Dicas para viagens internacionais

Está pensando em viajar de Moto para fora do Brasil? Fazer aquela viagem de 20 mil Km por toda a América do Sul ou simplesmente ir visitar um país vizinho? Então separei algumas dicas para você não ter muita dificuldade e ter uma viagem prazerosa e tranqüila.


Sabia qual o caminho
Parece que não, mas muita gente embarca numa viagem destas sem nem mesmo saber para que lado vai. Defina uma meta, e então, faça seu trajeto COMPLETO. Isso inclui todas as rodovias que vai pegar, em qual quilometro deve entrar e sair de cada uma delas. As cidades por onde vai passar e as cidades onde pretende parar. Faça um planejamento para determinar o dia e hora que deverá fazer cada parada. Mapeie inclusive quais postos de combustível você irá usar. Pode parecer exagero, mas não é nada agradável você ficar sem combustível no meio do nada porque não sabia que aquela estrada não tem postos por 500 km.

Planeje a viagem dia-a-dia
Faz parte da dica anterior: Você deve fazer um cronograma da viagem, detalhadamente, dia-a-dia. Por exemplo, no dia 1 você sai de casa e vai em direção a cidade X, passando pelas cidades A, B, C e D, pelas rodovias 1 até o km 200, 2 até o km 780, 3 até o km 10 e 4 até o km 20. Vai abastecer nos postos E, F e G. Vai almoçar na cidade B e vai jantar e dormir na cidade D, no Hotel Z. No dia 2… E por ai vai.
Portanto é importante que saiba A CADA DIA onde vai comer, onde vai dormir, onde vai arrumar sua moto (se ela quebrar). Portanto, reserve os hotéis com antecedência, obtenha uma lista das concessionárias do fabricante da sua moto em cada cidade por onde vai passar. Nas cidades onde pretende parar para comer, tente descobrir com antecedência os restaurantes que lá existem, e os pontos turísticos também, para tirar fotos.

Evite ir com garupa
Viagens longas tendem a ser muito desconfortáveis, e o garupa sempre atrapalha. Se possível, arrume outra moto para sua companhia ir. Mas se não for possível, lembre-se de que o espaço para bagagens é limitadíssimo. Invista num Bauleto grande, em malas para tanque e alforjes. Tem modelos para todos os tipos de moto (e não só as custom).

Use uma moto minimamente capaz
Em outras palavras: Não faça uma viagem de grandes proporções com uma moto menor que 250cc. Conheço pessoas que foram de Yamaha Fazer para o Chile… Tem que ter muita disposição pra isso, pois a moto é o limite mínimo do conforto para isso. Motos de 125 e 150cc, nem pensar! Além disso, pense sobre o trajeto que vai fazer. Não adianta ir de R1 num lugar onde todas as estradas são de terra… Já é difícil andar lá em condições normais, se tiver chovido no dia anterior então, você certamente não vai conseguir seguir viagem.

Ninja ZX11 com bauleto e malas laterais


Equipe-se
Planeje bem por onde vai passar e vá equipado: Se vai andar em locais com muita brita, convém levar uma câmara de pneu. Se vai passar por lugares com neve, invista num EXCELENTE macacão e em luvas. Pilotar em temperaturas abaixo de zero é realmente MUITO frio. Também convém levar lâmpadas, velas, filtros de óleo e alguma comida enlatada para uma emergência. Equipar sua moto também pode fazer parte do processo. Em alguns países o uso de extintor de incêndio é obrigatório, em outros, é proibido uso de Xenon. Informe-se sobre a legislação dos locais onde vai passar.

Documentação em ordem
Falando em legislação, verifique como é que funciona o turismo nos países por onde vai passar. Para países do Mercosul, não é necessário passaporte, mas o RG original é necessário (não serve a CNH). Além disso, você precisa contratar o seguro verde para a sua moto. Geralmente você contrata na própria aduana (fronteira), mas é bom contratá-lo antes mesmo de sair de casa. Falando em seguro, faça também um seguro viagem, que te dê cobertura para emergências médicas, translado em caso de emergência, translado de corpos (nunca se sabe né), despachante e transmissão de mensagens. Informe-se sobre os números de telefone do atendimento do seguro e saiba como ligar para eles em cada país por onde passar (informe-se sobre códigos telefônicos internacionais, etc.).

Leve DINHEIRO VIVO
Não viaje com o dinheiro contado. Tenha uma boa sobra de dinheiro para as despesas não planejadas e emergências. Compre a moeda dos países por onde for passar, e compre dólares também, que são aceitos em qualquer lugar. Cartão de crédito internacional não é dinheiro! Nem sempre os lugares por onde vai passar dispõe de máquina de cartão. Falando em cartão, se puder evitar usá-lo, melhor, pois o risco de clonagem do seu cartão em outro país é muito maior do que aqui no Brasil.

Leve um celular
E não esqueça de ligar para sua operadora e informar-se sobre o roaming internacional. É sempre bom ter ele, apesar de ele não funcionar em alguns locais. E durante a viagem, deixe ele desligado para economizar bateria… Se ele ficar ligado, você não vai conseguir atender e vai gastar bateria a toa.

Não conte com o GPS
O GPS ajuda bastante, mas não conte com ele. Se você cair de moto e ele quebrar, você vai ficar sem referencia. O melhor é ter, além do GPS, os mapas impressos em papel e guardados em um envelope plástico.

Aprenda um pouco sobre mecânica
Em viagens assim, você terá de ser seu próprio mecânico. Não dá pra contar com assistência técnica fora do seu país, além disso, imprevistos acontecem e muitas vezes você mesmo pode resolver se souber e tiver as ferramentas certas. Portanto, prepare um pequeno jogo de ferramentas (não use as ferramentas que vem junto com a moto, pois são uma porcaria e quebram fácil). Você basicamente precisa aprender a trocar óleo e filtro, a regular a corrente de transmissão, a trocar uma vela ou um cabo de acelerador em uma eventualidade.
Outro ponto interessante é: se você estiver indo para locais com grande altitude, como a Bolívia ou os Andes, e a sua moto não tiver Injeção Eletrônica, então você terá de aprender a ajustar o carburador. Em grandes altitudes, o ar fica rarefeito e o motor tende a perder rendimento. Quanto mais alto, pior, podendo chegar a situação do motor parar de funcionar por excesso de gasolina na mistura. Para resolver, é preciso tirar o carburador da moto e regulá-lo, trocando giglês. Informe-se com seu mecânico e peça para ele te ensinar. E treine algumas vezes. Motos com Injeção Eletrônica não tem este problema, pois elas se ajustam automaticamente.

O planejamento de viagens assim geralmente leva MESES, bem mais tempo do que a própria viagem em si. Mas ele é que garante que sua aventura seja tranqüila e segura.

Compartilhe!