Como comprar uma moto usada

Se você está pensando em comprar uma Moto usada, não deixe de conferir essas dicas para fazer um bom negócio!

Motos Usadas

  1. De uma boa olhada no chassis. Peça para alguém de sua confiança ir com você (um mecânico é até melhor, se você não entende do riscado). Afaste-se uns 5 metros para a frente da moto. com ela na posição vertical e guidon virado para frente, observe se a linha vertical central da roda dianteira coincide com a linha vertical central da roda traseira. É difícil avaliar isso, por isso, uma distância de 10 metros é um pouco melhor do que os 5 metros. Faça isso olhando pela frente e por trás da moto. Mas olhe fixamente por vários segundos. è importante que haja uma pessoa de porte médio à pesado sentada na moto durante esta verificação.
  2. Outra verificação, é colocar a moto no descanso central. Verifique a rodagem da roda traseira. Ela deve ser livre e sem oscilações (caixa de marcha em ponto morto, é claro), em ritimo constantemente regressivo (vai parando aos poucos com regularidade) e sem deformações de empenamento axial ou radial). O mesmo deve ser feito com a roda dianteira.
  3. Também observe a folga da corrente de transmissão. Se a regulagem dela está perto do meio ou mais para frente e a corrente tem uma folga de mais de 3 cm (30mm) a folga deve ser regulada para que a verdade do desgaste dessa relação venha à tona. Tem gente que tenta enganar o possível comprador colocando o eixo da roda trazeira mais à frente e alega que ainda tem muito “espaço” para folgar como se a relação ainda tivesse muita vida útil pela frente.
  4. Observe o desgaste dos pneus. Se o desgaste não for maior na parte exatamente central à banda de rodagem (se for mais de um lado do que de outro), isto é indício de quadro ou suspensão empenada. Se a moto é antiga e está com pneus novinhos, desconfie, pois pode ser que o dono trocou os pneus justamente para ocultar esse desgaste irregular e dizer que está lhe entregando uma moto com pneus novos como vantagem. O desgaste deve ser uniforme e central tanto na roda dianteira quanto traseira.
  5. Sente na moto. Gire o guidon de um batente ao outro e tente sentir se ela gira livremente e suavemente (sem “calos”, ressaltos ou rangidos). Também force um pouco a direção para frente e para trás para verificar folga excessiva na caixa de direção. Faça o mesmo para cima e para baixo e para os lados sem girar o guidon.
  6. Olhe as laterais de punho, manetes, retrovisores, escapamentos, pedaleiras, tampas do motor, amortecedores, etc. Procure por sinais de arranhões. Isso geralmente indica tombo.
  7. Peça para retirar o banco da moto e verifique o estado do chicote. Se tiver muitas emendas ou “buracos” fique atento.
  8. Procure, no quadro da moto por sinais de soldas recentes que não são as de fábrica. Se a moto é relativamente antiga e a pintura do quadro está ainda novinha, desconfie.
  9. Se a moto tem pintura personalizada, desconfie. Se o estado da pintura (muito novinha) for incompativel com a idade da moto (mais antiga), desconfie.
  10. Peça para ligar a moto. Preste atenção em barulhos no motor tanto em marcha lenta quanto em giros médios. Em geral, os maiores defeitos de motores aparecem nestes regimes de rotação. Aproveite e veja se o motor não está fumando (queimando óleo, soltando uma fumaça branco azulada com forte odor pelo escapamento). Fumaça negra pode ser mistura rica apenas (coisa fácil de acertar).
  11. Verifique o funcionamento de faróis, sinaleiras (setas), luzes de freio e buzina.
  12. Veja o estado de conservação do banco e o aspecto geral da moto. Isso pode revelar tanto a idade real da moto (km) quanto o cuidado que o dono dispensa à mesma.
  13. Verifique o estado da enraiação (rodas raiadas) ou aro (roda de liga). Se tiverem mossas, socos, empenamentos, ferrugem ou estiverem com a pintura muito recente, desconfie.

Mas em fim, o mais importante mesmo é verificar se o quadro da moto está integro, alinhado, sem empenos. Se isso estiver bom, qualquer outra peça é substituível e você volta a ter uma moto segura e confiável. Se o quadro não está alinhado e integro, você pode trocar qualquer peça que você nunca terá uma moto boa. Isso vai virar pesadêlo, dor de cabeça e outras coisas mais.

Fonte: Fórum Pequenas Notáveis

Compartilhe!