Como contratar um seguro de moto

Contratar um seguro nem sempre é uma tarefa fácil. Os corretores são os profissionais que podem te auxiliar a escolher o seguro mais indicado para você, mas nem sempre isso é possível.

Nós vivemos em uma época em que o seguro de Motos se tornou algo indispensável. A criminalidade só aumenta, e com ela os casos de roubos e furtos de motos, isso quando não há violência envolvida com o crime, o que torna tudo muito pior. E o seguro vem, antes de mais nada, garantir a tranquilidade das pessoas que querem preservar seu patrimônio. Nada substitui a paz de espirito.

Mas contratar um seguro pode ser o início de uma dor de cabeça. Os preços dos seguros de Moto, em geral, são muito altos. É preciso procurar bastante, cotar em muitas corretoras diferentes, pois algumas delas possuem condições especiais com as seguradoras, e conseguem oferecer seguros a preços melhores.

O problema é que essas corretoras geralmente são concorridas, e o corretor de seguros nem sempre tem muito tempo para dedicar para te atender, afinal, há muita gente querendo cotar seguro com ele. Na maioria destes casos, toda a negociação é feita por e-mail ou telefone. O corretor manda uma cotação padronizada, e cabe ao interessado apenas decidir se fecha ou não o seguro.

Pouca gente sabe, mas as seguradoras oferecem inúmeras formas de contratar o seguro. É possível escolher dentre várias coberturas diferentes, coberturas acessórias, serviços de assistência 24 horas, coberturas para vida, acidentes pessoais, e até serviços para sua casa ou seus animais de estimação. Os corretores dificilmente oferecem essas coberturas, e o interessado pode acabar perdendo uma boa oportunidade de estender a cobertura para ter um seguro que corresponda mais a suas necessidades.

Agravo no valor de mercado

A cobertura de casco do seguro – roubo, furto, colisão e incêncio – geralmente tem seu capital segurado indexado pelo valor de mercado. Então, no momento do sinistro, a seguradora vai consultar alguma tabela (geralmente FIPE) para poder pagar a indenização. Pouca gente sabe, mas é possível incluir um agravo de até 10% neste valor, a fim de se obter uma indenização até 10% maior do que o valor de mercado. Este dinheiro extra pode ser usado para pagar por eventuais acessórios ou customizações feitas na moto, ou até mesmo para comprar um modelo mais novo ou melhor. Também pode ser usado para quitar um financiamento recente, onde o valor de quitação pode ser superior ao valor original da moto.

Coberturas adicionais

Por exemplo: Quem viaja muito com a moto, para locais distantes de casa, pode contratar uma cobertura adicional de guincho para aumentar a distância que o guincho pode rebocar a moto. A assistência padrão geralmente dá de 100 a 250 km de guincho, e se sua moto quebrar a uma distância maior da sua casa, você vai ter que pagar um valor extra para o guincho rebocar sua moto. Aumentar a cobertura em, por exemplo, 400 km, não costuma aumentar mais do que 30 ou 40 reais no preço final do seguro, e é um grande conforto saber que podemos viajar para mais longe sem medo de ficar no meio da estrada.

Eu e a Luana com a moto quebrada a 600 km de casa

Outro exemplo é a cobertura de Danos Corporais. Ela funciona exatamente igual ao DPVAT, ou seja, só vale para indenizar as vítimas de acidentes. Por padrão, os corretores colocam um valor de cobertura bem baixo, por volta de R$ 30 mil. Aumentar esta cobertura para R$ 100 mil aumentará, no máximo, uns 50 reais no valor do seguro.

A cobertura de Danos Materiais a terceiros também pode ser aumentada sem um grande impacto no valor do seguro. Se você resolver bater sua moto numa BMW X5, ou em alguma outra moto acima de 600cc, dificilmente conseguirá pagar o prejuízo tendo apenas R$ 30 mil de cobertura.

Existem outras coberturas que podem ser contratadas, como seguros de vida, despesas complementares, assistência para residência… Cada seguradora oferece opções diferentes, então a melhor forma de conhecer todas é perguntando ao corretor.

O que deixa o seguro das motos caro é a cobertura básica: Roubo, Furto e Incêndio. Reduzir o valor das outras coberturas pouco irá influenciar no prêmio total do seguro. Então não faz muito sentido reduzir essas coberturas, que podem ser muito úteis, para ter alguns trocados de desconto.

Endosso

O Endosso é o ato de mudar um seguro que já está vigente. Se você já tem o seguro, e quer mudar alguma coisa nele, terá que ligar para o corretor e solicitar um endosso.

O melhor é fazer o melhor seguro possível já na primeira contratação. Quando você mantem o seguro “sem mexer” por toda a sua vigência, na hora de renovar geralmente é dado um desconto e não há reanálise de perfil nem é necessária a vistoria prévia. Todos estes processos geram custos para a seguradora, então se você não mexe no seguro, você evita que a seguradora gaste, e por isso ela transfere este desconto para o valor do prêmio na hora de renovar.

Além disso, o endosso pode ter um custo! A seguradora entende que alterar um seguro é um serviço que ela presta, e portanto, deve ser remunerada por isso. Fazer uma alteração de coberturas pode custar entre 50 e 100 reais só em honorários, então alterar um seguro pode ser inviável dependendo do caso. Além disso, na hora de recalcular o seguro, as tabelas atuariais podem ser bem diferentes das que eram na época em que você contratou, e as coberturas que você já tinha antes podem ter grande variação de valores. Por isso é importante cotar antes de confirmar a alteração.

Espero ter ajudado, e se tiver alguma dúvida, é só deixar um comentário!

Compartilhe!