Serra Negra

Esta viagem foi conturbada. estávamos planejando esta viagem a uns 15 dias, eu inclusive estava ajudando a organizar com o pessoal do Twister Online. No dia 4 de Novembro, a meia noite, começaria o Horário de verão, então, eu acertei o relógio e fomos dormir. No dia seguinte, acordei antes do relógio tocar, pensei “Poxa, que bom! Dá pra dormir ainda um tempão”, e voltei a dormir… E depois de um tempo, comecei a ouvir a movimentação das pessoas em casa, que não condizia com o horário… Resolvi levantar e questionar sobre a hora, e então percebi que eu havia adiantado o relógio em 1 hora, quando na verdade deveria ter atrasado. Eram 9h30 e eu havia combinado as 9h00 com o pessoal no ponto de encontro. Ao voltar para o quarto, a Luana já estava pronta! Incrível!

Vesti-me rapidamente também, fomos para a Moto, ligamos e saímos direto em direção ao posto BR do Km 32 da Bandeirantes. No meio do caminho constatei que o tanque estava vazio, então eu torci para que fosse suficiente para chegar ao posto. Deu tudo certo. Chegamos, abastecemos, mas NADA do povo… Tudo bem, estávamos atrasados né? Quem iria culpa-los?

Mas ao sair do posto, vimos um pessoal, 4 Yamaha Fazer estacionadas… Pensamos que poderiam ser do pessoal do Fazer Online, alguns freqüentam o Twister Online também, e talvez, por sorte, estivessem ali por causa do nosso encontro. Então o pessoal saiu de dentro do restaurante do posto, e logo perguntei se eram do Twister Online, quando a resposta foi “Sim, vcs são a Luana e o Dan Dan não?”… viados!

Enfim, sem mais delongas, seguimos viagem em ritmo de tartaruga até o Art Café, em Morungaba… Quando encontramos o resto do pessoal que havia confirmado presença. Ficamos lá uns minutos e partimos sentido Serra Negra… A estrada é muito legal, muito emocionante, mas extremamente perigosa. Foram muitas as vezes que a moto desgarrou e eu tive que abrir a curva… isso em pista simples é um perigo! Mas deu para se divertir bastante com a Falcon, que não é a moto mais indicada para isso, mas que não fez feio frente as Twisters.

Chegando lá, encontramos um bar onde pedidos bebidas e petiscos. Ficamos lá conversando por um tempo, e então decidimos subir até um pico onde havia um mini-cristo redentor, e um teleférico. Ficamos lá conversando mais e deixando o tempo passar, e por volta das 16h00 resolvemos voltar pra casa.

Voltamos pelo mesmo caminho, a serra, mas desta vez viemos com mais cautela, Paramos rapidamente em frente o Art Café e nos deparamos com uma Hornet toda destruida… Continuamos a viagem e acabamos indo para Campinas!

Em Campinas, paramos para abastecer e depois, para tomar um caldo de cana. Depois, pegamos o rumo da Bandeirantes e voltamos para casa.

Sem relatórios desta vez – Eu ando muito preguiçoso!

Compartilhe!