para depois arrumá-lo. Conforme relatos que li, no caso de pneus com câmara, o esvaziamento é imediato (em poucos segundos). É isso mesmo? E se eu utilizasse aquela vacina de pneus? Será que funciona? Dizem que afeta a calibração do pneu, mas eu costumo rodar sempre na velocidade da via.
    Parabéns pelo blog, e espero poder continuar a acompanha-lo por muito tempo. Abraços.

    • Daniel Ribeiro disse:

      Pneu SEM câmara é sempre melhor… Mas no caso da Tenere, ela tem que ter rodas raiadas pois é uma moto para off-road… São poucas (e caras) as motos para off-road que possuem rodas de liga leve… E são mais caras ainda as rodas raiadas para pneus sem câmara.

      O pneu com câmara não é “perigoso”… Ele só é mais trabalhoso. Quando ele fura, não tem jeito, você fica na rua até poder consertar. Ao trocar os pneus, sempre deve trocar a câmara de ar junto… No mais, não tem muitos problemas.

      Eu tive uma Falcon, rodei 60 mil km com ela e tive o pneu furado apenas duas vezes… É chato, mas é bem raro.

      Até mais!

  186. Renilton disse:

    ola a todos, tenho uma fazer 250/2010, sei que pelo manual informa que a reserva dela seria de 4,50, mais a minha sempre entra com quase 10, isso acontece na nova, e é um problema na minha ou isso é normal.

    • Enoque disse:

      Renilton, sempre que encho o tanque, quando entra na reserva, a moto pega mais de 14 litros. Sua moto deve estar com algum problema nessa medição sim.

      É bom dar uma conferida junto à concessionária. Pode ser um defeito.

    • José Prette Júnior disse:

      Cara, segundo o manual são 19 litros no total (salvo engano) a minha quando entra na reserva e vou abastecer só cabem no máximo 11 litros ou seja, teoricamente eu teria 8 litros pra rodar. Acho o marcador digital de combustível da Fazer muito pirado.

  187. Enoque disse:

    Na última sexta-feira ocorreu algo inusitado. Quando estava saindo do trabalho a moto não ligava. Fazia um ruído estranho próximo à bateria e o motor de arranque não funcionava. Precisei acionar o seguro para me socorrer.

    O problema, na verdade, era acúmulo de resíduos no parafuso de aterramento, que fica na carcaça do motor, logo atrás do cilindro. Feita a limpeza e reconectado, a moto voltou a dar partida normalmente.

    Fica a dica para os colegas.



  188. Comente este texto!

    ATENÇÃO: Todos os comentários são revisados antes de entrar no ar. Antes de escrever, pense: "Se eu fosse o dono deste blog, eu aprovaria este comentário?". Propagandas serão apagadas. Caso queira anunciar no Motos Blog, clique aqui. Veja a nossa política de comentários. Pedidos de manuais não serão atendidos.

    Você pode usar estas tags:
    <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

    Este blog suporta Gravatars. Para ter a sua foto nos comentários, cadastre-se no Gravatar.