Motos Elétricas

O assunto da moda agora é a propulsão elétrica em carros e Motos, mas o que pouca gente sabe é que já existem motos elétricas viáveis a venda!

Pois é, as motos elétricas já são uma realidade. Se nos carros a tecnologia ainda tem que evoluir muito para se tornar viável, nas motos ela já apresenta produtos acabados sendo vendidos.

No Brasil ainda estamos engatinhando. A Kasinski começará a importar da China e vender a Prima Electra, um pequeno Scooter movido por um motor elétrico de 2.000 Watts e baterias de 48 Volts de Chumbo. Esse conjunto leva o Scooter a até 60 km/h, com autonomia máxima de 60 km e recarga completa em 8 horas usando uma tomada comum. Não impressiona, mas é suficiente para uso urbano, para ir e vir do trabalho, por exemplo. Você pode deixar o scooter recarregando durante a noite, e usar durante o dia.

Kasinski Prima Electra

As baterias de chumbo são muito pesadas e apresentam um desempenho bem fraco se comparadas as baterias mais modernas, como as de NiMH ou as de Li-Ion (íons de Lítio), mas já é um começo.

Mas no exterior é que as motos elétricas estão mesmo evoluindo. A Vectrix VX-1 é um Scooter maior, equipado com um motor de 21.000 Watts (equivalente a 26.2 cv) e baterias de Níquel (NiMH), a Moto chega a 100 km/h e tem 100 km de autonomia, tudo isso com uma carga que demora menos de 4 horas.

Vectrox VX-1

Mas a evolução não para por ai. A Zero Motorcycles já produz e vende três modelos de motos, uma Trail, uma Dual Sport e uma Motard, que também são 100% elétricas. As motos têm um motor de 20 kW e baterias de íons de lítio, que são ainda mais leves, mais rápidas de recarregar e mais duráveis.

Zero-S

Veja: São motos que já existem e já estão a venda! E existem muito mais!

Além disso, a Zero está desenvolvendo uma moto esportiva para competir na TTXGP, categoria essa criada em 2009 exclusivamente para motos elétricas e que corre em diversos circuitos pelo mundo, inclusive na tradicional Ilha de Man. A moto impressiona pelo desempenho e pela durabilidade da bateria. O desempenho, creio eu, se equivale a uma moto de uns 60 cavalos. A moto acelera forte por 11 voltas no circuito de Infineon, na Califórnia. Como a pista tem 4.06 km, a moto andou 44,66 km a toda velocidade, e ainda sobrou carga para comemorar torrando o pneu traseiro ao final da corrida! Veja o vídeo:


Zero Agni Race Bike

A maior dificuldade em popularizar os veículos elétricos é justamente a tecnologia das baterias. Existem muitas, e as melhores atualmente são as de Li-Ion e LiPo. Ambas são leves e apresentam a maior capacidade de carga, mas ainda é pouco para fazer um veículo elétrico que substitua um a combustão. No mundo automotivo, o problema se agrava ainda mais, pois a maior parte da energia gasta pelos motores é “desperdiçada” para movimentar a pesada carcaça dos carros. Nas motos, o problema é bem mais fácil de solucionar, mas ainda está longe do ideal. Pesquisadores já possuem alguns modelos de baterias experimentais, que são mais leves e carregam de 2 a 8 vezes mais energia do que as baterias atuais, mas ainda é cedo para dizer quando essas baterias estarão no mercado.

Bateria do Nissan Leaf - A Nissan já produz baterias de Ions de Lítio de baixo custo

Enquanto isso não acontece, outra solução são os modelos híbridos. Já falei da Piaggio MP3 Hybrid aqui no Motos Blog, que parece ser uma solução interessante, e que alia um motor elétrico a um a combustão, permitindo o uso em modo 100% elétrico e, quando a bateria acabar, usar um motor a gasolina de 125cc para terminar o trajeto. A mesma solução está se tornando mais viável em carros também.

Piaggio MP3 Hybrid

Compartilhe!